quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

«AS INCONTESTÁVEIS» #4

obra-prima, s. f.
1. Obra primorosa, perfeita, das primeiras no seu género.
2. A melhor obra de um autor.

5 das Incontestáveis Obras-Primas
de Nuno Barroso, autor do blogue Delusion Over Addiction:
O Assassínio de Jesse James Pelo Cobarde Robert Ford (2007),
de Andrew Dominik
A Fonte da Virgem (1960), de Ingmar Bergman
Pagos a Dobrar (1944), de Billy Wilder
The End of Evangelion (1997), de Hideaki Anno e Kazuya Tsurumaki
Amadeus (1984), de Milos Forman

5 das Incontestáveis Obras-Primas
de Sofia Santos, autora do blogue It's Showtime:Apocalypto (2006), de Mel Gibson
Beleza Americana (1999), de Sam Mendes
Sete Pecados Mortais (1995), de David Fincher
A Barreira Invisível (1998), de Terrence Malick
Pulp Fiction (1994), de Quentin Tarantino

Quem contesta?

33 comentários:

  1. Eu avisei que eram todos americanos e recentes. O que parece ser – segundo alguns intelectuais que “pairam” neste “passatempo” – sinónimo de pouca cultura cinematográfica. POIS TEMOS PENA… para esses: existem no talho ISCAS (para a má disposição) e enquanto ingerem as iscas, aconselho-os vivamente a verem o filme “Totó a cag*r no deserto” – essa mítica obra da sétima arte e que segundo consegui apurar tem mais de 30 anos.

    Voltando as minhas escolhas.

    Pulp Fiction: é um fascínio. Ousado, contemporâneo, rítmico, ímpar. Adoro o pormenor dado pelas quebras na ordem cronológica, que permitem dar o papel de protagonista, a personagens diferentes à medida que o filme se desenrola.
    A dupla Vicent Vega (John Travolta) e Jules Winnfield (Samuel L. Jackson) e os diálogos entre eles são lendários. E Vicent Vega é a ponte entre Reservoir Dogs e Pulp Fiction – um detalhe subliminar.
    Mia Wallace (Uma Thurman) tornou-se uma das personagens femininas mais marcantes da história do cinema – pela sua dança, mas sobretudo pela cena da overdose.
    A genialidade deste filme é aprimorada com a brilhante, inesquecível e marcante banda sonora.
    Para mim, este filme é um todo – realização, produção, roteiro, etc – tudo se conjuga de forma a o tornar – a meu ver – BRILHANTE.

    (cont.)

    ResponderEliminar
  2. Se7en: uma palavra para este filme: LUZ. Sendo uma estudiosa (em part-time) da Luz na Pintura, a forma como David Fincher a utiliza neste filme, deixa-me deslumbrada. É a Luz que permite delinear o protagonismo que as personagens devem ter, como se de uma pintura se tratasse. Fincher o “mestre das frames”, consegue neste filme outra coisa que eu acho mágica: os cenários. São estes cenários e a sua ligação à luz, que nos permitem “quase sentir o cheiro” daquilo que se passa na tela.
    É um retrato perturbador de uma sociedade podre no seu interior – povoado por um sempre brilhante Kevin Spacey – que emprega ao filme um dos melhores finais de sempre.

    The Thin Red Line: Não sou de todo, fã de filmes com a temática “guerra”, no entanto, The Thin Red Line, ultrapassa a conjugação a este adjectivo. È a adaptação de um romance, povoado por um elenco de luxo e que mostra a intensidade psicológica da guerra. Toca-me precisamente pelo grau de intensidade, pelo toque poético e humanista que Malick emprega ao filme. Mostra a “luta pela sobrevivência”, o instinto de sobrevivência, que se divide constantemente entre sentimentos de companheirismo, mas ao mesmo tempo de individualismo – essa característica tão inerte ao ser humano. É para mim violento, invulgar e deslumbrante pelo retrato humano que transmite.

    Chega a vez de American Beauty. Ora bem, como não ser fã de um país que dá origem a um filme que critica esse mesmo pais e ainda por cima realizado pelo inglês Sam Mendes. Este filme marca o fim do mítico “sonho americano” e o toque de Midas deste filme: Kevin Spacey.
    A personagem Lester Burhan comete todas as “loucuras possíveis e imaginárias”, algumas das quais, todos nós - a certa altura da vida - pensamos fazer e Lester diz a propósito disso: “I feel like I've been in a coma for the past twenty years. And I'm just now waking up”.
    O roteiro de Alan Ball é excepcional, cheio de símbolos, humor disfarçado e crítica social apresentada de forma subtil através de uma frase usada no marketing de apresentação – “look closer”. Ora bem, este filme para mim significa: “nada do que parece, é”

    A minha última escolha: Apocalypto.
    Porquê? Esta é talvez a escolha mais pessoal das 5. A História é a ciência que escolhi para formação académica e Mel Gibson, com este filme, fez-me sentir um ORGULHO IMENSO por ter escolhido esta área do saber. Já o tinha conseguido com The Passion of the Christ, mas superou-se com Apocalypto.
    Não gosto do filme por questões de realização, de produção, ou de roteiro, gosto do filme como apontamento histórico e como personificação do que aprendi em 4 anos de licenciatura – as civilizações têm a capacidade única de se auto destruírem.
    Mas merece um apreço especial, o mérito visual do filme. Dean Semler conseguiu mostrar paisagens deslumbrantes no meio de um enredo cruel e violento.
    É para mim um filme exímio enquanto “documento histórico” (e sim! com algumas falhas históricas – mas que em nada lhe tiram – a meu ver – o valor).

    Estas 5 escolhas são as minhas Incontestáveis.
    Se gostarem, gostaram, se não gostaram, não me interessa. E por respeito ao Roberto, nem vou comentar as participações desagradáveis, para não correr o risco de ser mal educada.

    São as minhas escolhas, portanto, são minhas!
    Obrigado Roberto

    ResponderEliminar
  3. Boas Listas, adorei a escolha de "Pagos a Dobrar" pois adoro o Billy Wilder e amo o género Noir...

    ResponderEliminar
  4. A grande surpresa para mim foi "The End of Evangelion", não estava a contar com esta, mas gostei de ver a diversidade.
    Não vi o filme, vi alguns episódios da série. O meu filme deste género predilecto será o Akira mas ainda assim a manga é muito mais completa.
    Dá para ver o filme sem ter visto a série? E é Aconselhado fazê-lo? Ou devo pegar na série?

    O Amadeus é um dos melhores filmes sobre um compositor. Pode não ser rigoroso em termos históricos, mas é um produto de ficção e para ser bom não tem de o ser.


    Das escolhas da Sofia o que me diz menos é o Apocalypto. Gostei do filme, gosto de muita coisa que o Gibson tem explorado na realização. Mas prefiro os outros 4.
    O Seven é um dos grandes thrillers juntamete com o silêncio dos inocentes (eu escolheria o silêncio entre os dois).
    Pulp fiction é o meu predilecto de Tarantino, e foi um dos que pensei em colocar na inha lista.
    Os dois filmes que vi de Malick são obrigatórios e lindissimos, nunca se cai em erro quando se escolhe algo dele.
    O American Beaty pode não ser uma obra-prima para mim mas é um filme do caraças, adoro-o.

    ResponderEliminar
  5. Ora cá vai:
    da lista do Nuno Barroso, só vi ainda o "End of Evangelion"....prefiro o Evangelion 1.0... mas é um dos que gostava de rever.

    Da lista da Sofia Santos, ainda não vi A Barreira Invisível, e cá está, um dos filmes que ouço recomendar há anos, mas me tem escapado. O dia só tem 24horas :-)

    ResponderEliminar
  6. Do Nuno Barroso só não vi A Fonte Virgem, um caso especial, uma vez que Bergman é dos meus realizadores preferidos.
    Gosto bastante do Jesse James, do Amadeus e principalmente dessa grande obra-prima que é Double Indemnity!
    Nota-se que as suas escolhas pretenderam contemplar as ultimas 5 décadas!

    Quanto ás escolhas da Sofia, gosto bastante de todas as películas, á excepção de Apocalypto. Não seriam os maiores exemplos de obras-primas mas são sem dúvida muito bons filmes :)

    ResponderEliminar
  7. Das escolhas do Nuno, confesso que não vi nenhum...cá ficam mais sugestões ;)

    Quanto às das Sofia...primeiro, go girl! ;)
    Apenas não vi A Barreira Invisível; em relação a Beleza Americana teria que o rever para dar uma opinião sustentada...já o vi há mesmo muitos anos;quanto a Apocalypto, é de facto um deslumbre visual e uma exímia reconstituição histórica (e aqui partilho a minha paixão pela História, mesmo não sendo a minha formação)mas não me cativou assim tanto; Pulp Fiction e Seven são excelentes, mas excelentes filmes...e poderiam figurar nas minhas escolhas.
    Excelentes justificações da Sofia...e lá está, é mesmo isso que interessa:partilhar as nossas paixões cinematográficas e perceber como os filmes nos tocam de maneira diferente e única!

    ResponderEliminar
  8. Da lista do Nuno, confesso que não conheço o The End of Evangelion. Os outros 4 são filmes que quase não se podem contestar, tal a mestria da sua realização.

    da Lista da Sofia, são escolhas mais "mainstream" mas que se aceitam... Um deles coincide com as minhas escolhas. Veremos qual!

    ResponderEliminar
  9. SOFIA: Agradeço pela participação e pelas excelentes justificações ;) Muito bons filmes, apesar de não considerar nenhum uma incontestável obra-prima. O filme de Malick talvez se aproxime.

    LUÍS SILVA: Não conheço esse filme ainda. A anotar.

    LOOT: "O Amadeus é um dos melhores filmes sobre um compositor. Pode não ser rigoroso em termos históricos, mas é um produto de ficção e para ser bom não tem de o ser" - É isso. Partilhamos da mesma visão no que se refere à relação da História com a reconstituição histórica na arte.

    CINE31: Como era bom se tivesse mais de 24h... Queixamo-nos todos do mesmo ;)

    NEUROTICON: Da lista da Sofia, talvez a BARREIRA atinja a quase perfeição. De resto não reconheço nenhum dos filmes como obra-prima. Mas lá está, são filmes formidáveis. Inclusivé o APOCALYPTO, na minha opinião.

    CATARINA NORTE: Os dois que vi são magistrais, pelo que me parece uma lista exemplar. É isso, ficam as recomendações. Recomendo vivamente a BARREIRA do Malick.

    JOÃO BASTOS: Da lista do Nuno não conheço os 3 filmes do meio. Ficam as recomendações. As escolhas da Sofia, mainstream ou não, são muito bons filmes.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  10. Que fique apenas registado o brlhantismo do primeiro parágrafo do primeiro comentário da Sofia. Muito bom mesmo.

    Quanto às escolhas, prefiro sinceramente as dela ;)
    Pulp Fiction é eterno :D

    p.s- Mais uma brilhante iniciativa, Roberto, parabéns.

    ResponderEliminar
  11. RUI FRANCISCO PEREIRA: Por acaso não achei minimamente brilhante, o primeiro parágrafo. Defendermo-nos é uma coisa, atirarmos gratuitamente achas para a fogueira é outra. Com todo o respeito para com a Sofia, que ela sabe que eu compreendo perfeitamente a situação que, quanto a mim, não atingiu propriamente proporções gravosas - jamais permitiria que isso acontecesse no meu blogue - mas não precisamos deste tipo de picardias porque não são nem construtivas nem são sobre o objecto em questão: o cinema. Centremo-nos nas escolhas de cada um e não arrastemos a picardia, que é despretigiante para todas as partes envolvidas. Gostamos de cinema e queremos falar sobre cinema.
    Quanto às escolhas da Sofia, como já disse, são efectivamente bons filmes, muito bons filmes. Bem sei o quanto gostas do PULP FICTION ;)
    Quanto aos parabéns, agradeço. Aparece mais vezes ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  12. Mais duas listas completamente opostas.

    Boas escolhas americanas, Sofia, conseguiste provar que há bom cinema do outro lado do Atlântico. E recente :) O Beleza Americana, o Pulp Fiction e o A Barreira Invisível são de facto obras primas dos anos 1990. O Seven está lá perto. Quanto ao Apocalyptico, não vi, mas não me atrai muito, apesar de também gostar de História.

    Quanto às do Nuno, o único que vi, O Assassínio de Jesse James... é um bom filme, mas acho que está demasiado sobrevalorizado. Tenho muita curiosidade em ver a Fonte da Virgem (é um dos próximos DVDs a ver por estes lados) e o Pagos a Dobrar por serem de dois cineastas que muito aprecio, cada um no seu estilo. O Amadeus o mesmo, mas mais por pretender aprofundar a obra do Forman, que conheço pouco. O outro não conheço.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  13. Então vejamos...
    Da lista do Nuno só vi recentemente Double Indemnity e achei o filme soberbo, muito bom mesmo. Dos outros todos ainda não tive oportunidade em vê-los - lá está o dia só tem 24 horas.

    As escolhas da Sofia, para mim são as quais me identifico mais - só não vi Apocalypto, mas quero vê-lo o mais brevemente possivel.

    Beleza Americana e Sete Pecados Mortais são sem dúvida obras-primas incontestáveis, por isso nada a contestar.
    A Barreira Invisível já o vi, mas não me convenceu minimamente, mas lá está são opiniões.
    Pulp Fiction é o 2º filme que gosto mais de Tarantino - também o considero uma obra-prima, mas em termos deste realizador a minha escolha recai num filme que é raro mencionarem Kill Bill - para mim o melhor de Tarantino, mas lá está esta é a minha opinião.

    ResponderEliminar
  14. Roberto, percebo o teu ponto de vista enquanto "proprietário e moderador" do "passatempo/debate", mas não podia deixar impune o facto de alguém que por aqui anda me tentar ensinar o que é "educar gostos".
    O que disse faz parte daquilo que sou, do que penso e sobretudo pelo facto de ser uma respeitadora de gostos e opções pessoais.

    ResponderEliminar
  15. SOFIA: Com certeza, mas vamos arrumar definitivamente o assunto, que deverá ser, certamente, a vontade de todos.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  16. ARRUMADÍSSIMO... até porque o que interessa aqui é o Cinema

    ResponderEliminar
  17. Nota mental: Quando escrever longos comentários, guardá-los no Word para que não os tenha de reescrever caso ocorra algum problema ao clicar “Enviar”.

    Take 2 (ahah)

    Em primeiro lugar, quero agradecer ao Roberto por ter publicado as minhas escolhas.

    Em segundo lugar, quero comentar as escolhas da Sofia: Ainda só vi o BELEZA AMERICANA (magnífico!), o SEVEN (um dos meus eternos favoritos. Já escrevi sobre ele no meu blog, portanto, para uma opinião mais elaborada podem passar por lá  já agora, a justificação da Sofia é fantástica!), e o Pulp Fiction (é bem merecedor do estatuto que detêm nos dias de hoje).

    Em terceiro lugar, vou definir muito brevemente o que para mim é uma obra-prima. Não considero a variável Tempo, por si só, definidora do termo. Utilizaria duas expressões antes de chegar ao Tempo: a) o “revisionamento” do filme – Não acho que um filme de 60 anos seja automaticamente melhor que um de 2 meses. Acho que a capacidade que um filme tem de manter a sua magia “inicial” ao longo das diversas vezes que um espectador o (re)visita é que lhe confere toda a sua singularidade, o seu carácter único e primoroso. b) A relação que o espectador estabelece com o filme: quer pelo facto da obra lidar com temas que são próximos do espectador, quer pelo facto da sua fotografia ser exactamente aquilo que o espectador gosta, quer pelo facto de o filme evocar recordações nostálgicas ao espectador, quer pelo facto da obra suscitar na pessoa um desejo constante de o rever, etc etc. Se existe um elo emocional existente entre pessoa/filme, então não vejo qualquer problema em que essa pessoa o apelide de “obra-prima”.

    Adiante, e justificando as minhas escolhas:
    - Jesse James... – Acredito que é um verdadeiro festim visual e auditório. Todas as peças encaixam umas nas outras de uma forma completamente orgânica e harmoniosa. A interpretação do Casey Affleck ficará, certamente, para a história

    - A Fonte Virgem – É um grande estudo sobre a condição humana. Brilhantemente realizado, A Fonte Virgem é um filme portador de uma grande intensidade, e ficará para sempre gravado na minha memória.

    - Pagos a Dobrar – A inclusão deste filme na minha lista prende-se com o facto de querer incluir uma obra de um dos meus géneros favoritos: o film-noir. Aqui, é a mestria de Billy Wilder na qualidade de realizador e argumentista que se sobressaem. É tenso e meticuloso. É fenomenal.

    - The End of Evangelion – Revisitaria este filme muitas mais vezes se o mesmo não fosse incrivelmente denso (emocionalmente falando). Também já escrevi sobre ele no meu blog, mas adianto já que este é um dos filmes mais estimulantes que alguma vez tive o prazer de ver. Dirigindo-me às questões do the loot (e aplicando-se a todos aqueles que encarem o filme como uma recomendação): Aconselho *VIVAMENTE* verem a série antes de verem o The End of Evangelion (tanto que este filme surge como uma conclusão da série). Creio que se não o fizerem, então poder-se-ão sentir perdidos enquanto o estiverem a ver, pelo que o impacto total do filme será desperdiçado.

    - Amadeus – Simplesmente brilhante em toda a sua grandiosidade e esplendor. A direcção artística deste filme, repleta de pormenores deliciosos, é fenomenal! Temos o riso contagioso de Mozart, Tom Hulce, e um enredo que é extremamente cativante desde o primeiro minuto até ao momento em que os créditos finais deixam de rolar. Fabuloso!

    Gostaria de ter expandido mais as minhas justificações, mas reescrevê-las duas vezes seguidas é demasiado para o meu cérebro neste momento. Ahah

    Cumprimentos, e mais uma vez, um muito obrigado!

    ResponderEliminar
  18. parece que aqui a Sofia está bastante exaltada, tem lá calma, a discussão já lá vai eheh

    gostei das duas listas, mais da primeira. Gosto do filme do Bergman mesmo não sendo dos meus preferidos do realizador. O Pagos a Dobrar é Brilhante, e Billy Wilder merece sempre destaque. Não gosto do filme do Dominik.

    Da segunda lista apenas o filme do Mel Gibson está aí um pouco destoado. Os outros são bons filmes dos anos 90 e "A Barreira Invísivel" é uma grande obra-prima. Adoro o Pulp Fiction e o Seven também.

    ResponderEliminar
  19. joão gonçalves é tão difícil explicar em palavras o que o Apocalypto significa para mim. É como tentei escrever na justificação - não é pela realização, não é pelo argumento é mesmo pela ligação entre a história retratada no filme e a História que aprendi no meu curso. :)

    ResponderEliminar
  20. NUN0B: Nem acredito que este texto foi escrito a uma segunda tentativa ;D Que azar! Obrigado pelas justificações e pela participação!

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  21. ainda sobre "Pagos a Dobrar": é excelente e é normal inclui-lo nesta lista, mas no género do film-noir eu tenho um carinho especial por "The Maltese Falcon". Deve ser por ter Bogart, um dos meus actores favoritos, pelo que para mim seria mais fácil incluir este.

    ResponderEliminar
  22. Roberto - É verdade! foi de um "uff! Finalmente acabei de o escrever, send it away!" para um "SERIOUSLY? D:" ahahahahah

    João Bastos - Yes! Também sou grande grande fã do The Maltese Falcon, mas infelizmente teve de ficar de fora da minha selecção!

    ResponderEliminar
  23. Grande listas. Gostei de ambas.

    Do Nuno, não vi A Fonte da Virgem e The End of Evangelion, pelo que o título do de Bergman me alicia bastante. A seu tempo.

    Não considero o The Assassination of Jesse James uma obra-prima, de longe. Mas é um belíssimo filme, exímio na arte da fotografia, banda sonora e interpretações. No entanto penso que lhe falta mais carisma, ainda assim é um dos que preciso rever. Mas isto de revisões anda muito mal, com tanto para ver é normal não é!

    Pagos a Dobrar é um filme magnífico, um noir fascinante do início ao fim. Prende e capta a atenção nos primeiros minutos, deixando-nos depois fixos ao ecrã desejando e devorando a história. Ainda assim, (e o filme constou na minha pré-selecção) não o consideraria uma obra-prima no sentido que me parece que se gasta com mais visualizações. Posso estar enganado, só o vi uma vez (e adorei) mas tenho dúvidas quanto à sua sobrevivência com mais revisões em cima. Do realizador mais facilmente colocaria numa lista minha o Sunset Boulevard ou o Some Like it Hot. Mas isso já terá a ver com a tal ligação pessoal/emocional. De qualquer modo grande escolha Nuno.

    Amadeus é uma obra-prima. Mais uma grande escolha. A minha convicção não é apesar de tudo incontestável, pois vi-o recentemente pela primeira vez. E adorei, é esplendoroso, requintado e muito interessante sob o ponto de vista biográfico, para além de visualmente e musicalmente ser um portento. Que grande filme, do melhor que a década de 80 nos ofereceu.

    As escolhas da Sofia são igualmente boas. Não considero nenhuma obra-prima, mas tenho afeição por todos eles, e um respeito enorme por Apocalypto. Um grande momento que Mel Gibson nos deu.

    abraço

    ResponderEliminar
  24. Das escolhas do Nuno ainda só vi o Double Indemnity e logo figurou entre os meus filmes-noir de eleição, Wilder tem pelo menos mais duas obra-primas. Quanto ao Evangelion, apenas via a série há uns anos e considero um dos animes mais bem conseguidos de sempre, filosófico e contundente.
    As escolhas da Sofia são mais conhecidas e tem grandes títulos. American Beauty é um dos filmes da minha vida, ainda assim não considero obra-prima. Pulp Fiction e Thin Red Line são verdadeiras obras primas.

    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  25. Muito bons filmes!
    Mas...
    Acabaram-se as "obras-primas"?

    ResponderEliminar
  26. Sobre as escolhas do Nuno. O meu voto máximo vai para O Assassínio de Jesse James.
    Jesse James, essa lenda americana semelhante a um Robin Hood americano é brilhantemente interpretado por Brad Pitt. O filme é a meu ver uma espécie de lição de vida, um “open eyes” (como diria o outro) – desconfiar mais dos amigos ao invés dos inimigos.

    O Amadeus deu-me a conhecer melhor Mozart e apresentou-me Salieri. Replecto de detalhes incríveis, permite mergulhar na complicada mente humana, num mundo de banalidade, imoralidade, inveja.... Tudo isto envolto em fabulosos cenários barrocos – ambientes deslumbrantes (com a Talha Dourada a servir de detalhe), guarda-roupa brilhante, música e uma Praga de cortar a respiração.

    Sobre a A Fonte da Virgem, já o vi à muito tempo e confesso que não me lembro de muitos detalhes (falha minha). Penso, se não estou enganada que aborda a questão da injustiça divina e a procura de justiça humana pelas mãos de um pai destroçado. Vou rever e entretanto vou ver os outros dois que não vi.

    ResponderEliminar
  27. O End of Evangelio é uma escolha muito curiosa mesmo. Á semelhança do que foi dito, é altamente recomendável assistirem á série antes de verem o filme. E o filme é uma experiência verdadeiramente sensorial. Uma obra extraordinária. Um dos expoentes do anime japonês, na minha opinião.

    ResponderEliminar
  28. Tanto uma como a outra são boas listas para uma rúbrica intitulada os meus filmes preferidos ou coisa do género. Isto porque obras-primas só vejo aí duas, a do Malick e a do Bergman (e o do Wilder anda perto). Mas são todos bons filmes.

    ResponderEliminar
  29. Quanto à lista do Nuno, gostei muito do "The Assassination...", se o termo subvalorizado alguma vez calhou bem a um filme, foi a este. E o "Double Indemnity" é um excelente filme, noir ou não. Tenho algumas dúvidas com o "Amadeus", porventura, tenho de o rever.

    Da lista da Sofia, não vi o "Apocalypto". Os outros parecem-me bem, à excepção do "American Beauty". Sou só que acho que o filme é perfeitamente detestável?

    Roberto, se me permites que te sugira uma rubrica futura, que tal uma com os ódios de estimação. Era capaz de ser engraçado.

    ResponderEliminar
  30. JOÃO LAMEIRA: Conheço mais umas quantas pessoas que não gostam do BELEZA AMERICANA, por acaso. Eu gosto bastante, mas lá que é sobrevalorizado, lá isso é.
    Quanto à sugestão, agradeço. Vou anotar ;)

    Obrigado a todos pelos comentários! O debate continua.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  31. Bem uma pessoa fica sem palavras, só bons títulos! Grandes listas.

    ResponderEliminar
  32. Roberto: a ideia do João Lameira é bastante engraçada. Fazer os 5 DETESTÁVEIS ;) Gostei e já tenho candidatos...

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões