quinta-feira, 4 de novembro de 2010

«As Escolhas dos 20» #2

20 Escolhidos revelam 5 escolhas que definem a 7ª Arte.

Escolhido #2 - Pedro Emanuel Cabeleira,
autor do blogue Estúpido Maestro

O Biopic dos Biopics:Haverá Sangue (2007), de Paul Thomas Anderson

O maior Romance de todos os tempos:Morrer em Las Vegas (1995), de Mike Figgis

O Drama que define o género:Ladrões de Bicicletas (1948), de Vittorio De Sica

O filme que define os últimos três anos de cinema:Em Bruges (2008), de Martin McDonagh

A Comédia por excelência:Pulp Fiction (1994), de Quentin Tarantino

Agradecimentos especiais: Pedro Emanuel Cabeleira

Quem será o Escolhido #3? E quais serão as suas Escolhas?

30 comentários:

  1. ADORO todas estas escolhas e apoio efusivamente cada uma delas!

    Cinco peças fantásticas de cinema.

    Cumprimentos,

    Jorge Rodrigues
    Dial P For Popcorn

    ResponderEliminar
  2. O meu querido colega de turma! Concordo com o drama, é uma escolha bastante acertada, mas não percebo por que é que Em Bruges define este término de século. Tenho também algumas reservas em relação às outras escolhas, mas em geral está bem. Haverá Sangue é um filme grandioso.

    ResponderEliminar
  3. Um aparte, o In Bruges não será a comédia e o Pulp Fiction o filme que define estes 3 últimos anos?

    ResponderEliminar
  4. Pois claro que não, o Pulp Fiction é de 94.

    ResponderEliminar
  5. JORGE RODRIGUES: Subscrevo ;)

    FLÁVIO GONÇALVES: Sim, LADRÕES DE BICICLETAS é um filme muito bom. Grande drama. HAVERÁ SANGUE é para mim uma 'masterpiece', ainda que não seja ao que julgo um biopic.

    ÁLVARO MARTINS: Não. Foram precisamente essas as escolhas. Também estranhei o IN BRUGES, mas sobretudo THERE WILL BE BLOOD. Alguém me pode confirmar que o filme de P. T. Anderson é um biopic? Não sabia, não me parece e não encontro confirmação. Mas posso estar enganado.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  6. «There Will Be Blood feels suspiciously of a biopic. Its got a long, slowly developing story of a man’s life and features many spectacular performances by its actors. It’s shot beautifully and the film-making itself feels like a complete package, soundtrack included. BUT, much like a biopic it lacks a certain kind of soul.»

    Também tenho quase a certeza de que não é biopic. O significado do termo deve ter sido confundido.

    ResponderEliminar
  7. FLÁVIO GONÇALVES: Eu nunca tinha ouvido tal coisa. Nem lido, sequer. Quanto ao teu excerto, tinha-o lido há momentos. Deve ter sido um equívoco. Mas vale pela discussão ;D

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  8. Acho que o autor da lista confundiu os termos biopic como baseado num livro :|
    Apenas poderia concordar com Ladrões de Bicicletas...
    A escolha de In Bruges é uma atrocidade.

    ResponderEliminar
  9. NEUROTICON: Pois, também creio que houve qualquer equívoco. Quem sabe. Vamos esperar pela intervençao do Pedro.
    Gostei bastante do IN BRUGES, é um bom filme. Mas também acho que não é nem de longe dos melhores destes três últimos anos.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  10. Belas escolhas. There Will Be Blood para mim é o melhor filme de '07 e Pulp Fiction mantém-se um dos meus favoritos de sempre. Em relação ao In Bruges, também me parece uma escolha algo estranho, apesar de gostar imenso do filme. É uma comédia inteligente e negra, não acho que isso descreve de todo os últimos 3 anos.

    Cumps,

    ResponderEliminar
  11. O Haverá Sangue não me parece ser um biopic...
    Morrer em Las Vegas é um Drama Poderoso. Uma óptima escolha.
    Não vi o Ladrões de Bicicletas e, apesar de achar o In Bruges um bom filme,não o consideraria, de todo, o melhor deste 3 anos.

    ResponderEliminar
  12. Bem, a minha intervenção vai ser breve, da lista só vi o Pulp Fiction. Nunca o tinha encarado como comédia, mas...

    ResponderEliminar
  13. Escolhas nada óbvias, gosto disso. De todas, só não vi ainda o Ladrão de Bicicletas e o Morrer em Las Vegas.

    Também não me parece um biopic o There Will Be Blood, sendo que não me identifico muito com o filme. O Pulp Fiction dificilmente seria uma escolha minha para comédia, ou até para outro género qualquer, porque acho que não tem uma vertente claramente demarcada. Se houvesse um género Tarantino aí seria outra conversa :P.

    O In Bruges é um bom filme, mas na minha opinião nada mais que isso, e de longe nunca o escolheria. Talvez consiga perceber um pouco, dada a sua natureza não muito comum nestes últimos anos.

    abraço

    ResponderEliminar
  14. o "filme que define os últimos três anos de cinema" é um perfeito estranho para mim, nem nunca ouvi falar sequer. Mas a culpa é certamente minha, que ando completamente desatento a todas as obras-primas que hoje em dia se fazem. É que são tantas...
    Sobre o "biopic" dos "biopics" também não vale a pena opinar por razões óbvias. Julgo que se trata aqui de comentar o enquadramento no género e não do filme per si.
    O "Morrer em Las Vegas" não será certamente "o maior romance de todos os tempos" mas é com certeza um bom filme, que no entanto eu incluiria preferencialmente no género drama. Não será uma grande escolha mas também desconheço (lá está um dos inconvenientes deste jogo) o que é que o Pedro Cabeleira já terá visto para poder usar como termo de comparação.
    Classificar "Pulp Fiction" a comédia por excelência é no mínimo curioso e define o carácter subversivo (no bom sentido, é claro) do autor dessa escolha. A mim se calhar não me ocorreria fazê-lo, mas a verdade é que me farto de rir sempre que revejo esse clássico do humor negro. Grande escolha!
    Resta o "Ladrões de Bicicletas", efectivamente um drama incontornável do neorealismo italiano.
    Confesso que estou cada vez mais fascinado com este nova rúbrica do CineRoad. Mal posso esperar pelo nº 3.
    Parabéns pela iniciativa, Roberto!

    ResponderEliminar
  15. Tendo em conta os géneros referidos, são, de facto, escolhas pouco vulgares :)

    MORRER EM LAS VEGAS tem algum romance, mas está longe de ser o motor daquele filme; PULP FICTION possui os seus momentos de humor, mas não foi concebido como comédia; e THERE WILL BE BLOOD não é, definitivamente, um 'biopic'...

    Talvez seja cedo para fazer este tipo de previsão, mas antevejo que esta iniciativa irá demonstrar como o Cinema pode ser tão variado para tanto espectador/cinéfilo.

    ResponderEliminar
  16. PEDRO PONTE: Antes de mais, sê bem-vindo ao CINEROAD. Quanto à tua posição, revejo-me nela, perfeitamente.

    RICARDO VIEIRA: Pois, não será um Biopic, de todo. MORRER EM LAS VEGAS, dizes bem, é um drama poderoso, mas foi escolhido para representar o romance. Quanto ao HAVERÁ SANGUE, recomendo-to vivamente. Mas vivamente mesmo ;)

    CINE31: E porrque não uma comédia? ;) That's the question. Eu rio-me à brava com o filme. Não é convencional, é mais do que uma comédia, mas é uma comédia. Quanto às restantes escolhas, serão certamente boas sugestões.

    JORGE: Sim, isso é certo: nada óbvias mesmo. Até desconcertantes, diria. Como disse ao David (CINE31) considero e aprovo o PULP FICTION como comédia. Temos que classificá-lo como alguma coisa, não é verdade ;D

    BILLY RIDER: Que jocoso comentário ;) Partilho da tua opinião, especialmente, em relação ao LADRÕES DE BICICLETAS e em relação ao PULP FICTION. Agradeço a congratulação ;) Vamos esperar para ver o que os próximos escolhidos nos trarão.

    SAM: De realçar o teu último parágrafo. Penso que é isso, sem tirar nem pôr, que está a ser demonstrado, ainda que tão desconcertantemente como aqui. Gosto disso.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  17. Ver Pulp Fiction como comédia e aindaq por cima como a melhor, é um bocado radical de mais na minha opinião...

    É uma comédia muito negra, e só a espaços...

    Abraço

    ResponderEliminar
  18. RUI FRANCISCO PEREIRA: Entendo. Mas por acaso não me oponho à classificação.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  19. Dos filmes mencionados ainda não vi o Ladrões de Bicicletas mas gosto bastante dos restantes. In Bruges é delicioso mas enquanto filme que define os últimos anos? Honestamente, não me passaria pela mente. Acho que a escolha para comédia é muito, muito interessante!

    Cumps

    ResponderEliminar
  20. Sim se tivesse de escolher um género para o Pulp Fiction escolheria a comédia também, mas de qualquer modo a escolha não é óbvia, pelo que não me identifico. Ainda assim aceito claro e compreendo.

    abraço

    ResponderEliminar
  21. Queria agradecer e elogiar esta iniciativa do blog Cineroad que originou este excelente debate! Sem dúvida que o tema deste desafio é bastante vasto, no entanto escolhi aqueles filmes que na minha opinião definem cada género, e no caso de "Em Bruges", marca os ultimos três anos.
    Poderão ver as justificações no meu blog:

    http://estupidomaestro.blogs.sapo.pt/

    Cumprimentos

    Pedro Emanuel Cabeleira

    ResponderEliminar
  22. NUN0B: Identifico-me com o que dizes. LADRÕES DE BICICLETAS é um filme muito bom, que levanta questões humanas muito pertinentes. Aquele final e a confrontação de que, afinal, há fins que justificam os meios e que todos mais ou menos nos regemos por essa ideia face às adversidades... o filme trata a questão exemplarmente.

    JORGE: Sim, sim. Eu percebo-te perfeitamente, acredita. É algo que - talvez por nunca termos pensado no género de PULP FICTION - nos causa estranheza.

    PEDRO EMANUEL CABELEIRA: Eu é que agradeço. Deixo igualmente a sugestão de visita ao teu blogue, no entanto pedia-te que, se possível, justificasses aqui as tuas escolhas. Seria importante para fechar o ciclo de sentido, o debate; a tua voz é fundamental para atar as pontas soltas e as questões levantadas pelos intervenientes.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  23. Vou tentar ser sucinto:

    Biografia é a representação da vida de alguém (neste caso penso que o pedido é uma personagem que tenha existido). De qualquer das maneiras, Plainview é esse alguém.
    O que pode diferenciar "Haverá Sangue" de um biopic?
    O personagem é ficticio.
    Nesse caso:
    "Haverá Sangue" é biopic?
    Não.
    "haverá Sangue" define o género biopic?
    Sim.
    Já agora, sei distinguir um biopic de uma adaptação literária. P.T. Anderson baseou-se vagamente em "Oil!" de Upton Sinclair, que por sua vez baseou-se vagamente na vida de Edward L. Doheny. Será que Plainview representa Doheny? Não sei, Plainview é Plainview.

    Haverá história de amor mais bela entre um alcoólico decadente e uma voluptuosa prostituta?

    Penso que "Ladrões de Bicicletas" é óbvio. No entanto, justifico pelo facto de ser o filme que me deixou mais angustiado até hoje.

    Seria redutor categorizar "Pulp Fiction" como comédia ou como outro sub-género. No entanto há melhor maneira de fazer comédia que "Pulp Fiction"?

    "Em Bruges" foi o filme que mais me marcou destes ultimos três anos. Não podia escolher outro filme mais óbvio quando este foi aquele que mais apreciei. Adoro a premissa, a maneira como desenvolve a premissa, o toque de piano, as performances frias e neutras, a concentração de sentimentos, o absurdo subtil, é claramente original no periodo em que se insere, e além de original é um filme de excelência. Ah! E após tanta lugubridade, aparece um pequeno feixo de luz. Esse bonito e antiquado sinal de esperança, esse pequeno momento que enaltece a vida. Absolutamente extroardinário descobrir a vida após uma dura conversa com a morte.

    Tentei ser o mais breve possivel, embora me tenha alongado um pouco.

    Abraço

    Pedro Emanuel Cabeleira

    ResponderEliminar
  24. PEDRO EMANUEL CABELEIRA: De modo algum te alongaste. Penso que foi necessário. Quanto ao PULP FICTION creio que argumentaste solidamente, concordo com a tua posição em relação ao LADRÕES DE BICICLETAS e me revendo na escolha do EM BRUGES penso que marcaste bem a tua posição. Gosto bastante do EM BRUGES, mas não ao ponto de o eleger com esse epíteto ;) Quanto ao MORRER EM LAS VEGAS somente e pessoalmente não o acho digno desse destaque.
    Agora o teu calcanhar de Aquiles é o HAVERÁ SANGUE - um excelente, excelente filme - e o biopic. Quando te começas a justificar neste assunto penso que metes os pés pelas mãos e cais numa contradição não só tremenda como evidente. Então se sabes que não é um biopic, porque o escolheste? Juro que não entendo. Não há biopics de figuras ficcionais. Isso terá certamente outro nome, mas não pode ser chamado um biopic, por mais que te apeteça. Como pode definir o género se não é um representante do género? O tico e o teco entraram em curto-circuito, por aqui...

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  25. Quando o meu irmão ofereceu o "Ladrão de Bicicletas" no dia do pai (há alguns - muitos - anos atrás)e eu o vi, nunca pensei que passado estes anos o voltasse a rever e sentisse toda a história, todo o enredo e toda a situação económica e social de uma forma completamente diferente. É uma característica que só se encontra em grandes (e em poucos) filmes, a transversalidade geracional. Apesar de não concordar enteiramente com o 2Pulp Fiction" na categoria comédia e o "Em Bruges" no filme que define os últimos três anos de cinema, foi uma boa selecção :)

    ResponderEliminar
  26. Escolhas mais controversas e feitas a partir de um ponto de vista que, agora, depois de ter falado pessoalmente com o autor, sinto que poderia eu próprio ter adoptado, para tornar as coisas mais interessantes.

    THERE WILL BE BLOOD: Fabuloso, incrível, um dos melhores da décadas, se não o melhor. Compreendo a opção por biopic, penso que pode ser visto assim, até porque o "Oil" é baseado num senhor qualquer.

    MORRER EM LAS VEGAS: Nunca seria a minha escolha, mas é legítimo.

    LADRÕES DE BICICLETAS: De facto, este é drama em bruto, realmente. Confesso que não me lembrei deste aquando da minha escolha, mas é bastonário.

    IN BRUGES: Este então, na conversa dos pontos de vista. Depende tanto do critério que utilizamos como marcante para estes anos. Não acho este assim tão marcante, especialmente graças ao abafo que sofreu.

    PULP FICTION: É uma grande comédia inteligente e bem feita, por isso, grande escolha.

    ResponderEliminar
  27. Definir é dizer o que uma coisa é ou em que consiste. Quando eu realizar um biopic, o filme que utilizarei como referência não será "Gandhi", "The Queen", "Ray", "Vera Drake", etc..., o filme que eu pensarei como arquétipo para um biopic será "Haverá Sangue.
    Porquê? Haverá filme que se centre num personagem de forma mais fascinante e credivel que "Haverá Sangue". Daniel Plainview é uma personagem ficcionada, mas se lembrarmos que "Oil!" livro que inspirou "Haverá Sangue" é baseado em personagens bem reais, de tal modo reais que desmascarou um sistema petrolifero corrupto. Sendo Plainview e o meio que o envolve baseado em tão verdadeira realidade, haverá representação mais real que a de Plainview. Quando eu refiro que "Haverá Sangue" define biopic, não é pelo facto de Plainview ser ficticio mas pelo facto da maneira como torna esta personagem ficticia mais real do que todas as outras que existiram na verdade. Acredito mais na existência de Plainview quando vejo "Haverá Sangue" do que na existência de Gandhi quando vejo "Gandhi". Caso eu não me tivesse dado ao trabalho, e acredito que o resto das pessoas também de pesquisar que Plainview na realidade era um personagem ficticio, acreditaria sempre que seria um personagem verdadeiro, porque ao ver este filme, não só cheirei Plainview, como cheirei o petróleo, e haverá forma de transmitir a realidade mais verosimil. Quando eu digo que "Haverá Sangue" define o biopic é porque P.T. Anderson deu uma lição de como se deve fazer um biopic sem ter feito um biopic. E isto torna "There Will Be Blood" muito, muito grande.

    ResponderEliminar
  28. TIAGO VITÓRIA: Gostei do testemunho acerca do LADRÕES. É mesmo um filme extraordinário, um pilar marcante na História do neorealismo italiano e não só.

    DIOGO F: Quanto a HAVERÁ SANGUE, creio que a argumentação é rebuscada. De resto, estamos peremptoriamente de acordo.

    PEDRO EMANUEL CABELEIRA: Sinceramente, julgo a tua teoria um tanto ou quanto rebuscada em demasia. Mas é válida, tem o seu sentido e não posso dizer que discorde dela. Independentemente desse ponto de vista, HAVERÁ SANGUE mantém-se - e de que maneira - um filme "muito, muito grande".

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  29. Realmente não reconheço o There Will Be Blood como um biopic, mas é um filme estonteante! Também não percebo como In Bruges define os últimos três anos de cinema ou Pulp Fiction como a comédia por excelência. Acaba por ser rebuscado...

    ResponderEliminar
  30. TIAGO RAMOS: Rebuscadíssmo, indeed ;) THERE WILL BE BLOOD é masterpiece incontornável.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD – A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões