terça-feira, 11 de janeiro de 2011

BLADE RUNNER - PERIGO IMINENTE (1982)

PONTUAÇÃO: EXCELENTE
★★★★★
Título Original: Blade Runner
Realização: Ridley Scott
Principais Actores: Harrison Ford, Sean Young, Edward James Olmos, Daryl Hannah, Joanna Cassidy, Rutger Hauer

Versão do Realizador

Crítica:

O CAÇADOR DE ANDRÓIDES

I think (...), therefore I am.

Blade Runner - Perigo Iminente é um poema invulgar, carregado de sensualidade e de significado humano. É futurístico, mas a influência que dele emanou e emana fê-lo profético. A idealização, a partir da obra de Philip K. Dick, de um mundo futuro (ruidoso, poluído, artificial e globalizado) resultou triunfalmente. Carros voadores, enormes anúncios publicitários (Coca-Cola, TDK, etc.), iluminados e falantes, mangueiras de cor, incandescentes, em cada prédio sujo, em cada rua repleta de gente e de aguaçeiros. Ridley Scott concebeu, com um perfeccionismo obstinado, uma única e visionária obra-prima, de um esplendor deslumbrante e enigmático, que conflui o thriller e o noir, perfeitamente, numa das maiores e mais espectaculares experiências da ficção científica.

Por meio da misteriosa e sedutora banda sonora de Vangelis e de uma excelência tremenda a nível visual - tanto nos efeitos especiais (Douglas Trumbull, Richard Yuricich, David Dryer), como na fotografia (Jordan Cronenweth), no guarda-roupa (Michael Kaplan, Charles Knode) ou nos cenários (Lawrence G. Paull, David L. Snyder, Linda DeScenna); excusado será lembrar a excepcionalidade de Ridley Scott como pintor - nasceu um pessimista e intrigante ensaio antropológico, imerso em símbolos e em princípios filosóficos, sobre uma era de exploração espacial, regida pelo medo, pelo preconceito e pela morte como inevitável condenação. Há clonagem e manipulação genética, há inteligência artificial. Os replicantes são robots nos quais são implantadas memórias - Implants. Those aren't your memories, they're somebody else's -, seres fisicamente concebidos à imagem do homem e psicologicamente sonhados à imagem de Deus.

Os humanos, completamente perdidos na evolução, procuram o seu lugar no universo. E os andróides, ameaçados pelo extermínio e intensamente procurados pelos caçadores, os blade runners, tentam fugir ao destino que lhes impuseram, lutando por identidade e por dignidade. Quite an experience to live in fear, isn't it? That's what it is to be a slave. Excelente Rutger Hauer, líder dos sobreviventes, frente ao competente Harrison Ford, num final emocionalmente redentor. Enfim, os segredos da vida e as evidências da morte, numa exuberante e fascinante distopia sobre o Homem. Mera fabulação futurística? Asas de génio, de uma cadência hipnótica. Um extraordinário pedaço de cinema.


All those moments will be lost in time...
like tears in rain... Time to die.

33 comentários:

  1. É uma das obras primas da história do cinema.
    Uns amam outros odeiam.
    Ainda eu era um puto quando vi isto pela primeira vez e logo fiquei fascinado.
    É um grande filme.

    ResponderEliminar
  2. Pra mim, é o melhor filme do Scott. Além de ser um filme fantástico, tem tb a minha queridíssima Daryl Hannah!!!

    Abraços.

    ResponderEliminar
  3. "Pra mim, é o melhor filme do Scott."
    Kau, é o único filme de jeito do Ridley Scott, uma obra-prima sem dúvida, mas certo é que a carreira desse senhor foi construída na sombra de Blade Runner.

    ResponderEliminar
  4. "é o único filme de jeito do Ridley Scott"

    Álvaro, não concordo muito com isso.
    Antes já tinha feito o 1º Alien que é excelente.

    O Thelma e Louise também é excelente.
    Ainda tem o Gladiador, o Kingdom of Heaven (a versão do realizador de 4 horas é muito boa)!
    O American Gangster e o Body of Lies também não são de deitar fora.

    ResponderEliminar
  5. Kau,

    Será mesmo, provavelmente, o melhor filme do realizador. Fascinante e tão único.

    Cumps.



    Álvaro Martins,

    Uma obra-prima, sem dúvida. E é provável que, em certa medida, a carreira de Ridley Scott se tenha construído na sombra de BLADE RUNNER. Agora como sabes muito bem a tua posição acerca do realizador não reune consenso. Aliás, já conhecia a tua opinião e admito que fiquei um pouco boquiaberto quando li, passo a citar: «Nem sei é como é que um realizador tão banal como ele conseguiu fazer uma obra-prima como o Blade Runner» - trata-se de um excerto de um comentário teu, num artigo postado pelo nosso colega Fernando Ribeiro, do Ante-Cinema. Respeito a tua opinião, e até concordo parcialmente quando dizes que talvez Ridley Scott tenha construído a sua carreira na sombra da sua obra-prima de ficção científica. Agora discordo inteiramente quando dizes que Ridley Scott é um realizador "banal" e que BLADE RUNNER é o seu "único filme de jeito".

    Não me cabe discutir o facto de ser ou não "banal", foi uma premissa lançada num outro site, mas creio que te referes a Ridley Scott como sendo banal precisamente por a sua carreiramente não constituir, no seu todo, algo "de jeito".

    Pois bem, Álvaro, neste caso os meus argumentos parecer-se-ão com os do João Bizarro. Não tanto quanto a GLADIADOR, do qual pessoalmente não sou grande admirador, mas recordar ALIEN, THELMA & LOUISE ou sobretudo REINO DOS CÉUS (A Versão do Realizador) penso que o adjectivo que empregas ("banal") cai por terra. Porquê? Porque Ridley Scott é um exímio criador de mundos, perfeccionista e obsecado pelo detalhe, é um excelente contador de histórias, um pintor sublime e um verdadeiro Homem do Cinema - em todos os seus filmes, ele interfere mais do que tantos outros em quase todas as categorias da produção.

    São certamente opiniões, mas acho que é inegável a distinção e qualidades... em suma, a mestria de Ridley Scott.
    Conheces Rawson Marshall Thurber? Ou Garth Jennings? Esses sim, creio que são o que se pode chamar (pelo menos até agora) realizadores banais.

    Penso que exageras na opinião que tens de Ridley Scott. Penso.

    Cumps.


    João Bizarro,

    Inteiramente de acordo.

    Cumps.


    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  6. João e Roberto,

    confesso que me esqueci completamente do Alien. É um bom filme sem dúvida, é o melhor da saga para mim.
    Quanto aos outros, Gladiador, Thelma e Louise, Kingdom of Heaven, American Gangster e Body of Lies, só consigo dar algum valor ao American Gangster mais pela linha narrativa do filme do que pelo próprio argumento.
    Por isso é que afirmo que é um realizador "banal". Talvez tenha exagerado na palavra, pois se lhe chamo banal a ele o que lhe chamarei, por exemplo, ao irmão. Mas continuo a dizer que não fez mais nada que aumente de forma substancial a sua carreira. Alien e Blade Runner sim, o resto...há aos pontapés.
    Mas não condeno (quem sou eu para tal coisa) quem tenha opinião contráia.

    Roberto,

    esses que falaste não conheço, mas se são assim tão banais não admira.

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. Álvaro,

    Nem eu os conheço. Tentei lembrar-me ao acaso de dois filmes que tenha achado, esses sim, "banais" e dei o nome dos seus realizadores como exemplo :)

    Obrigado pelo mesmo debate saudável e prazeroso de sempre!

    Cumps,
    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  8. Em relação ao irmão Tony, não sendo nenhum génio é do melhorzinho que por aí anda no que diz respeito ao cinema de acção.
    Spy Game, Man on Fire, Deja Vu são bons filmes de acção.

    ResponderEliminar
  9. Roberto,
    é um prazer poder debater a minha visão e opinião de um filme aqui no CINEROAD.

    Abraços

    ResponderEliminar
  10. Ora aqui está uma fita genial, em todos os aspectos.

    O melhor trabalho de realização de Ridley Scott, seguido bem de perto pelo Reino dos Céus (VR).

    Abraço!

    ResponderEliminar
  11. Assisti a Blade Runner nesse carnaval. Confesso que fui com uma grande expectativa, mas acabei me decepcionando.

    Achei uma ótima história, com uma ótima discussão filosófica, mas muito mal desenvolvida, não bem aprofundada. Um roteiro meio atrapalhado. A atuação de Ford deixa bastante a desejar também.

    Assisti a versão do diretor, que conta com a revelação de Deckhard ser um replicante e que muitos dizem ser superior a original, que sofrera cortes horrível e até uma lamentável mudança no final, que usou uma cena excluída de o Iluminado, de Kubrick (!!!!).

    Mas confesso que adorei a trilha sonora, o visual ciberpunk dado ao futuro, um ótimo trabalho da direção de arte. Ah, atuação de Rutger Hauer - o irmão gêmeo do Billy Idol!!! - também é muito interessante.

    Enfim, acho um filme razoável, novamente, não compreendo essa fama toda.

    Abraço!
    Cinema para Desocupados

    ResponderEliminar
  12. Eu adoro-o e acho que sobrevive ainda hoje, nada datado.

    ResponderEliminar
  13. Visualmente suntuoso e influente, repleto de ponderações existenciais. Uma obra-prima do cinema, realmente, não só da ficção científica.
    Não sabia do subtítulo português.

    ResponderEliminar
  14. JACKIE BROWN: Estou inteiramente de acordo. Pessoalmente creio que ainda prefiro REINO DOS CÉUS ;)

    MATEUS, O INDOLENTE: Não sei bem o que dizer... Não partilho da sua opinião.

    PEDRO PEREIRA: Inteiramente. É daqueles clássicos eternos...

    GUSTAVO H.R.: Subscrevo ;) Word by word.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  15. Atenção, muita atenção, quer aos detractores quer aos glorificadores de "Blade Runner". Pois, duvido que haja meio termo para este filme. Eu próprio já pertenci à primeira categoria quando vi o filme nos anos 80. Agora, depois de ver a versão definitiva do realizador (quem tiver a opção blu-ray aconselho vivamente) é que me apercebi do porquê da minha antiga aversão - o filme agora disponível é "outro" filme, reabilitadas que foram as mazelas que a obra sofreu no tempo em que Ridley Scott não tinha o poder decisório que hoje em dia detém, razão pela qual teve de se sujeitar a todo o tipo de disparates impostos pelos senhores do dinheiro.
    Recomendo portanto a visão deste "novo" filme a toda a gente que gosta de Cinema. Quem não gostou, como foi o meu caso, é muito bem capaz de mudar de opinião. E quem apesar de tudo gostou, então agora só pode gostar ainda mais.
    Quem nunca viu, tem aqui a possibilidade de ingressar de imediato no clube de fans do filme, sem ter tido necessidade de deitar fora a antiga proposta de adesão.

    ResponderEliminar
  16. RATO: Ah, sim, completamente. E como o fenómeno BLADE RUNNER se multiplicou com as novas versões. Muito bem apontado.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  17. Outro que vi recentemente, e que infelizmente, não me agradou em especial, no seu todo digo. Pelo que leio por aqui, é comum numa primeira visualização não gostarmos muito, daí estar renitente, assim como pela versão nada exímia que vi. Tenho de procurar uma versão melhor ao nível da imagem, e já agora a do realizador.

    De qualquer modo do que vi, gostei do ambiente futurista, da sugestão filosófica e poética, da banda sonora e da mensagem final. Esta é absolutamente brutal e divinal. Faz-me pensar e muito. Mas em contrapartida, e quanto à obra em si, não me arrebatou, achei-a por vezes mal conduzida ao nível do argumento. Também me parece pouco aprofundada, como foi já dito por aqui, ainda que estruturada.

    Enfim, nada que não se possa resolver se o vir outra vez, e em condições bem melhores. Desta, da facto, não me atingiu, ainda que não o considere um mau filme, longe disso.

    abraço

    ResponderEliminar
  18. JORGE: A cada vez que o vejo, admiro-o ainda mais. É, para mim, um dos melhores de Ridley Scott, a par do arrebatador REINO DOS CÉUS. Há várias versões do filme, todas no mercado audiovisual, pelo que tens que vê-lo em condições. É obrigatório. O argumento não nos diz tudo, efectivamente, mas é daqueles filmes em que uma imagem vale mais do que mil palavras. Está lá tudo para compreender a dimensão da história, basta que o espectador aprecie toda esta absorvente e memorável experiência.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  19. Filme pra mim, completamente belo e até poético de uma forma peculiar. Muito bom!
    www.sebosaukerl.blogspot.com

    ResponderEliminar
  20. O Harrison Ford sofreu bastante com o Ridley Scott, que disse numa entrevista que ele era "Pain in the ass". E toda a realização do filme foi uma enorme dor de cabeça para todos, com protestos por parte dos actores com Scott e tudo mais, atrasos, etc. Mas no fim valeu a pena :)

    ResponderEliminar
  21. JAMES LEE: Bem-vindo ao CINEROAD! ;) Subscrevo inteiramente o seu comentário. Volte sempre.

    ANDRÉ SOUSA: É um facto. Ridley Scott - é sabido - é particularmente exigente para com os seus actores e as desavenças com Harrison Ford, no decorrer da rodagem de BLADE RUNNER, tornaram-se quase míticas. Scott ultrapassava, na altura, um díficil período de luto (do irmão) que certamente determinou a sua visão negra no filme.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  22. Um dos melhores filmes de Ridley Scott - assim como Alien qt a mim.
    Já vi este filme há uns bons anitos, mas lembro-me de o ter achado muito bom. Tenho-o na minha colecção para rever ;)
    Bjs

    ResponderEliminar
  23. Já vi este filme faz anos... Da primeira vez que o vi, achei apenas interessante e com boas propostas visuais do futuro muito pertinentes (e continuam)... mas não fiquei fã.
    Numa outra oportunidade durante a década que passou, já o achei mesmo impressionante (e nem sei qual era a versão - pois há imensas e só ajuda á confusão)... e fiquei fã e até mesmo abismado.
    Contudo, ainda não me dei ao trabalho de apreciar a "nova" versão Director's Cut mais recente mas segundo se diz é a melhor experiência que se pode ter do filme (o que me alimenta sempre a curiosidade em ver - mas há sempre tanta coisa à frente para ver, de filmes a séries, que estas propostas... acumulam-se. Tal como Reino dos Céus Dir.Cut com cerca de 4 horas... mas como o original não o elevei a assim tão bom... está para lá, para um dia ver).
    Bom texto (como sempre). Well done, Roberto Simões!

    Obs: Se me permitem...
    Discutiu-se saudavelmente nos comentários anteriores a carreira de Ridley Scott e acho que depende da cinefilia de cada um (refiro-me ao caso mais especifico do Álvaro Martins, já num nível de elevada exigência cinéfila e da mais pura arte).
    Ridley Scott continua a criar obras inseridas (e provenientes) num meio de cinema-indústria e entendo que isso tem sempre de obdecer a pressupostos de quem "pede" (lhe solicitam ser o realizador - muitas das vezes para dar mais estatuto à obra) ou "aceita/investe" (que Scott vá em frente com os seus próprios projectos). Na minha óptica, ele tem conseguido construir bom cinema dentro destas regras de Hollywood. "Alien", "Blade Runner", "Gladiator" e "American Gangster" são pessoalmente dos que mais gosto e dos que acho serem os seus melhores... e ele tem muitos outros de grande gabarito e valor.
    Já o irmão, Tony, é eximio no segmento a que se dedicou, os filmes de acção em regime blockbuster. Serve a indústria dando-lhe sempre valias que muitos dos tarefeiros da indústria...

    ResponderEliminar
  24. GEMA: Um dos melhores do realizador, sem dúvida. Conheces o REINO DOS CÉUS? É igualmente um dos superiores filmes da sua carreira.

    ARMINDO PAULO FERREIRA: Fico então a aguardar que assistas aos imperdíveis DC's de BLADE RUNNER e de REINO DOS CÉUS (a DC deste último é mesmo incontornável e altera abismalmente o curso narrativo da versão original de cinema).
    Quanto às tuas observações, estou integralmente de acordo.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  25. Gosto muito do filme e do realizador, mesmo quando o criticam por ter começado na publicidade. NÃO, Ridley Scott não fez/faz imagens descartáveis. Estas pelo menos nunca as esqueci. O monólogo de Ridley Scott é uma obra-prima porque o actor está excelente, ma mensagem é universal e intemporal e o "olhar" de Ridley Scott torna tudo "sublime". Foi e continua a ser uma grande inspiração!

    ResponderEliminar
  26. ELISABETE CARDOSO: Em primeiro lugar, seja muito bem-vinda ao CINEROAD ;) BLADE RUNNER é, efectivamente, a prova de que Ridley Scott não é, nem pode ser, um realizador banal. Tem, e não sei se nisso está de acordo, alguns filmes banais. Aproveito a ocasião para lhe perguntar quais são os seus filmes favoritos do realizador.
    Volte sempre!

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  27. Olá,
    Gosto muito do filme "Thelma & Louise", pela Susan Sarandon, pelo Grand Canyon, pela banda sonora, pelo final e pelas grandes imagens. Gosto do "Kingdom of Heaven", pela mensagem e pelas imagens que são só dele. Depois também gosto do "Hannibal" porque a dupla Anthony Hopkins/Florença é irresístivel. Infelizmente, não conheço a cidade, mas ela fica-lhe bem (pelo olhar de Ridley Scott). Atenção, o "Silêncio dos Inocentes" é melhor, eu sei!

    ResponderEliminar
  28. ELISABETE CARDOSO: Curiosamente, considero o THELMA E LOUISE e o HANNIBAL uns furos abaixo. Mas especialmente o primeiro é um bom filme. Curioso também é não ter feito menção ao ALIEN e ao GLADIADOR.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  29. Vi os dois e gosto. Sou fã da Sigourney Weaver, não aprecio muito o Russel Crowe. A parceria do Ridley com o Russel não me parece grande ideia. No "Gladiador" adorei as imagens mais uma vez, o "regresso dos romanos" à tela e o desempenho do Joaquin Phoenix.

    ResponderEliminar
  30. Amigos cinéfilos, não li os comentários anteriores.

    Só quero deixar a minha opinião de amante do cinema:

    Assisti Blade Runner mais de vinte vezes, é o meu preferido de todos os tempos. Foi "o" filme de 1982, aquele maravilhoso ano da cultura pop.

    ResponderEliminar
  31. ENALDO: Entre cinéfilos, também é praticamente unânime a valorização deste sci-fi de Ridley Scott. Uma obra-prima.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões