quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

«AS INCONTESTÁVEIS» #3

obra-prima, s. f.
1. Obra primorosa, perfeita, das primeiras no seu género.
2. A melhor obra de um autor.

5 das Incontestáveis Obras-Primas
de João Palhares, autor do blogue Cine Resort:
Playtime - Vida Moderna (1967), de Jacques Tati
O Dinheiro (1983), de Robert Bresson
Os Contos da Lua Vaga (1953), de Kenji Mizoguchi
Cruel Vitória (1957), de Nicholas Ray
City Girl (1930), de F. W. Murnau

5 das Incontestáveis Obras-Primas
de André Marques, autor do blogue Blockbusters:Guerra das Estrelas (1977), de George Lucas
O Mundo a Seus Pés (1941), de Orson Welles
Psico (1960), de Alfred Hitchcock
Sacanas Sem Lei (2009), de Quentin Tarantino
O Padrinho (1972), de Francis Ford Coppola

Quem contesta?

27 comentários:

  1. identifico-me com as escolhas do andré, mas reconheço que a lista do joão é apelativa. São grandes cineastas para grandes filmes.
    A do André, tem clássicos intemporais. Star Wars mudou a história do cinema e cultura pop. Psycho é um hino ao cinema técnico. Hitchcock é mestre! Citizen Kane é o clássico. Não é à toa que é o #1 para o American Film Institute (se é que isso vale alguma coisa).
    Sobre o Padrinho, já o dei como exemplo no post anterior. Não me cativa mas reconheço o mérito e mestria de Coppola. Ainda que para mim Goodfellas seja o melhor do género. Sacanas Sem Lei, irá ser muito provavelmente um clássico!

    ResponderEliminar
  2. É que nem há comparação possível. Muito boas escolhas as do João.

    ResponderEliminar
  3. João, o "Playtime" e o "Bitter Victory" são obras-primas de muito difícil contestação. O "L'argent", dos Bresson que vi, deve ser o de que menos gosto, mas ainda assim... Não vi nem o do Mizoguchi, nem o do Murnau.

    Na lista do André também não encontro um filme mau, o "Citizen Kane" e o "Godfather", especialmente, são grandes, grandes filmes.

    ResponderEliminar
  4. Grandes filmes aqui presentes:) Um duelo Cinema de autor versus Mainstream. Fizeste muito bem em ter escolhido estilos opostos de novo Roberto ;)
    Do João Palhares são incontestáveis o Playtime, Contos da Lua Vaga e o L'Argent. Os outros dois ainda não vi.
    Do André Marques, The Godfather, Citizen Kane e Psycho tb são incontestáveis. Adoro a saga Star Wars e Inglorious Bastards mas não considero obras-primas. Empate técnico para mim :)

    Abç

    ResponderEliminar
  5. Identifico-me muito com as escolhas do André. O "Sacanas sem Lei" e o "Star Wars" eram filmes que podiam facilmente figurar nas minhas próprias escolhas.

    ResponderEliminar
  6. Identifico-me com as escolhas do André - já os vi todos e são todos muito bons.
    Mas mais aprofundadamente:

    "Guerra das Estrelas" - foi de um ódio pessoal que tinha, para o completo oposto - os filmes são todos geniais , mas este foi quem deu o mote para que a saga começasse.
    "O Mundo a Seus Pés" - é um filme arrepiante e extremamente angustiante... e aquela ultima palavra "Rosebud" fica na memória de todos certamente.
    "Psico" - Hitchcock, o realizador dos realizadores para mim. Excelente escolha e é bom ver que existe alguém que também prefere Psico a outros filmes mais conceituados de Hitchcock, como Vertigo, por exemplo. Este filme para mim é o dos mais geniais do mestre do suspense.
    "Sacanas Sem Lei" - foi um filme muitissimo bom, mas de Tarantino, não era este que escolheria.
    "O Padrinho" - É magnifico - um dos melhores filmes de gangsters que já vi. Dentro desta categoria, a minha escolha muito provavelmente recaia também neste filme.

    Em relação, ás escolhas do João, só não o escolheria, porque das 5 só conheço "Playtime" de Jacques Tati e dentro de Tati, este não é para mim o melhor dele (aliás já disse isso no post anterior do Roberto).
    Os outros filmes conheço-os de nome, mas nunca tive oportunidade de os ver - ficam mais referências para no futuro visionar ;)

    ResponderEliminar
  7. As escolhas do André são mais óbvias, os clássicos por si escolhidos reunem talvez mais unanimidade que as escolhas do João. Pessoalmente prefiro as do João, destacando Bresson e Mizoguchi. Boas escolhas, sem dúvida.

    ResponderEliminar
  8. As duas melhores listas até agora – 10 excelentes filmes, ou no mínimo muito bons, mas todos de visão obrigatória. Mas vamos ao que, acho eu, interessa destacar aqui – as “incontestáveis”. Tati, Bresson, Ray e Murnau fizeram todos eles melhores filmes, razão pela qual os filmes indicados me soam um pouco a “2ª ou 3ª escolha”(eventualmente intencional, pois custa-me a acreditar que o João Palhares não prefira outras obras destes mesmos realizadores), e por isso não lhes concedo o direito ao adjectivo. O de Murnau, então, nem sequer teve o agreement final do realizador, que viu o seu filme ser adulterado nas mãos do produtor. “Os Contos da Lua Vaga” é que não dá realmente hipótese a qualquer contestação. Tal como “Citizen Kane” ou “The Godfather”. “Psycho” também não é o melhor Hitchcock (e só por causa do tom moralista final) e “Sacanas Sem Lei” terá que ter paciência e esperar mais uns anitos bons para o veredicto final. Quanto à “Guerra das Estrelas” é que nunca teve arte e ensejo para dar o “último passo”, rumo à eternidade.
    Resumindo, e tendo a plena consciência do meu rigor crítico, diria que se encontram por aqui apenas 3 “incontestáveis”. Vitória do André por 2-1, portanto!

    ResponderEliminar
  9. Billy, «“Guerra das Estrelas” é que nunca teve arte e ensejo para dar o “último passo”, rumo à eternidade.»????? Poderemos apontar muitos defeitos ao filme, mas se há filme "eterno" este é um deles... De resto concordo com tudo o que disseste. Psycho não é dos meus favoritos de Hitchcock. Dele, para mim ainda nenhum supera A Corda, Janela Indiscreta e Vertigo.

    ResponderEliminar
  10. Duas óptimas listas, que reflectem a visão pessoal de quem escolheu estes conjuntos de cinco filmes.

    Partilho da opinião do Billy Rider quando afirma que estas são as duas melhores listas até agora. E, pela primeira vez, surge um filme que nunca tive oportunidade de ver! :)
    A saber, é o CRUEL VITÓRIA.

    Cumps cinéfilos a todos.

    ResponderEliminar
  11. Obrigado mais uma vez ao Roberto pelo convite
    As minhas justificações:

    O Playtime é o melhor filme do Tati. Podemos não nos rir, podemos preferir outros, mas o Playtime é o testamento do francês para o mundo. Por ser de visualização e análises inesgotáveis, por ser tão triste como engraçado. É um choque por ser algo diferente daquilo a que estamos habituados, completamente diferente. É austero, quase impenetrável, a espaços, mas é genial. Talvez o único filme verdadeiramente revolucionário da história do Cinema, se se dá algum valor à palavra. Não basta ver uma vez.

    O do Bresson e o do Mizoguchi foram os filmes que, este ano, mais me ensinaram em termos de montagem e mise en scène. Sem dúvida. As sequências finais destes filmes engendram-se com segredos de realização e montagem que ninguém consegue desvendar. Porque são filmes que questionam o storytelling tradicional e a sucessão de planos também: porque é que este vem a seguir àquele?, etc, etc

    Escolher um Murnau ou um Ray é injusto. E se calhar não há segundas ou terceiras escolhas, quem é que consegue escolher entre um Bigger Than Life, um They Live By Night e um Bitter Victory, um Sunrise e um Tabu (ou um City Girl) sem hesitar uma vez que seja? Quando escolhemos é em dúvida permanente, sobretudo com grandes (enormes) realizadores.

    Essa visão científica e, digo eu, assassina do Cinema, incomoda-me muito. Será que podermos reduzir tudo ao óbvio e ao mais fácil, como se o Cinema não fosse de implicações quase infinitas como se um filme "que nem sequer teve o agreement final do realizador" não pudesse ser uma obra-prima? Será que em frente ao génio (Tati, Bresson) podemos dizer coisas como "não lhes concedo o direito ao adjectivo" e "tendo a plena consciência do meu rigor crítico".

    Em relação à lista do André, ainda não vi o Citizen Kane, mas o Inglourious Basterds é grande escolha. O resto, pronto, não acho mau. Mas são todos americanos outra vez.. :)

    ResponderEliminar
  12. Obrigado a todos pelos comentários! Vamos agora aguardar pelas justificações do André Marques, que certamente terá algo a dizer.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  13. Não disse mas o penúltimo parágrafo era dirigido ao Billy Rider
    @André (Sousa): eu sei que não disseste isso do cinema de autor vs. blockbuster com más intenções, mas os filmes que escolhi não são para um público restrito, ou só são por injustiças várias (não haver edições em dvd, por exemplo). O actual significado de "cinema de autor" é "tipo de cinema restrito e alternativo", que é tudo o que não queria para a minha lista. Acho que "cinema de autor" é assassinar qualquer vontade de ver filmes e não era nisso que estava a pensar para as minhas escolhas. Pensei em filmes, em obras-primas e não em "cinema de autor".. :)

    ResponderEliminar
  14. Dá gosto ver alguém falar das suas escolhas como tu falaste João ;)
    Como já aqui foi dito, a nossa escolha é sempre baseada numa percetagem de gosto pessoal. Dentro das obras-primas tu escolheste as tuas e, já agora, escolheste-as mesmo muito bem!
    E óbviamente que muitos desses nomes que escolheste tem várias obras-primas!

    ResponderEliminar
  15. Já agora aproveito para referir que o João Palhares é, das pessoas que conheço desta blogosfera portuguesa, das que mais admiro. Refiro-me, evidentemente, àquilo que escreve. Escreve e sabe do que fala como poucos, ainda que nem sempre estejamos de acordo. O seu último comentário, para não ir mais longe, revela sabedoria.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  16. Não vi nenhum dos filmes do João, mas é impossivel não ficar contagiado com as suas palavras.

    Em relação às do André, vi e gosto de todos.
    Se a taschen ou outra editora criar um livro sobre as obras-primas do Cinema, o Citizen Kane estará lá garantidamente. A maioria reconhece-lhe o mérito de ser uma obra portentosa da 7º arte. Infelizmente é o filme que mais sofre de spoilers (ai rosebud, rosebud).

    O Godfather já falei dele em comentários anteriores. É um dos melhores filmes de gangsters de sempre. Curiosamente não encontrei um italiano até hoje que goste do filme. Aliás, eles não gostam de nenhum produto relacionado com Máfia.

    Eu gosto do Psico, mas para mim também há outros acima do grande Hitchcock.

    O mesmo para o Inglorious Basterds, é grande filme, mas escolheria o Pulp Fiction. O Pulp quando surgiu foi revigorante, não posso dizer que marcou mais o cinema do que o basterds porque este último é de 2009 ainda não dá para ter noção, mas mesmo adorando o basterds, prefiro o Pulp Fiction.

    Para último deixei o Star Wars. Eu sou um grande fã deste Universo. Acho que este filme é sem qualquer dúvida um marco na História do cinema. Um marco incontornável, goste-se ou não do género. Mas se há filme desta saga que merece o título de obra-prima é o Império Contra Ataca, porque de todos é o que está mais próximo da perfeição. Aliás o Império e o regresso de Jedi beneficiaram em muito com as revisões do argumento do Lucas. Os diálogos são muito melhores do que no 1º star wars (new hope). No Império temos a mítica frase de amor I love you/ I know. a história também é muito melhor desenvolvida, verdade seja dita a parte em que se tinham de apresentar a maioria dos personagens também já tinha sido feita no 1º.
    O Star Wars foi o 1º, foi esse que deixou todos de queixo caído em 77 sem dúvida, mas a obra-prima é o que veio a seguir.

    ResponderEliminar
  17. Não me custa nada considerar Star Wars uma obra-prima do cinema (embora, das cinco escolhas, até goste mais de outros). As do João, dos que vi, óptimas escolhas que, no entanto, não seriam as minhas ;)

    ResponderEliminar
  18. Ena pá, muito obrigado pelos elogios.. :) Principalmente o do Roberto! A sério. Eu também admiro imenso a tua actualização constante aqui no CineRoad, que não deve ser nada fácil, e a tua grande vontade em discutir e alimentar discussões importantes através destas iniciativas!

    ResponderEliminar
  19. Obviamente que não foi com más intenções João :)
    E admito que me desarmaste positivamente com o comentário eheh
    Aliás através das tuas justificações ficamos logo com a ideia do que é o Cine Resort um dos blogs onde melhor se escreve sobre cinema dos que costumo acompanhar. Só tenho de pena de não escreveres com mais regularidade.

    Cumprimentos a todos

    ResponderEliminar
  20. Duas boas escolhas e de universos completamente diferentes. Não conhecendo a maioria dos filmes escolhidos pelo João, confesso que pelos nomes dos autores e das explicações dadas fiquei com água na boca.

    As escolhas do André adequam-se bem ao nome do blogue e são de facto bons blockbusters. Apenas contesto o Sacanas Sem Lei, mesmo gostando muito do filme, a escolher uma obra-prima de Tarantino não seria essa.

    Uma vez mais dou os parabéns ao Roberto, pois esta iniciativa está a servir não só para promover uma bela discussão, mas também (no meu caso, pelo menos) para descobrir e ir à procura de mais filmes.

    Cumprimentos a todos

    ResponderEliminar
  21. Desde já um obrigado ao Roberto pelo convite e por ter aqui exposto a minha opinião, e por mais uma bela iniciativa que promove a discussão sobre cinema e todo o tipo de cinema!

    Em segundo quero referir que todas as minhas escolhas são da minha opinião pessoal obviamente e que estão limitadas a 5 escolhas, ou seja, para mim existem muito mais obras primas incontestáveis do cinema e eu podia aqui dizer uma lista pessoal com mais de 20, alguns títulos que já foram até aqui revelados em outras escolhas.

    Agora aqui vai as minhas justificações:

    Guerra das Estrelas - quando o Roberto me propôs esta iniciativa este foi o primeiro filme que me veio à cabeça. É inegável que este filme já passou a barreira de 'mais um filme sobre naves espaciais e planetas', é um marco em todos os sentidos, marcou uma geração e vai ser para sempre referenciado na história do cinema.

    Citizen Kane e Psico - destes dois grandes cineastas que realizaram estas obras eu penso que estes foram os 2 filmes que mais marcaram a carreira de ambos e que são referenciados sempre e estudados quando se fala de cinema em qualquer parte do mundo, portanto também tinham de fazer parte da minha lista.

    Sacanas Sem Lei - Eu ao princípio não queria ter escolhido este filme, pensei em Tarantino e pensei logo em Pulp Fiction, e porque até penso que para que qualquer filme, escultura, pintura, álbum, etc seja considerado como uma ou A obra-prima do autor X tem de ter já passado uns bons anos para podermos olhar para trás, para aquela época e vermos hoje em dia se de facto aquela obra foi um marco naquela data, mas olhei para Sacanas Sem Lei e lembrei-me na altura em que o vi no cinema (que vi com uma data de rapaziada de 14/15 anos) e das reaçcões deles ao filme, que nunca tinham visto nada assim, que acharam soberbo o filme e tudo o mais, e realmente penso que vendo daqui a alguns anos que este filme de Tarantino vai continuar a saber bem, a ser um grande filme, e daí a minha escolha mais recente (2009) ser Sacanas Sem Lei.

    O Padrinho - Com tantos filmes de gangsters, sobre mafia, policiais, etc que existem e desde sempre existiram no cinema, ao pensarmos neste género e não pensarmos em O Padrinho, é como pensarmos em Angelina Jolie e não pensarmos em....outras coisas :P enfim, penso que para o melhor filme sobre mafia de sempre, e penso não poder haver no futuro um filme deste género que se iguale a este, não tenho mais para justificar esta escolha.

    Penso que resumindo está aqui o meu dizer sobre as minhas escolhas. Estou pronto para qualquer pergunta e para entrar no debate hehe.

    Das escolhas do João vi apenas o filme de Tati e tenho a dizer que é uma bela escolha! Espero no futuro poder ver todas as outras.

    André Marques

    ResponderEliminar
  22. É com imenso prazer que tenho lido a discussão gerada à volta da iniciativa. Que belos momentos e que belos parágrafos têm sido escritos por aqui. Tenho aprendido bastante. Assim e só assim é que vale a pena, e a blogosfera está de parabéns.

    Esta série é a que, até agora, mais me agradou. Das escolhas do João no entanto não vi ainda nenhum. Mas nomes como Ray, Murnau, Tati ou Bresson fazem parte do meu horizonte próximo. A descoberta está para breve.

    Da parte do André vi todos, sendo que apenas os Sacanas e a Guerra das Estrelas é que não consideraria obras-primas. De caras. São óptimos filmes, produtos altamente competentes e mágicos, mas apenas isso. Embora reconheça que o universo Star Wars tem um papel bem vincado na história do cinema. Mas daí a perfeição, a chamá-lo de obra-prima vai um passo ainda grande. Pelo menos para mim claro.

    Em relação ao resto, considero Psycho uma obra-prima, que envelheceu muito bem, a prova está em que é dos filmes mais falados e vistos do mestre Hitchcock. Talvez não seja, e reconheço, daquelas obras-primas óbvias, unânimes, mas que tem potencial e capacidade para tal não me restam dúvidas, pelo menos por agora.

    Citizen Kane é provavelmente dos primeiros filmes que me lembro quando se pensa no termo exacto de obra-prima. O exercício que é, a quantidade de técnicas e nuances que explora, desenvolve e aprofunda é fenomenal. Um grande grande filme, ou por outra uma grande experiência cinematográfica. E sim claro, considero-o uma obra-prima. O que não quer dizer que, e a título pessoal, o tivesse de escolher em detrimento de outros que mais me identifico.

    Por fim, o Padrinho é uma grande escolha também. Tanto o primeiro como o segundo são obras-primas inegáveis e a meu ver. Do melhor que o cinema nos ofereceu na perspectiva de uma história contada com profundidade, complexidade e mestria.

    abraço

    ResponderEliminar
  23. ANDRÉ MARQUES: Penso que são justificações plausíveis. Eu é que agradeço pela tua participação e dedicação. Aparece mais vezes! ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  24. Gostei mesmo destas listas, embora pessoalmente, a do João Palhares me diga mais. Roubaste o "City Girl" da minha lista, que para mim é tão bom quanto o Sunrise ou o Tabu (todos eles belos filmes). Não vi o Bitter Victory (o Godard já dizia maravilhas dele) porque ainda não arranjei legendas em condições, mas é dos filmes que mais anseio ler e que está na minha lista de prioridades. Os filmes do Bresson e do Mizoguchi sao geniais, grande obras-primas.

    Citizen Kane (valente falha Palhares!) adoro este filme. O mesmo para o filme do Hitchcock (embora prefira outros). Só acho que o Star Wars fica mal aí no meio. The Godfather é dos meus filmes preferidos.

    Foram as melhores duas listas que vi aqui.

    ResponderEliminar
  25. Roberto faço intenções de aparecer por cá mais vezes e sempre vou vendo as tuas críticas e novidades do Cineroad, mas como também tenho de ir gerindo o Blockbusters fico com menos tempo para comentar aqui.

    Agora que li o comentário do João Gonçalves, que desde já agradeço, faltou-me mencionar que como foram 5 as escolhas pensei no cinema no geral e pensei género a género, quais as obras primas dos diversos géneros de filmes, por isso foram escolhas diversificadas penso eu, tendo em conta esse critério que tive, daí aparecer na minha lista um filme sobre máfia, policial, outro de suspense/terror, o star wars de aventura/ficção, etc.

    André Marques

    ResponderEliminar
  26. Obrigado a todos pelos comentários! O debate continua.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  27. Identifico.me na perfeição com a segunda lista, que digamos perante a 1ª lista do João Palhares (só vi o Playtime... shame on me but it's life), as da 2ª lista são obras-primas mais "académicas". Se fosse um jogo de cartas, estas boas escolhas seriam as "biscas" (valem sempre mais que as outras jogadas para a mesa, independentemente de qual é a carta).

    Qualquer um dos filmes, deu imenso ao cinema no seu momento e continuam a fazer o mesmo ao longo dos anos. Acredito que o "Sacanas" vai pelo mesmo caminho...
    Alinho, portanto pela lista de André Marques do Blockbusters Pt...

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões