segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

MASTER AND COMMANDER - O LADO LONGÍNQUO DO MUNDO (2003)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Master and Commander - The Far Side of the World
Realização: Peter Weir
Principais Actores: Russell Crowe, Paul Bettany, James D`Arcy, Edward Woodall, Chris Larkin, Max Pirkis, Jack Randall, Tony Dolan, David Threlfall, Billy Boyd

Crítica:

CAPITÃO DE MAR E GUERRA

I had no idea that a study of nature
could advance the art of naval warefare.

1805. Ao largo da costa norte do Brasil, navega a H. M. S. Surprise. A bordo, 28 armas, 197 almas. O vento sopra sobre a aparente acalmia do oceano. Da escuridão do convés ao nevoeiro que encobre as cordas e as gáveas dos mastros, uma tripulação sempre suada mas atenta. Dormem os canhões e a artilharia, ondula a bandeira, hasteada pela pátria. Do balaústre da popa ao tombadilho, lançam-se os prumos sobre o horizonte, misterioso, até à proa. O diário dá conta de mais um dia de Nosso Senhor. Toca o sino. O cacarejar de uma galinha interrompe um silêncio duradouro. Ressoa a madeira do navio, em ruídos vários. She's not old; she's in her prime. Ao serviço da Marinha Real Britânica, a tripulada embarcação tem uma missão: perseguir e interceptar a poderosa fragata Acheron que, às ordens de Napoleão, expande a guerra e os seus interesses aos sete mares.

No comando, o amado Capitão Jack Aubrey, que nem por uma só vez conheceu a derrota, até à data. Captain's not called Lucky Jack for no reason. Apesar da sua longa experiência, jamais se deixou corromper pelo poder ou pela autoridade. É um homem ponderado e bem humorado, que sustém as suas decisões entre a razão e o bom senso. Daí, certamente, o respeito e a admiração que a vasta tripulação tanto tem para com ele. Liderar quase duas centenas de homens num espaço tão limitado e apertado como o Surprise, durante meses a fio e em alto mar, é, afinal, uma tarefa que, cumprida com tão considerável êxito, não pode ser empreendida por qualquer um.

Capt. Jack Aubrey: Do you see those two weevils doctor? (...) Which would you choose?
(...)
Dr. Stephen Maturin: I would choose the right hand weevil; it has... significant advantage in both length and breadth. (...)
Capt. Jack Aubrey: There, I have you! You're completely dished! Do you not know that in the service... one must always choose the lesser of two weevils.


É um mundo de homens, este de Master and Commander. Mulheres a bordo, aliás, seriam sempre interpretadas como um mau augúrio. Imagine-se, pois, a pressão e a tensão que não seria viver cada dia longe da mulher e das amantes. Ao largo da costa brasileira, o olhar que Aubrey lança à estrangeira, aquando das trocas comerciais, é por demais revelador. Um olhar carregado de desejo, de desejo e de lembrança da sua amada Sophie, à qual endereça as cartas que escreve. Um mundo de homens e de crendices. O diabo surgia-lhes frequentemente, nas mais variadas formas. Fosse o canto de uma baleia ou a ira de uma vaga imponente, a religião e a imaginação fundiam-se no passar dos dias e das noites. Servir o país num fantasma flutuante que apenas despertava para o fervor da refrega e para a luta desleal contra a revolta da natureza era... uma vida dura. HOLD FAST, lembram as tatuagens nos dedos do velho e supersticioso Joe Plaice.

Quando se quebra o mastro, no clamor da tempestade, e se tem que decidir a morte de alguém em prol da armada, quando se sofre as feridas do corpo e da alma... a sombra do suicídio, o espectro da morte ali, sempre presente. O medo. Recorrendo às mais engenhosas artimanhas, qual phasmidae na empresa final, Aubrey e os seus homens enfrentam a adversidade, vezes sem conta, tentando virar o vento a seu favor. Entre a rotina e o imprevisível, a interminável espera de oficiais e marinheiros, sempre embriagados ou ressacados. Ao fim e ao cabo, a dimensão humana sobressai da tragédia e do tédio daqueles seres, que navegam no Inferno. For England, for home, and for the prize!

England is under threat of invasion, and though we be on the far side of the world, this ship is our home. This ship, is England. So it's every hand to his rope or gun, quick's the word and sharp's the action. After all... surprise is on our side.

A cada vez que o queijo tostado sai do forno, os arcos descem sobre as cordas. Aubrey, com o seu violino, e o cirurgião Stephen Maturin, com o seu violoncelo. Boccherini, La Musica Notturna delle Strade di Madrid. Nº 6, Op. 30. Há muito que são amigos e camaradas, num equilíbrio raramente perturbado. Maturin é um pacifista, um estudioso da ciência e um curioso da natureza. Crowe já nos deu performances mais expressivas, é evidente, mas ainda assim não compromete a solidez de todo o elenco. Paul Bettany, por exemplo, tem uma das melhores interpretações da sua carreira.

The deaths in actual battle are the easiest to bear. For my own part, those who die under my knife, or from some subsequent infection, I have to remind myself that it was the enemy that killed them, not me.
Dr. Stephen Maturin

A proximidade das Galápagos, das Ilhas Encantadas, possibilita uma curta e atribulada expedição e investigação às suas mais variadas e nunca dantes identificadas formas de vida. Entre iguanas e escaravelhos, uma paisagem tão fértil quanto estéril, de extremos. Bach, prelúdio da Suite Nº 1 em Sol Maior para violoncelo. Os primórdios da evolucionismo, a décadas de Darwin. Aubrey garante ao médico uma estadia mais prolongada no arquipélago, mas as voltas e reviravoltas da intriga adiam, uma e outra vez, a promessa.

Capt. Jack Aubrey: Well, Stephen... the bird's flightless?
Dr. Stephen Maturin: Yes.
Capt. Jack Aubrey: It's not going anywhere.

Deste modo, Master and Commander - O Lado Longínquo do Mundo une e adapta - magistralmente - dois dos mais incontornáveis títulos da saga marítima de Patrick O'Brian. O espírito dos livros - digo-o com conhecimento e com entusiasmo - está todo no filme, desde a autêntica e fascinante viagem no tempo ao mais incrível cheiro de maresia. Por um lado, cabe o mérito à direcção artística (William Sandell, Robert Gould, Wendy Stites) que, com tremendo perfeccionismo e ínfimo detalhe, se encarregou do retrato e da reconstituição histórica, seja ela nos cenários, no figurino ou no acabamento e brilho dos instrumentos. Em seguida, à equipa que tão minuciosamente tratou o som e os efeitos sonoros (Richard King, Paul Massey, Doug Hemphill e Art Rochester), elementos que nos transportam em absoluto para a experiência do alto mar. Depois, ao absorvente esplendor da fotografia de Russell Boyd: um trabalho verdadeiramente deslumbrante e irrepreensível, no qual há frames que chegam a parecer quadros pintados a óleo. A banda sonora é tão erudita quanto sublime: para além das orquestrações acima mencionadas, as virtuosas composições de Arcangelo Corelli, Ralph Vaughan Williams e de Mozart, e as originais de Iva Davies, Christopher Gordon e de Richard Tognetti. Os efeitos digitais, por fim, aplicados subtil e discretamente à narrativa, revelam uma sofisticação notável. Master and Commander emana, por tudo isto, um realismo atroz, de contornos épicos, aliado a um requinte estético raramente alcançado.

Peter Weir concretiza, com mestria e serenidade, um clássico instantâneo. Certamente, uma das melhores sagas marítimas de todos os tempos, jamais filmadas.

15 comentários:

  1. É claro que, mais uma vez, estou em desacordo. Mais, acho este filme muito medíocre.

    ResponderEliminar
  2. ÁLVARO MARTINS: Muito medíocre em quê, especificamente?

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  3. Merecia quase todos os Oscars a que foi nomeado.

    ResponderEliminar
  4. Pergunta: este filme tem alguma versão de realizador?

    Abraço!

    ResponderEliminar
  5. GUSTAVO H.R.: Sem dúvida! É um filme arrojadíssimo, muito subtil, e de uma beleza inconfundível.

    JACKIE BROWN: Não, não tem. Embora tenha várias cenas cortadas, disponíveis no disco de extras da edição em DVD. Não estou à espera que gostes muito do filme; de qualquer forma, depois passa por cá e deixa a tua opinião.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  6. Eh pah, não agoires :P
    Comprei-o a título excepcional, em muito graças à tua crítica.
    Espero gostar.

    A que eu tenho é uma daquelas "Definitive Edition", mas diz "Director Edition", e atrás diz que é a versão de como o Peter Weir queria. Por isso é que perguntei.

    Abraço e obrigado ;)

    ResponderEliminar
  7. JACKIE BROWN: E a minha crítica está muito reduzida! ;) Espero em breve, e à semelhança do que tenho feito com outros títulos, escrever uma crítica mais alongada.
    O que Peter Weir tenta fazer com este MASTER AND COMMANDER (do meu ponto de vista, concretiza-o magistralmente) é - à semelhança do espírito dos livros de O'Brian - recriar os cheiros, os tons, os ambientes da vida em alto mar. E isso é o que mais importa. Essa recriação magnífica. Tecnicamente, o filme é irrepreensível. Há quem tenha partido para esta aventura dos mares à espera de um blockbuster à la PIRATAS DAS CARAÍBAS, onde as explosões e a luta de espadas são uma constante. MASTER AND COMMANDER não é nada disso. É o oposto. Com assaz realismo e minúcia (note-se a extensa nomenclatura relacionado com as ferramentas, práticas e costumes dentro do navio), MASTER AND COMMANDER representa a calmaria dos mares ou o seu estado tempestivo, o dia-a-dia em tempo de guerra, as estratégias de guerra em alto mar. É nisso que se centra a história. E é isso que é apaixonante. E há poucos como MASTER AND COMMANDER a transportar-nos para essas vidas que tantas vezes romanceamos, mas que eram vidas duras, de muito álcool e tédio.

    Quanto à edição que compraste, eu vou-te ser sincero. Penso que se trata da mesma outra que existe no mercado. Apenas fizeram outra capa mais aliciante para escoar o produto. O mesmo acontece com o CLUBE DE COMBATE, o EU, ROBOT ou mesmo com o REINO DOS CÉUS ou o BRAVEHEART mas são edições que nada acrescentam. A não ser quando vêm com um disco de extras, claro. De resto a diferença não é relevante. Nomeadamente na versão do filme.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  8. Vamos ver, vamos ver.
    A edição que compre é a especial, com dois discos de extras (inclui um senak-peak do I, Robot- so para veres se sabes qual é).

    Só que diz Director Edition, apesar do estilo de capa ser igual à das Definitive Edition.
    Queria confirmar se existia uma versão de realizador, ou se era só peta do mercado xD

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. JACKIE BROWN: Pois, eu não comprei essa chamada "Definitive Edition" e a minha edição também tem 2 discos e a antevisão ao EU, ROBOT. Podes confirmar aqui:
    http://www.dvdpt.com/m/master_and_commander_o_lado_longinquo_do_mundo_director_edition.php

    e aqui:
    http://www.dvdpt.com/m/master_and_commander_o_lado_longinquo_do_mundo.php

    as diferenças existentes (ou inexistentes) entre ambas as edições.

    No meu entender, não há diferenças. A não ser a assinatura na capa. De resto, é tudo o mesmo. Ah e quanto ao filme, garanto-te que só há uma versão. Descansa ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  10. Belíssimo filme. Daqueles que na primeira vez que o vi não apreciei tanto, mas que numa segunda gostei bastante. É calmo, pautado e tranquilo, tal como o mar, e como eu gosto disso. Muito bem articulada e conduzida a narrativa. Sublime, com rasgos de génio mesmo. As cenas das batalhas são uma delícia. E aqui não triunfa o entretenimento puro, de facto! (depende sempre claro de cada um), mas sim de reflexões e de sugestões.

    Gosto! mais nada a dizer :P

    abraço

    ResponderEliminar
  11. E gostei bastante, mais uma vez, da prestação de Russel Crowe, muito interessante, certeira.
    De resto de Peter Weir é mesmo o que mais gosto, embora só tenha visto mais o Truman Show, e aguardo o seu recente.

    abraço

    ResponderEliminar
  12. JORGE: Também é, dos que vi, o filme de Weir de que mais gosto. Sereno e calmo como o mar, nos dias bons não é ;) Magistral.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD – A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  13. O longa é o resgate de um gênero de sucesso nos quarenta e cinquenta que estava bem esquecido por Hollywood.

    Ótima diversão e um grande trabalho de Peter Weir, como praticamente toda sua carreira.

    Abraço

    ResponderEliminar
  14. Meu deus. Este filme é uma autentica aberração. Demasiado mau para ser verdade :|

    ResponderEliminar
  15. HUGO: Diversão? Não, nada disso. Não vejo qualquer intuito de "divertir" neste filme.

    NEUROTICON: Opiniões.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões