sábado, 4 de setembro de 2010

CLEÓPATRA - A Batalha de Ácio de 34 e de 63



Primeiro DeMille, mais tarde Mankiewicz.
Duas grandes cenas nas duas versões da história.

8 comentários:

  1. DIOGO F: Não conheço a versão de DeMille, quem sabe se melhor. A versão de Mankiewicz não é propriamente o melhor filme do mundo, não te digo para ires a correr assiti-lo. Mas se um dia tiveres oportunidade, também não será propriamente tempo perdido.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  2. A versão de 63 há-de ser sempre o filme "definitivo" sobre Cleópatra. Uma rainha do Egipto a surgir na forma de Elizabeth Taylor aos 30 anos nunca mais se repetirá... :)

    ResponderEliminar
  3. SAM: Não acredito em versões definitivas à partida. Tudo é superável, ainda que muito seja difícil de superar. Como disse não conheço a outra versão. A ver vamos. Terás razão, quem sabe. Das poucas cenas que vi do filme de DeMille gostei. Gostaria imenso de ver Angelina Jolie a fazer de Cleópatra - tinha era que ser numa versão majestosa e magistral. Caso contrário, não valeria a pena.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  4. Roberto, a ideia da Angelina não seria de descartar. Quem sabe?...

    ResponderEliminar
  5. SAM: Fala-se nisso, nessa hipótese! Who knows ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  6. "Tudo é superável", Roberto?
    Olha que não, sobretudo em Cinema. Como simples exercício tenta lá imaginar a "superação" de por exemplo:

    - "Metropolis" (Lang, 1926)
    - "City Lights" (Chaplin, 1931)
    - "Citizen Kane" (Welles, 1941)
    - "Vertigo" (Hitchcock, 1958)
    - "2001:A Space Odyssey" (Kubrick, 1968)
    - "Novecento" (Bertolucci, 1976)
    - "Nuovo Cinema Paradiso" (Tornatore, 1988)
    - "Pulp Fiction" (Tarantino, 1994)
    - "Lord of the Rings" (Peter Jackson, 2003)

    Como vês limitei-me a referir um filme por década, sem nada a ver com gostos pessoais (daí a inclusão do último título), só para te mostrar a impossibilidade de certas obras poderem ser superadas.

    ResponderEliminar
  7. RATO: Trata-se de algo em que acredito, a priori: nada é insuperável. É claro que não imagino facilmente qualquer coisa que supere cada um dos filmes que referes.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões