quarta-feira, 24 de novembro de 2010

ERA UMA VEZ NA AMÉRICA (1984)

PONTUAÇÃO: EXCELENTE
★★★★★
Título Original: Once Upon a Time in America
Realização
: Sergio Leone

Principais Actores: Robert De Niro, James Woods, Elizabeth McGovern, Treat Williams, Tuesday Weld, Joe Pesci, Danny Aiello, William Forsythe, Jennifer Connelly

Crítica:

YESTERDAY
OU UMA ILUSÃO DE ÓPIO

America was born in the streets. A tagline é do filme Gangs de Nova Iorque, de Martin Scorsese, mas assenta perfeitamente nesta obra: Era Uma Vez na América conta uma das mais memoráveis histórias de crime, paixão e amizade que o cinema já conheceu. Parafraseando o trailer, trata-se da história de um grupo de amigos que, enquanto rapazes, fez o pacto de partilhar as suas riquezas, os seus amores e as suas vidas... os mesmos rapazes que, feitos homens, partilharam o sonho de ascender da pobreza ao poder... os mesmos homens que, protagonizando uma geração que se traiu a si mesma, forjou um império baseado na violência e na ganância, desfazendo o seu sonho num mistério que se recusa a morrer. Eis a sinédoque da América, proposta por Leone e por um argumento de múltiplas assinaturas. Uma América que não só nasceu como cresceu nas ruas e por meio delas definiu o seu rumo. I like the stink of the streets. It makes me feel good. And I like the smell of it, it opens up my lungs. And it gives me a hard-on.

Era Uma Vez na América é como aquelas composições magistrais, gradiloquentes e imersas em sentimento, capazes de resgatar as memórias da infância e do primeiro amor e habilitadas a ressuscitar, com uma força descomunal e inesperada, a nostalgia daqueles tempos em que a inocência deu lugar - para sempre - a um caminho sem retorno. Robert DeNiro tem aqui uma das suas melhores interpretações. A partir do momento em que a sua personagem se aventura no ópio, nos bastidores de um teatro chinês, e o telefone toca, toca e toca incessantemente, a narrativa entra numa viagem ao passado e assume uma estrutura de contínuo s flashbacks e flashfowards. As transições entre os vários tempos diegéticos são conseguidas na aura de uma genialidade tremenda.

As cenas passadas na infância, sobretudo, são de uma beleza indescritível, nomeadamente aquela em que o pequeno Noodles espreita a jovem bailarina pelo buraco da WC do restaurante, aqueloutra em que um irresistível bolo serve como moeda de troca para favores sexuais, a cena do passeio com a imponente ponte em segundo plano ou a sequência do tiroteio entre gangues rivais, que provoca a inadvertida morte de Dominic e desencadeia o tal ponto de viragem na maturidade dos ambiciosos e rebeldes jovens. Há uma outra cena que invoca imediatamente uma das obras-primas de Kubrick, Laranja Mecânica, tanto pelo registo controverso e provocador que assume como pela reutilização paradoxal da composição musical de R ossini (La Gazza Ladra): o episódio da troca dos bebés. Uma das minhas favoritas, contudo, é aquela sequência do romântico e majestoso jantar que Noodles prepara a Deborah, seguida da brutal violação no automóvel. O contraste é tão acentuado e radical, a ambiguidade humana ali representada é tão intensa que a cena há-de perdurar-me na memória até ao dia em que eu deixar de ver filmes.

Dotado de grande arrojo técnico (fotografia de Tonino Delli Colli, guarda-roupa de Carla Pescucci, direcção artística de Carlo Simi), de um brilhante trabalho de montagem (Nino Baragli e Zach Staenberg) e de uma banda sonora verdadeiramente extraordinária (Ennio Morricone), Era Uma Vez na América dá continuação a um percurso cinematográfico inconfundível: Sergio Leone serve-se uma vez mais dos seus magníficos close-ups, travellings e outros movimentos, cenas longas e repletas de silêncios reveladores, essenciais para a construção do suspense e para a estilização singular da sua forma narrativa. O argumento é de uma escrita fluente e arriscada, quando muito não seja pela sua longa duração. Se há defeito que posso apontar, é o arrastamento do último acto. No entanto, a dramaturgia é, fora esse ou outro desiquilíbrio, de uma qualidade evidente e assinalável - não são esses inconvenientes suficientes para atentar contra a excelência da obra que, em última instância, se revela apaixonante.

O sorriso irónico com que Noodles encerra a obra, todavia, vem abrir uma ambiguidade de todo inesperada e, apesar de tudo, absolutamente plausível. Porque há-de Leone, afinal, iniciar e terminar a sua fita nos anos 30 e não nos anos 60, quando conhecemos a personagem de De Niro na sua idade mais tardia? Não é o filme senão um compêndio de memórias, narrativamente analépticas? Se voltarmos atrás e recordarmos como começa toda a acção do filme, talvez venhamos a encontrar respostas. Lembraremos por certo aquele telefone que tocava, tocava e tocava repetidamente. Pois bem, não terão sido estas incursões temporais não viagens pelas recordações do passado mas sim mera alucinação despertada pela droga? Lembremos a primeira imagem do flashback: uma luz oscilante, que nem um pêndulo de hipnose, que aos poucos e poucos é focada e se revela um candeeiro. Poderemos, afinal, estar perante um filme tão surreal quanto isto? A minha resposta é: why not? A leitura, a interpretação, faz todo o sentido e ficará para sempre sugerida. Sergio Leone sempre foi um mestre na arte de brincar com o cinema. Quero acreditar que, apesar de assinar aqui a sua obra mais sentimental e nostálgica, nos brindou por fim com a ironia da ficção que nega a sua ficção, uma brincadeira esteticamente ambiciosa e, por si só, de uma genialidade que jamais apagará a sua chama.

Suddenly,
I'm not half the man I used to be,
There's a shadow hanging over me,
Oh, yesterday came suddenly.

14 comentários:

  1. É o meu filme preferido do Leone e um dos meus of all time.

    ResponderEliminar
  2. Um dos melhores filmes dos anos 80. Só não é o melhor porque existe Raging Bull :)

    ResponderEliminar
  3. Do Sergio Leone só vi o My Name is Nobody, um dos meus filmes favoritos. Deste só conheço a banda sonora. Dois grandes motivos para ver. Aguardo a crítica!

    ResponderEliminar
  4. Excelente crítica! Estou doido por vê-lo, é um preferido de um grande amigo meu. Mas é muito longo... daí a hesitação :P

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. JOÃO BIZARRO: Rebenta mesmo! Indiscutivelmente, Sergio Leone é dos meus realizadores favoritos.

    ÁLVARO MARTINS: Eu prefiro o ACONTECEU NO OESTE ;)

    JOÃO GONÇALVES: Também gosto mais de TOURO ENRAIVECIDO. Se o filme de Scorsese é o melhor da década, isso já não te poderei dizer ;D

    ANÓNIMO ou CLÁUDIA GAMEIRO: Aí está a crítica! Esse filme ainda não o vi. Espera por mim, certamente.

    FLÁVIO GONÇALVES: Obrigadíssimo! Sim, é muito longo. A primeira vez que o vi foi ao longo de vários dias, não tive como vê-lo de uma só vez. Mas vale mesmo a pena vê-lo!

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  6. Bem, já me conheces :) Não sei porque o nome não ficou. Boa crítica, confesso que fiquei com vontade de ver assim que li a referência aos Gangs de Nova Iorque

    ResponderEliminar
  7. CLÁUDIA GAMEIRO: Ainda bem que gostaste! Pois a frase contextualiza-se bem ali, mas olha que os filmes são bem diferentes! Ambos altamente recomendáveis.

    P.S. - Pois, identifiquei-te pelo ID. Quando fizeres comentários, regista-te na conta do Google, é aconselhável, para autenticar a assinatura.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  8. Grandioso filme de Leone, com uma banda-sonora e um elenco incríveis. Obrigatório!

    ResponderEliminar
  9. THE MOVIE MAN: Subscrevo-te inteiramente! Obrigatório!

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  10. Este é um filme genial! A primeira vez que o vi até fiquei baralhado com todos aqueles flashbacks! O telefone a tocar insistentemente e a cena de De Niro a mexer a chávena de café são momentos tipicamente de Leone! Por causa deste filme Leone recusou fazer "O Padrinho". Quem gosta de cinema como deve ser tem de gostar deste épico!

    ResponderEliminar
  11. EMANUEL NETO: Estou totalmente de acordo. E a cena da bailarina? Dos bolos? Dos tiroteios, na cidade e no campo? O final? Um filme todo ele magistral, com elevadíssimos rasgos de génio.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  12. Grande filme. Arrebatador, verdadeiro, sem disfarce, daquelas histórias bem contadas. Gostei em especial da primeira parte, da infância. Tem cenas memoráveis tal como já foi dito por aqui.

    Nota-se que foi um projecto pensado ao detalhe, e por isso que demorou imenso tempo a ser lançado. Tudo, desde a fotografia à banda sonora é de uma extrema beleza. Inegável.
    Ainda assim acho que prefiro do género gangsters o The Godfather. Não sei, talvez por este ser muito longo e principalmente parado, reflexivo e menos dinâmico. É preciso estado de espírito para ver esta obra, na minha opinião.

    Já o vi há uns dias, e ainda me soa a música ou o mistério de toda a história. Leone distancia-se do Western, e preferindo contudo ainda os seus filmes do Oeste, este torna-se num filme a se ver obrigatoriamente pelo menos uma vez. Recomenda-se sem qualquer margem para dúvidas. Particular e único.

    abraço

    ResponderEliminar
  13. JORGE: Eu cá prefiro estes gangsters aos de Coppola. Ainda assim, gosto bastante d'O PADRINHO, sobretudo a PARTE 2.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões