segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

«AS INCONTESTÁVEIS» #10

obra-prima, s. f.
1. Obra primorosa, perfeita, das primeiras no seu género.
2. A melhor obra de um autor.

5 das Incontestáveis Obras-Primas
de Chico, autor do blogue My One Thousand Movies:Das blaue Licht (1932), de Leni Riefenstahl e de Béla Balázs
Orlacs Hände (1924), de Robert Wiene
Os Inocentes (1961), de Jack Clayton
Aelita (1924), de Yakov Protazanov
Shazka shazok (1979), de Yuriy Norshteyn

5 das Incontestáveis Obras-Primas
de Pedro Ponte, autor no site Ante-Cinema:
2001: Odisseia no Espaço (1968), de Stanley Kubrick
Dias do Paraíso (1978), de Terrence Malick
Metropolis (1927), de Fritz Lang
8 1/2 (1963), de Federico Fellini
Cinema Paraíso (1988), de Giuseppe Tornatore

Quem contesta?

19 comentários:

  1. A lista do Pedro é muito boa (algumas escolhas óbvias, não inferiorizando, mas incontestável), quanto à do Chico, tiro-lhe o chapéu, não vi nenhum deles.

    ResponderEliminar
  2. mas vou tratar disso quando me der vontade de ver filmes dessas décadas ;)

    ResponderEliminar
  3. Mais duas grandes listas. Do Chico conheço o filme do Robert Wiene e quero muito ver o "Das blaue Licht". O resto não conheço :) A descobrir.

    Fico à espera das justificações de cada um.

    ResponderEliminar
  4. Da lista do Pedro identifico 3 obras primas: 2001, 81/2 e Metropolis. Do Days of Heaven apenas ouvi maravilhas mas ainda não vi. O Cinema Paradiso é de facto um filme bastante envolvente, mesmo só tendo visto a versão de 2 horas.
    Da Lista do Francisco, apenas aponto o Greve de Eisenstein como obra-prima. Os outros.. não conhecia :P

    ResponderEliminar
  5. Ops que disparate. Só vi o nome Shazka e o ano e associei logo a Eisentein :P Fica aqui a correção. Ainda não vi nenhum do Francisco então.

    ResponderEliminar
  6. Roberto,só uma correcção, o Shazka shazok é de 1979.

    Bem, penso que a maior parte do pessoal conhece o meu gosto por obras obscuras, então partindo do ponto que o Roberto dava-nos azo para utilizar-mos a nossa imaginação, só podia ir buscar filmes ao fundo da minha mente.
    Vou falar um pouco dos filmes que escolhi.

    "Das blaue Licht" - Muita gente conhece a Leni por causa de estar ligada ao regime de Hitler, e por causa de filmes como Triumph des Willens ou Olympia. Esta foi a primeira realização da Leni, quando na altura já era uma actriz famosa na Alemanha. Foi o filme que seduziu hitler para contratá-la para fazer os filme acima citados. Não tem nada a ver com o Nazismo, fiquei fascinado com este filme.

    As Mãos de Orlac - O expressionismo alemão foi um dos principais movimentos do cinema mundial, e como tal tinha de escolher um representante. Podia ter escolhido o Metrópolis, o Nosferatu, o Gabinete do Dr. Caligari, mas para não ser muito óbvio escolhi este, já que foi dos mais que me impressionou (apesar dos de cima serem bem melhores).

    Os Inocentes - Eu sou um grande fã do terror, só que cheguei a um ponto que já pouca coisa me impressiona. Os filmes de terror são os que ficam datados mais facilmente, lembro-me por exemplo do Exorcista, que hoje em dia me faz rir. Este é um filme que não tem efeitos especiais, é uma obra que utiliza muito bem os cenários grotescos, e um clima que faz criar uma sensação de horror. É um filme que jamais ficará datado (também aconselho A Casa Maldita - the Haunting, de 1963).

    Aelita - Provavelmente não conhecem, mas este foi um primeiros filmes a marcar a ficção-ciêntifica tal como hoje a conhecemos embora apenas aos últimos minutos possamos chamar ficção. Foi uma das maiores inspirações de Fritz Lang para fazer o Metrópolis. Diz-se que ele foi inspirado por 2 factos. Uma viagem a Nova Iorque e este filme. Se o virem percebem porquê.

    Shazka Shazok ou Tale of Tales - o cinema de animação não se faz só na América. Esta pequena obra foi já considerada várias vezes como o melhor filme de animação de todos os tempos, e penso que a ultima vez foi em 2004 num festival qualquer. Não querendo puxar a brasa para a minha sardinha, e nem me sinto capaz de avaliar qualquer filme como o melhor, escolhi o mais para divulgação, e porque ele merece ser visto.
    Podem vê-lo no youtube, já que ele praticamente não precisa de legendas. Deixo-vos aqui o link, mas não é animação fácil de se assistir.
    http://www.youtube.com/watch?v=i4U_xk6CKI0

    Já sabem onde os podem encontrar. ;)

    ResponderEliminar
  7. A lista do Pedro é muito boa. Só não acho tanta piada ao Cinema Paraíso, o resto são filmes da minha preferência. :)

    ResponderEliminar
  8. o top do chico é interessantissimo, previa ai o haxan

    ResponderEliminar
  9. diogo, era uma das muitas hipóteses. Mas como já falei tanta vez do "Haxan" no meu blog, e por essa blogosfera fora, resolvi dar hipóteses a outros. ;)

    ResponderEliminar
  10. Só queria dizer tmb que o Pedro é um dos maiores cinéfilos que conheço, e foi um prazer ver a minha lista ao lado da dele.

    ResponderEliminar
  11. Em primeiro lugar, agradecer ao Roberto e ao Cineroad pelo convite e, antes de me pronunciar, retribuir o elogio do Chico, gostei também de ver a minha lista ao lado (ou por baixo) da dele. Conheço muito bem o seu gosto e conhecimento vasto do cinema, do qual já me "servi" muitas vezes para continuamente aumentar o meu, e sabia que a sua lista seria algo deste género, e que incluiria obras obscuras e por conhecer por quase toda a gente - uma pequeníssima extensão do MOTM, digamos assim. Dos 5 conheço apenas o The Innocents, que é um dos meus filmes de terror favoritos e de longe o expoente máximo do haunted mansion.
    Em relação às minhas escolhas, podia perfeitamente ter optado por 5 obras menos óbvias, como o Álvaro apontou e bem, mas não vi necessidade para o fazer. Precisei, garanto-vos, de muito mais que 10 minutos para fazer esta lista. É um facto que 2 ou 3 destas escolhas figuram em qualquer lista dos melhores de sempre, mas nunca deixaria que isso me impedisse de as colocar aqui. Estes cinco filmes são, a meu ver, obras-primas, independentemente de quem concorde ou não. Se são incontestáveis ou não, já muito se discutiu por aqui a dubiedade do termo, não sei. Sei apenas que se as visse numa outra lista nunca contestaria. É um facto que são cinco dos meus filmes favoritos, mas neste caso é um exemplo clássico de juntar o útil ao agradável: são favoritos pessoais mas também são das melhores coisas que já se fez em mais de 100 anos de cinema.

    Como grande fã de ficção científica, acabei por escolher duas obras desse género que considero duas das melhores e mais importantes já feitas. Dizer que 2001 é uma obra-prima é praticamente um cliché, mas não o torna menos verdade. É um dos filmes mais visionários alguma vez feitos e a obra mais complexa e grandiosa de um dos últimos mestres desta arte, que é ficção, ciência mas também um ensaio sobre a nossa própria natureza.

    METROPOLIS, não apenas por ser um dos filmes mais marcantes do movimento em que se inseriu e de Lang, mas também pela sua importância gigantesca na cronologia do cinema. Isto par além de se manter completamente actual depois de 84 anos e de não sofrer em nada com o passar do tempo. Que é, como já havia também sido discutido, o teste mais importante para qualquer filme. Revi-o recentemente na Cinemateca (a verão restaurada com 25 minutos extra, encontrados na Argentina) com acompanhamento ao piano do Mário Laginha, e voltou a ter um impacto tremendo em mim. O que Lang fez há tantos anos pode ter sido o fruto de um ego enorme e louco, mas se não o tivesse feito muita coisa não teria acontecido.

    8 1/2 é uma opção muito pessoal; se me guiasse pela tal noção de que uma obra-prima é a "melhor" de um realizador nunca o teria escolhido, mas acho que é o filme que melhor define Fellini. É Fellini por defeito, um filme completamente divagante e auto-indulgente, mas absolutamente arrebatador e com uma imensidão de coisas a dizer sobre a arte e o processo de criação. O que faz dele essencial.

    Não há grande explicação para DAYS OF HEAVEN, pelo menos nenhuma que a justifique para quem quer que não tenha visto o filme. Surge (ao contrário da anterior) por o considerar a melhor obra de Malick, o derradeiro autor (outro termo vulgarizado que não uso em vão) americano. É um filme lindíssimo, lírico mesmo, e de uma áurea dramática e romântica que aprecio imenso.

    Por último, considero CINEMA PARADISO a última grande obra-prima do cinema italiano (só admitiria abrir uma excepção em relação a A VIDA É BELA). Em grande parte por ser o único filme que conseguiu recapturar a essência do neo-realismo e do cinema humanista e repleto de paixão dos gigantes do cinema italiano (Pasolini, Rossellini, Visconti, De Sica), que contavam histórias sobre pessoas comuns e que ainda assim arrebatavam o público e criavam magia do nada. Ainda assim, é importante dizer que esta escolha refere-se, como o Dezito mencionou, à versão de Tornatore de duas horas.

    Cumprimentos a todos e que a discussão continue interessante.

    ResponderEliminar
  12. Grandes filmes por aqui. Na lista do Pedro Ponte são todos de visão obrigatória. Tal como, provavelmente, na lista do Chico. Isso porque só vi ainda "Os Inocentes", que por acaso não me impressionou por aí além.

    O Rato Cinéfilo

    ResponderEliminar
  13. Das escolhas do Chico não vi nenhum, e nem os conhecia tão pouco de nome. Ficam inevitavelmente como referências, e após ter lido as justificações fiquei com bastante vontade de assistir a pelo menos dois filmes da lista.

    Das escolhas do Pedro Ponte reparo no critério de abarcar filmes de várias décadas. Aliás como muita gente tentou por aqui, a ver pelas listas até agora publicadas. Destas concordo com 2001 e Cinema Paraíso, apesar de este último não estar bem seguro (vi-o à pouco tempo).

    Quanto aos outros filmes nunca vi. Destaco ainda aqui a nomeação a grandes cineastas muito conhecidos e autênticos pilares na história do cinema.

    abraço

    ResponderEliminar
  14. Ora cá vai:
    Da lista do Chico, como ele próprio diz, o Expressionismo alemão tem melhores filmes. Ele escolheu um do Robert Wiene, assim como eu escolhi. Eu fui um pouco para o mais óbvio (O Caligari), mas a escolha dele é também muito boa. Para quem não viu, também eu o recomendo. Também não contesto a escolha de um filme de Riefenstahl "Das Blae Licht" é muito bom... Os outros, confesso que ainda não vi, apesar de mos já terem aconselhado. Quando os encontrar para ver, pode ser que adquira alguns, Aqui em Portugal é difícil encontrar muitos destes filmes. Só na FNAC e por vezes com preços que não se adequam muito à minha carteira.

    Da lista do Pedro,
    Já aqui teci um comentário a 2001. Terei de o rever com olhos de adulto para opinar. O de Malick não vi. Os outros 3 nem se contestam! Há inclusive agora uma reedição do Metropolis na FNAC (sem querer fazer publicidade a esta casa, mas fui lá ontem e reparei) muito boa!

    ResponderEliminar
  15. No fundo as escolhas que estão a ser chamadas de mais óbvias, serão talvez por causa disso as mais próximas do termo incontestável, aquelas em que a maioria concordará. Mas não são menos importantes por isso.

    Numa lista destas o 2001 entre outros já referidos tinham de aparecer, são obrigatórios. Da lista do Pedro estão lá filmes que adorei (2001 e Metropolis) e filmes que anseio muito por ver (os restantes).
    É uma excelente lista que aborda vários períodos do cinema.

    Por outro lado listas como a do Paulo e agora do Chico têm sido muito curiosas de ver e ainda bem que as pessoas pegaram no desafio de maneira diferente.
    Não vi nenhum da lista do Chico e só recentemente lhe conheci o blog. Isso aliado a umas curtas conversas no facebook deram-me a conhecer a sua paixão pelo expressionismo alemão e pela divulgação de filmes menos conhecidos. Características essas que ele faz notar e bem na sua lista.
    Uma pessoa devia olhar para as listas e automaticamente dizer, "é daquele ou daquela" a tal identidade cinéfila. Claro que não conheço os blogs de todos e isso é impossível.

    ResponderEliminar
  16. Não posso contestar as obras do Chico, dado que não as conheço. Tal como ele refere, são obscuras e pouco vistas/conhecidas. Mas acredito nele e vou acrescentá-las à lista de filmes a ver, pois é dos bloggers que mais gozo me tem dado ler. Cada post no seu blogue é uma descoberta vinda do passado. Parabéns.

    Na lista do Pedro Ponte, das cinco conheço quatro e apenas contesto o Cinema Paraíso, apesar de estar perto de ser (para mim) uma obra prima. Precisa de ser revisitado. Quanto à que me falta ver, o Dias do Paraíso é uma das minhas grandes falhas, e tenho ouvido falar tão bem que tenho de a ver urgentemente.

    ResponderEliminar
  17. alo alo

    só axo que a tale of tales devia estar em maiusculas :D

    boas listas

    cumps

    ResponderEliminar
  18. Ora bem, eu aqui tou bastante triste, porque da lista do Chico não vi nenhum - é que nem um :S

    Da lista do Pedro:
    2001: Odisseia no Espaço já comentei anteriormente que considero sem duvida um dos melhores de Kubrick.
    Dias do Paraíso é muitissimo bom.
    Metropolis - depois de ter visto "M", considero Metropolis inferior a este.
    8 1/2 ainda não vi.
    Cinema Paraíso é sem dúvida uma obra prima do cinema.

    Por isso eu pendo mais para o Pedro, devido a não ter visto nenhum do Chico (infelizmente).

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões