quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

HERÓI (2002)

PONTUAÇÃO: EXCELENTE
★★★★★
Título Original: Ying Xiong
Realização: Zhang Yimou
Principais Actores: Jet Li, Tony Leung Chiu-Wai, Maggie Cheung, Zhang Ziyi, Chen Daoming, Donnie Yen, Daoming Chen, Zheng Tia Yong, Yan Qin, Chang Xiao Yang, Ma Wen Hua, Wang Shou Xin, Jin Ming, Xu Kuang Hua

Crítica:

A LENDA DO HERÓI SEM NOME
OU O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO


O maior feito de todos é conseguido 
pela ausência da espada tanto na mão como no coração.

São poucas as obras de arte, desde que há cinema, capazes de rivalizar com a pureza e a beleza poética deste Herói, esmagadora obra-prima visual de Zhang Yimou. É, com toda a certeza, um dos mais belos filmes de sempre. Depois do virtuoso O Tigre e o Dragão, de Ang Lee, ter aberto as portas do cinema oriental ao mundo, como há muito não acontecia, eis que, pelas mãos dos mesmos produtores, os épicos de artes marciais - os wuxia, daqueles que desafiam a gravidade e a imaginação - atingem o seu máximo esplendor. As lendas do nascimento da China e da edificação da Grande Muralha inspiram um argumento arrojado: qual Rashômon - Às Portas do Inferno, de Kurosawa, Herói esculpe o seu diamante jogando com as sucessivas perspetivas das personagens sobre os mesmos acontecimentos, o que resulta numa desafiante odisseia interpretativa para o espetador, aliada a um deslumbrante e arrebatador festim de cores e emoções.

Há dois mil anos (...) a China estava dividida em sete reinos. Durante anos bateram-se pela supremacia enquanto os seus povos sofriam. O mais temível no desejo de conquistar terras e de tudo unificar debaixo dos céus era o rei Qin. Era visto pelos outros seis reinos como um inimigo comum. Os anais da história chinesa abundam de narrativas sobre assassinos enviados para matar o grande rei. Eis uma dessas lendas...

O protagonista Sem Nome, interpretado por um frio Jet Li - o anonimato não deixa de possuir uma forte carga simbólica - tem a honra de ser recebido pelo rei Qin (Daoming Chen), a uns escassos dez passos, para a entrega das espadas de Céu (Donnie Yen), Neve Esvoaçante (Maggie Cheung) e Espada Partida (Tony Leung Chiu Wai), os três assassinos mais procurados e com a cabeça a prémio, até então jamais apanhados, desde uma tentativa passada e falhada de regicídio. A oferta das espadas significa que Sem Nome os derrotou, apesar da sua fama de invencíveis. O rei anseia agora tomar conhecimento da sua versão dos acontecimentos. Mas a história que o herói lhe conta é tão inverosímil que o rei jamais acreditaria no seu conto. Eis que sua majestade o confronta, com uma possível versão mais plausível. E como não há duas sem três, Sem Nome acaba por contar uma terceira versão, menos fantástica e muito mais fiel à realidade. O filme consiste na audiência real e na contraposição/esgrima de argumentos e perspetivas. A palavra como arma. É fascinante acompanhar a retórica de cada um e o desvendar do mistério. No final, até a chama das velas aponta para a verdade. A identidade do herói é afinal outra e não passou tudo de um plano para tentar assassinar Qin de uma vez por todas. Curioso que o significado do caracter, a vigésima forma de escrever espada, apele à diplomacia para a resolução do conflito, à paz pela palavra e que por ela se reja a honra dos heróis e dos grandes Homens. É a demanda de Sem Nome que acaba por desencadear o nascimento do império e a sua filosofia.

O genial trabalho de cinematografia de Christopher Doyle, em constante harmonia com a paisagem ou a cenografia (Tingxiao Huo, Zhenzhou Yi), transcende-nos em absoluto. Vermelho, azul, branco, verde... o jogo de tonalidades resulta magistralmente na diferenciação das várias linhas diegéticas. Também no guarda-roupa o arrojo é notável e cooperante com esta estética colorida e maravilhosa. A banda sonora de Tan Dun, profundamente espirituosa, perpetua o encantamento e os efeitos especiais (quase impercetíveis de tão sofisticados) aliam-se à criatividade mágica da obra. Confluem-se, subtilmente, com a estética das lutas e das fabulosas sequências de acção. Os comoventes desempenhos de Maggie Cheung, Tony Leung Chiu Wai ou Daoming Chen sobressaem e dão vida e alma à lenda. Cenas memoráveis? Inúmeras e já antológicas: a luta entre Sem Nome e Céu, entre os pingos da chuva. O ataque do exército real à escola de caligrafia. O confronto enraivecido entre Lua (Zhang Ziyi) e Neve Esvoaçante; ambas de vermelho, qual bailado, entre as folhas caídas e douradas. O duelo entre o herói e Espada Partida sobre o lago. A cada golpe de espada não há violência, apenas lirismo. Cada plano, cada enquadramento, ousa tocar o divino. É como pintura em movimento. Que mais poderíamos pedir de uma obra de arte?

Zhang Yimou, apaixonado e inspiradíssimo, filma com o maior sentido de espetacularidade e extravagância. Herói impõe-se, pois, como um colossal exemplo de perfecionismo e megalomania. Mas Yimou jamais se perde nos excessos: Herói é, afinal, um filme profundamente intimista e um exercício de extrema sensibilidade na forma como jamais descura a dimensão e as relações das suas personagens. É ainda meditativo e contemplativo quanto baste. Enfim, uma obra-prima delirante e incontornável. Dá a sensação que a perfeição existe, a cada instante imperdível.

28 comentários:

  1. Coincidência, não?! Sabe que eu acho o filme espetacular. Tanto em termos de texto, quanto em termos visuais e sonoros.

    Asb!

    ResponderEliminar
  2. "Herói" é um marco da história do cinema técnico...

    ResponderEliminar
  3. Tenho o filme porque comprei o Público no Sábado passado. Mas ainda não o vi. Por acaso não +pensei que pudesse ser tão bom, apesar de já ter lido excelentes críticas. Mas terei que lhe dar uma oportunidade sendo assim.

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Kau Oliveira,

    É, primeiro estranha-se, depois entranha-se... e às tantas não reconhecer a originalidade da obra é ofensa. Grande filme, sim!

    Cumps.


    Juliano Jacob,

    Signifique «cinema técnico» o que significar, estou de acordo contigo: "Herói" é um marco da história do cinema. E que marco.

    Cumps.


    Fifeco,

    Pois, eu não o comprei com esse jornal, mas já soube entretanto que o obtive graças a essa promoção. Os filmes da LNK estão a preços tão reduzidos, sobretudo no Hipermercado do Elefante, que chega a ser falta de respeito para todos aqueles que, como eu, chegaram a comprar os filmes a 19, 20€. Quando ainda não os comprei, reconheço, sabe muuuuito bem.
    Aparte isto, tenho-te a dizer o mesmo que disse ao Kau. Para ver HERÓI é preciso ter um espírito aberto. Primeiro, há que nos desocidentalizarmos. Depois abrir bem os olhos e ver o que lá está e não o que parece lá estar (senão, o filme será como tantos dizem, artificial). Open the mind for imagination... =P
    «primeiro estranha-se, depois entranha-se... e às tantas não reconhecer a originalidade da obra é ofensa» =P

    Espero que gostes. Bom filme!

    Cumps.

    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  5. Tal como o Fifeco respondeu, tenho esse DVD aqui para ver, depois de ter saído no Público de Sábado.

    ResponderEliminar
  6. Pois, é compreensível mas sabe sempre bem comprar filmes a bons preços. Há que tornar a cultura mais acessível.

    Quanto ao filme, dar-lhe-ei uma oportunidade e esperarei que o filme se entranhe sendo assim.

    Abc

    ResponderEliminar
  7. Não acho o filme assim tão bom, comparado com "A Tríade de Xangai" e o "Viver"(para mim um dos melhores filmes chineses de sempre).
    É bom mas não tanto assim...mas também só o vi uma vez...

    Abraços

    ResponderEliminar
  8. É só um dos melhores filmes de sempre! fabuloso, as cores, o tempo, a fotgrafia, o argumento..

    belo! isso sim!

    ResponderEliminar
  9. TIAGO RAMOS: Vê então o filme... É deslumbrante em todos os sentidos. Arte pura.

    FIFECO: Sim, sem dúvida. Há que torná-la acessível. Vais gostar certamente.

    ÁLVARO MARTINS: De uma coisa não tenho dúvidas. É um excelente filme. Esses filmes, ainda não os vi. Espero ter uma oportunidade futuramente.

    JOÃO: Sim, definitivamente! Sem sombra de toda e qualquer dúvida: um dos melhores de sempre.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  10. Desde a nossa última conversa aqui neste estaminé acabei mesmo por visualizar o filme. E devo dizer que me surpreendeu... bastante mesmo. Visualmente é arrebatador e o argumento não fica nada atrás da perfeição da realização e das interpretações. Um must-see sem dúvida alguma.

    Abraço

    ResponderEliminar
  11. Só tenho uma palavra. EXCELENTE!!! Em todos os sentidos. Narrativa, história, estética, realização, música. Tem todos os elementos que me cativam e é sem dúvida um dos melhores filmes do género. Um dos meus filmes favoritos

    ResponderEliminar
  12. FIFECO: Como disse na crítica: "um dos melhores e mais belos filmes de sempre". Há por ali perfeição para dar e vender ;)

    CLÁUDIA GAMEIRO: Também um dos meus. Arrebatador, em absoluto!

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  13. Devo confessar que há muito me estranhava a nota que desses para esta película. Porém, hoje ao acabar de visuliazar, dei-me conta que realmente o havia subestimado, o que por um lado é bom. Sim, como é bom ser totalmente surpreendido positivamente com um filme, ainda mais por uma obra-prima destas. Ele superou minhas expectativas em todos os sentidos. O primeiro parágrafo da sua resenha diz tudo: "...eis que a arte e o cinema oriental atingem o seu máximo esplendor... Herói não é senão uma absoluta obra-prima: um mágico, fascinante e arrebatador delírio visual e um visceral poema das mais humanas emoções."

    Sem mais.
    Parabéns!!

    Abraços!!

    ResponderEliminar
  14. RAFHAEL VAZ: Muito obrigado! É um prazer poder contribuir para que mais cinéfilos descubram obras-primas como esta!

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  15. Vi este há muito tempo. As coreografias são excelentes, claro. É uma arte que os chineses andam a desenvolver há muitos anos.

    Não quero ser chato com a minha tara pelo chamado cinema de m****, mas existe filmes muito interessantes feitos com orçamentos miseráveis.

    O Tarantino que até usou esta matéria-prima nos seus Kill Bill, divulgou uma lista de coisas "grindouse" que admira, alguns são desta, digamos, pancadaria (Master of the Flying Guillotine, etc). Recomendo uma olhadela no link:

    http://www.grindhousedatabase.com/index.php/Quentin_Tarantino%27s_Top_20_Grindhouse_Classics

    Espero que um dia dediques algumas palavras a estas pérolas...

    ResponderEliminar
  16. PEDRO PEREIRA: Fá-lo-ei, quando muito não seja em tua homenagem e pelo teu intenso contributo a este espaço. Admito que, pessoalmente e comigo mesmo, tenho algum preconceito em relação à denominada "série B", mas o preconceito só existe dada a minha profunda ignorância na matéria. Admito que possam existir obras extraordinárias.

    Quanto a HERÓI, sou um pouco mais entusiasmado, pelo que percebo. Mas estamos os dois de acordo no essencial.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  17. Uma obra-prima, evidentemente.

    Descobri-o muito devido à tua crítica ;)

    É uma pérola à espera de ser descoberta por muito boa gente!

    Abraço

    ResponderEliminar
  18. Lembro de quando vi esse aí no cinema. Estética sublime. Em matéria de história, porém, prefiro "O Clã das Adagas Voadoras".

    ResponderEliminar
  19. JACKIE BROWN: Estamos então totalmente de acordo. E que belíssima obra-prima.

    WALLY: Sublime mesmo. Esse outro filme de Yimou que refere, em Portugal O SEGREDO DOS PUNHAIS VOADORES, é também um grande filme, bem distinto. Pessoalmente, prefiro HERÓI.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - Há 2 Anos na Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  20. Não sabia desta "magnitude" toda. Para mim "Herói" era apenas um filme sobre luta oriental, por isso nunca dei a devida atenção, mas depois de conferir a sua crítica e ver as imagens, fiquei bem curioso em conferir!!!

    Abs.

    ResponderEliminar
  21. ALAN RASPANTE: Acredite, Alan, é mesmo um filme eterno, deslumbrante a cada frame e absolutamente imperdível.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - Há 2 Anos na Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  22. Em português brasileiro:

    "Quem diria que Espada Quebrada, uma pessoa que mal conheci, pôde ver o que há de verdade em meu coração"

    Heroi é o meu vice-campeão de todos os tempos. Não há uma única tomada feia neste filme que sempre me emociona.

    ResponderEliminar
  23. ENALDO: É tão belo que me transcende a cada visualização.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  24. Finalmente vi este filme :).. e que filmaço!
    "A MAGIA DE CONTAR UMA HISTÓRIA" eu não diria melhor, é mesmo uma experiência única poder assistir a este HERÓI.
    Visualmente e tecnicamente impressionante, argumento muito bom e realização excelente. Realço sobretudo as interpretações, muito emocionantes e contagiantes. Uma última nota especial para a banda sonora que assenta que nem uma luva.
    Do Zhang Yimou é o 1º filme que vejo, mais virão brevemente :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  25. De acordo (contigo e ali com o Pedro :)), um grande filme, ou melhor um enOrme filme, daqueles que primam em tudo, desde a banda sonora à fotografia, desde as interpretações à realização (assombrosa). Para mim contudo o que mais se destacará será sempre o argumento, à la Rashomon de facto, mas que sabe ir beber ao clássico de Kurosawa com inteligência, intrincada imaginação e puro sentido estético. É pois em tudo e mais alguma coisa um exercício excelente e um pedaço de cinema ímpar. Não tenho como lhe resistir em toda a sua poesia e emocionante narrativa.

    abraço

    ResponderEliminar
  26. PEDRO D. M. TEIXEIRA e JORGE: Palavras para quê?

    Roberto Simões
    » CINEROAD «

    ResponderEliminar
  27. Seu texto consegue exprimir uma sensação que tive enquanto assistia a esse filme - "isso é uma obra de arte" -, mas que não consegui colocar em palavras em forma de texto. Yimou é dos mais valiosos tesouros da China em termos de cinema.

    ResponderEliminar
  28. MULHOLLANDCINELOG: Sem dúvida, para além do mais é dos cineastas chineses mais internacionalizados. Realizador de filmes belíssimos.

    Roberto Simões
    CINEROAD.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões