quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

OS PÁSSAROS (1963)

PONTUAÇÃO: FRACO
Título Original: The Birds
Realização: Alfred Hitchcock

Principais Actores: Rod Taylor, Tippi Hedren, Jessica Tandy

Breves Considerações: De mestre, a condução do suspense e a composição de algumas sequências - entre as quais aquela que a imagem abaixo ilustra. No entanto, absolutamente negligenciados por uma história ridícula.

31 comentários:

  1. Epa, arriscado dizer que Birds é "fraco"... eheh
    é preciso coragem!!!! Eu adoro Hitchcock, este não é dos meus favoritos, mas não deixo de achar Bom! e a imagem que escolheste, é mesmo ilustradora da mestria do realizador... História ridícula??? Opa, nunca pensei por esse prisma! Prefiro entender como uma metáfora para alguma coisa... eheh, seja lá isso o que for!

    ResponderEliminar
  2. Metáfora do que? O filme vale pela imagem, por isso que tu falaste Roberto, pela mestria de filmar o suspense, a tensão. Mas mesmo assim não é um filme fraco, a premissa é a partida fraca mas Hitch consegue conduzir bem o filme, consegue desenvolver bem a história. E tem muitos pormenores interessantes. Nem é bom nem é mau, na minha opinião.

    ResponderEliminar
  3. Tenho a mesma opinião que tu Roberto. É para mim o filme mais fraco do Hitchcock (dos que vi claro).

    ResponderEliminar
  4. Em total desacordo.

    THE BIRDS possui um dos finais mais pessimistas (e imprevisíveis) da História do Cinema, um argumento apocalíptico cuja ausência de pistas ou explicações só poderia ter sido filmado por Hitchcock.

    Talvez o último filme da melhor fase do mestre do suspense.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  5. Ó Roberto, mas que raio de classificação é esta???
    Acordaste com os pés de fora? :)
    Concordo que não seja o melhor do mestre Hitch mas dizer que se trata de um filme "fraco" não tem qualquer cabimento.
    A rever, meu amigo, a rever urgentemente!

    O Rato Cinéfilo

    ResponderEliminar
  6. "The Birds" é um excelente exemplo de que o cinema existe muito mais para além de uma simples história. E que só um cineasta como Hitchcock poderia ter "dado a volta" à que chamas, e com alguma razão, "uma história ridícula".
    Tal como muitos outros filmes do mestre, já vi "The Birds" pelo menos uma dúzia de vezes. E sempre com o mesmo gozo cinéfilo. Quero lá saber da história! O que gosto mesmo é de ver toda aquela encenação do suspense, a arte de quem sabia efectivamente o que fazer com uma câmara de filmar.

    ResponderEliminar
  7. Acho que consigo compreender a tua opinião. Mas não estou propriamente de acordo, e com isto não estou a dizer que o filme é muito bom. É, do que vi de Hitchcock, um dos que menos gostei. Mas a forma como o realizador mexe com a tensão, envolve todas as personagens num ambiente, e trata o espectador é fenomenal, de não deixar ninguém indiferente. Por outro lado, é verdade que a história não é nada demais, sobretudo numa primeira parte. No entanto, a caminhar para o final me parece que o tema foi abordado de forma interessante deixando-nos a pensar e a reflectir sobre estranho fenómeno.

    É claramente um grande filme nesse aspecto tão próprio do mestre - o thriller, o suspense. Este filme feito hoje em dia, com o mesmo argumento provavelmente cairia no ridículo. E aqui nunca me parece que isso acontece. Eu gosto, ainda que existam outros na sua filmografia bem melhores.

    Estará para breve mais do realizador? :)

    abraço

    ResponderEliminar
  8. Também não concordo. Pode não ser o meu favorito dele, mas gostei muito e não acho que a premissa seja fraca.

    é uma premissa que o happening pegou recentemente substituindo os pássaros pelas plantas.

    Nós não somos os únicos seres na Terra e tantas vezes agimos como se fossemos os donos dela. E se um dia uma outra espécie se revoltasse?
    A premissa é fantasiosa porque só o homem é que é capaz de criar uma guerra, mas a ideia é muito boa. E ainda assim nunca é dito que é isto que acontece. A falta de explicações só fomenta o suspense. O que esta a acontecer? e porquê?

    De resto como dizes é muito bem filmado, a cena que colocas é das minhas predilectas do cinema, mítica.

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. JOÃO BASTOS: Não é preciso coragem, é a minha opinião, mas compreendo porque assim classificas a minha avaliação: Alfred Hitchcock está na moda e dizer que um filme seu é fraco é
    (quase) uma heresia. Gostar de um filme porque sim não é propriamente o meu género, pelo que se não reconheço as devidas qualidades a um filme - como é o caso - atribuo a pontuação que ponderar mais ajustada.

    ÁLVARO MARTINS: Se não é bom nem mau é o quê? Razoável? Dizes que a premissa é fraca; referes-te a que premissa?

    JOÃO GONÇALVES: Estamos então de acordo ;)

    SAM: E que imprevisível, diria mesmo. Pessimista? Talvez, dentro daquela lógica (qual lógica?). Mas pessimista porquê? As aves revoltam-se porque sim e o que o se subentende no final, julgo, é que não pararão de revoltar-se. É pessimista por isso? É por aí?
    Dizes, depois: "um argumento apocalíptico cuja ausência de pistas ou explicações só poderia ter sido filmado por Hitchcock"; que mérito tem isto?

    RATO: Não sei que intimidade é que te dei, algum dia, para me dirigires a palavra dessa forma. O facto de trocarmos palavras, quase diariamente, não faz de nós familiares.
    Hei-de rever o filme um dia, como espero ter oportunidade de fazer com a maioria dos filmes que vejo.

    BILLY RIDER: Estamos, pois, em desacordo ;)

    JORGE: E que reflexões fazes, por fim, sobre o estranho fenómeno? Tenho a certeza de que se este filme estreasse hoje seria ridicularizado. Para além do facto de ter envelhecido bastante - creio que o teste do tempo foi sobremaneira revelador neste caso - a história é qualquer coisa de inaceitável. Para mim falo. Detesto histórias que são assim porque sim, lembro um caso recente do THE MIST, do Darabont. Tem, igualmente, uma grande condução do suspense, mas a história é assim, os acontecimentos sucedem-se, só para alimentar o exercício do suspense. Não aprecio.

    LOOT: Sinceramente, só tenho a dizer que a ser a mesma, a premissa n'O ACONTECIMENTO, de Shyamalan, é bem melhor desenvolvida. Há pistas para a explicação do fenómeno, o que não acontece aqui.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  10. Ooh lala, mas que sensibilidade à flor da pele, Roberto!
    Vê-se bem que não me pertences à minha geração. E eu às vezes esqueço-me desse importante pormenor. Mea culpa, portanto. Enfim..., que se pode dizer mais?

    O Rato Cinéfilo

    ResponderEliminar
  11. RATO: Não esticando o assunto para além do cinema, não é uma questão de extrema sensibilidade. É uma questão de educação, respeito e delicadeza no trato. Se é ou não uma questão geracional, não sei.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  12. Não sei se posso dizer que é a mesma premissa, mas acho que pode ser.

    No entanto ao ver Happening, sentem-se as influências de Hitchcock, que estão muito bem conseguidas, aliás o suspense em Happening é o ponto alto do filme para mim.

    Só por isso eu já gostei bastante do filme, apesar de ser muito odiado.

    Abraço

    ResponderEliminar
  13. Roberto, se a realidade está recheada de circunstâncias desprovidas de lógica, porque é que não haveria o Cinema também de as ter? :)

    O mérito de um argumento destes ser filmado por Hitchcock é que, pela sua mestria e domínio do suspense como nenhum outro, este filme nas mãos erradas poderia ter sido um tremendo fracasso.

    Não digo isto por ter o rótulo «Alfred Hitchcock's The Birds»; afirmo-o porque só um cineasta com peculiar talento conseguiria converter isto no filme tão especial que é.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  14. LOOT: Sim, a influência de Hitchcock em Shyamalan é inegável. Partilho da tua opinião. Gosto d'O ACONTECIMENTO mas ainda assim fica abaixo do melhor de Shyamalan. Deixo-te o convite para leres algumas das críticas ou obeservações que escrevi aos seus filmes:

    http://cineroad.blogspot.com/search/label/M.%20Night%20Shyamalan

    Conto, em breve, tecer para alguns deles renovados textos.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  15. Puxa Roberto, parece que estás numa fase de desencanto.
    Pessoalmente, considero este um valioso filme de Hitchcock. Um bom filme que não se justifica o que o torna memoravelmente intrigante.

    O Gabriel "Loot" acabou até por referir o que ia dizer, e que subscrevo:
    ..."é uma premissa que o happening pegou recentemente substituindo os pássaros pelas plantas.

    Nós não somos os únicos seres na Terra e tantas vezes agimos como se fossemos os donos dela. E se um dia uma outra espécie se revoltasse?
    A premissa é fantasiosa porque só o homem é que é capaz de criar uma guerra, mas a ideia é muito boa. E ainda assim nunca é dito que é isto que acontece. A falta de explicações só fomenta o suspense. O que esta a acontecer? e porquê?"...

    E sim, também gosto do "Happening" do Shyamalan, mesmo considerando que ele podia ter melhorado algumas dinâmicas ao filme (as actuações dos actores por exemplo) - mas no suspense e na premissa misteriosa que remete á Natureza - é um grande ponto alto e apreciei muito).

    Mas, o obvio aqui, é que cada qual tem o seu próprio ponto de vista sobre os filmes.

    ResponderEliminar
  16. SAM: Pois com certeza ;) Contudo, creio uma fundamentação imprescindível para solidificar a narrativa. Daí achar que este filme tem um argumento que não se aguenta sobre a sua premissa. No referido de Shyamalan ou até no GUERRA DOS MUNDOS há, por exemplo, indícios para supor uma possível explicação. Em OS PÁSSAROS, isso não acontece, sendo que a acção é fundamentada por um acontecimento sobrenatural que acontece porque sim. Hitchcock conseguiu provar, pois, que é possível fazer uma tremenda condução narrativa a partir de peanuts. Para mim não há história, não há actores nem interpretações louváveis ou notáveis, e há uns efeitos especiais manhosos - por mais evoluídos que tenham sido na altura - que poem em causa a autenticidade da história. O filme não me assusta ou prende à cadeira ou sofá, o filme dá-me vontade de rir e de bocejar perante uma experiência - para mim - verdadeiramente frustrante. São opiniões distintas, portanto. Radicalmente distintas.

    ARMINDO PAULO FERREIRA: Fase de desencanto porquê? Não posso atribuir 5 estrelas a tudo ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  17. Eu acho que o não haver explicação para a invasão dos pássaros não é muito relevante. Vejo mais o filme como um melodrama, em que um "intruso" (a personagem da Tippi Hedren) vem abalar psicologicamente uma família. Os pássaros (ou os problemas) chegam quando ela chega. e, realmente, não vão desaparecer enquanto ela não desaparecer também. Se bem me lembro há uma tensão silenciosa entre ela e a sogra. A analogia ao Shyamalan é interessante, porque ele faz o mesmo no "Signs", por exemplo. Não tenho o Hitchcock em grande conta mas não acho o "The Birds" fraco. Antes pelo contrário. :)

    ResponderEliminar
  18. @ Roberto:
    "Fase de desencanto porquê? Não posso atribuir 5 estrelas a tudo ;)"

    Ora bem, o CineRoad aqui e no Facebook... pareceu estar num momento onde esbarrou com filmes que não deram aquela esperada chama artística.

    Também não se pode estar somente com filmes de 5 estrelas.
    Olha, eu vejo um pouco de tudo... tento sempre...

    (Escuta a canção "Be Thankful For What You've Got" dos Massive Attack... pode até te inspirar e ainda faças uma seguinte escolha, de filme para descobrir, que te recompense mais.)
    Força!

    ResponderEliminar
  19. Claro que quando falei em coragem para dizer que o filme é fraco, foi em tom provocatório e humoristico... Se é que há algum humor... As tuas razões compreendem-se para não apreciar o filme! E gostei da analogia ou comparação com o The Mist. Esse eu incluí nos melhores filmes desta década, com um final completamente "absurdo" (não no sentido pejorativo da palavra). Alguém referiu que Birds tinha um final pessimista... Talvez... mas se esse é pessimista, o que dizer do filme de Darabont!
    Acho engraçado é o que apontas como negativo, eu achei positivo! Ainda bem que existe esta diversidade de opiniões!

    ResponderEliminar
  20. Para mim, fraco é exagerado, mas lá está é a tua opinião e respeito-a.
    Adoro todos os filmes de Hitchcock e este poderá ser um dos mais fracos, mas ficando sempre na categoria de bom :P
    Adorei aquele final, aliás acho que Hitchcock conduziu mais uma vez com mestria uma história que nas mãos de outro realizador, até poderia ser uma autêntica palhaçada, mas não foi.
    Hitchcock é Hitchcock e mais não digo :P

    ResponderEliminar
  21. JOÃO BASTOS: O final do THE MIST pode-se dizer que é... profundamente trágico.

    A minha opinião não é consensual quanto a este filme, bem o sei. Pareço ser a excepção à regra ;) Obrigado a todos pelos comentários!

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  22. Não concordo com a classificação. Julgo que "Birds" é um dos mais espantosos filmes de suspense do mestre, e talvez mais influente do que "Psico" na história do cinema. O enigma de não haver explicação racional para o ataque dos pássaros, o facto de não haver música/banda sonora para acentuar o terror (por seu lado, já alguém reparou na notável sonoplastia?), a fomra como Hitchcock filma os ataques e a progressão da violência, são provas da visão do realizador, numa espécie de metáfora sobre a colisão entre a força da natureza e a acção humana.

    ResponderEliminar
  23. A reflexão que faço tem a ver com o facto da imprevisibilidade da natureza, da sua força e da sua autonomia, por mais que queiramos intervir, manipular ou simplesmente estudá-la. Neste caso os pássaros, com um lado agressivo e atacante que se pensava serem incapazes. Para além de outras interpretações já aqui lançadas. Não é que seja óbvio, e porventura será isso que te desagrada, mas que existe metáfora, propósito e mensagem lá isso existe, na minha opinião.

    De qualquer modo e como já disse penso perceber-te, a condução da narrativa e as suas motivações não são do melhor que já vi, até vindo de Hitchcock. Parece-me que se apropriou de um pretexto, no caso a sua fobia aos pássaros, para desenvolver um exercício (e que exercício!) de suspense e grande tensão. Mas apenas quase só isso, ainda que depois possa gerar tantas interpretações. No fundo também acho que Hitchcock queria que as pessoas pensassem e reflectissem um pouco sobre o assunto. E parece-me que conseguiu, dada a popularidade do filme ainda nos dias de hoje. É de se lhe tirar o chapéu.

    Em suma, percebo-te mas não concordo com a pontuação, pelo que estamos em desacordo.

    abraço

    ResponderEliminar
  24. Já eu acho maravilhoso. Um dos melhores do gênero, na minha opinião.

    ResponderEliminar
  25. A história é mesmo fraca e hoje não causa medo algum, mas, na época, não era assim. Mas, deixando esse aspecto de lado, o que mais chama a atenção são os efeitos técnicos, datados, é verdade, mas muito bem trabalhados.

    ResponderEliminar
  26. O facto de não gostares de um filme reconhecido como bom pela maioria não torna a tua opinião menos meritória que a dos outros. Os filmes são sempre uma experiência subjectiva. Ninguém é detentor da verdade absoluta sobre os mesmos, ao contrário do que muitos pretendem fazer crêr.
    Pessoalmente gosto do Birds, mas por exemplo não me consigo entusiasmar com o Psycho. Já o tentei três vezes e o Anthony Perkins estraga-me sempre o filme. Não tenho outra explicação e não consigo evitar o efeito que o actor tem sobre mim.

    Desde que a opinião seja substanciada, é tão válida como qualquer outra. Acho que a origem desta reacção desmedida foi precisamente a brevidade da tua crítica, mas pelo menos foste honesto.

    ResponderEliminar
  27. KING MOB: Aquilo que eu escrevi nem aqui nem em nenhum lugar do mundo se pode chamar 'crítica'. É, tão-somente e como acima assumo, uma 'breve consideração'. A fundamentação, a minha, desenrolou-se por esta secção de comentários. Com certeza, estou de acordo contigo. Não há verdades absolutas. Sem dúvida que o debate se desenvolveu porque a consideração foi breve. Perante a ausência de explicação, potencia-se a polémica. Quanto à honestidade, sempre ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  28. O filme birds para a época acho que foi um filme fenômeno. Não creio que o filme seja fraco, tanto pelo contrário é dos filmes que puxam mais de hitchcock para alem do psycho, rebecca e janela indiscreta.
    Sobre o comentário resposta que estive a ler devido a Hitchcock ser moda não estou de acordo, é um facto, Hitchcock é bom! Em 1963 fazer um filme deste teor cinematografico acho que está bastante interessante. Apelo no minimo a um Bom.
    Mas são opiniões pessoais respeito a opinião de cada um e aprendo inclusive.

    Comprimentos Cinefilos

    ResponderEliminar
  29. Acrescento até que nas aulas de Teoria da Montagem o meu professor fez nos ver este filme por ser muito bom a nivel de montagem tal como a nivel de filmagem e acho o argumento muito interessante!

    Comprimentos

    ResponderEliminar
  30. AKASH TEHLARI: Exceptuando o reconhecimento dado ao argumento, não deixo de estar de acordo com você, quanto à montagem e quanto à generalidade da filmagem. De resto, tenho mesmo uma opinião diferente.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões