quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

A VIDA É BELA (1997)

PONTUAÇÃO: EXCELENTE
★★★★★ 
Título Original: La Vita è Bella
Realização: Roberto Benigni
Principais Atores: Roberto Benigni, Nicoletta Braschi, Giustino Durano, Giorgio Cantarini, Marisa Paredes, Horst Buchholz, Lidia Alfonsi, Giuliana Lojodice, Amerigo Fontani, Pietro De Silva, Francesco Guzzo, Raffaella Lebboroni

Crítica:

UMA TRAGICOMÉDIA EM DOIS ACTOS

 Buongiorno, Principessa!

Vislumbramos a perfeição, às vezes, na genuína representação de humanidade... e isso não é fácil, na arte. Em A Vida é Bela encontramo-la - com aparente simplicidade - tanto na comédia como na tragédia e é isso que é comovente. Este encantatório filme de Roberto Benigni - que em 1997 polarizou as atenções do mundo, uma vez mais, para o cinema italiano - pode não ser um exercício do maior dos formalismos - tão-pouco almeja a irreverência do cinema independente - mas encontra na sua graciosidade, espontaneidade e despretensiosismo - diria mesmo, na sua pureza e desarmante infantilidade - a sua absoluta singularidade e a capacidade inequívoca de despertar no espetador as mais sentidas e verdadeiras emoções. Não é fácil, também e da mesma forma, por isso, encontrar alguém, com o mínimo de humanidade, que não goste de A Vida é Bela.

Guido Orefice (imortal e, em tantos aspetos, autobiográfico papel de Roberto Benigni) é um infantil, divertido e excêntrico homem comum; qual clown, exagerado nos trejeitos e na eloquência, larger than life itself. Apesar da sua existência enfática, é humilde, é um bom homem. E é judeu, como nos viremos a aperceber mais adiante, o que, na Itália fascista do final dos anos 30 do século XX, à beira da guerra, não lhe augurará um promissor destino, pelo contrário. Benigni começa pela comédia e pela sátira: de Chaplin a Fellini, a herança é clara. A espirituosa e aclamada composição musical de Nicola Piovani acompanha a ação desde o primeiro instante e potencia os cómicos de situação e de personagem. Guido atrai as situações mais caricatas, mas também manipula as circunstâncias por forma a alcançar o humor picaresco (por meio da hiper-lucidez, nomeadamente, tão característica dos humoristas). E é neste contexto que se inicia a história de amor. Numa viagem ao campo, Dora (Nicoletta Braschi, mulher de Benigni na vida real) salta de um pombal e cai-lhe nos braços, sobre a palha. Buongiorno, Principessa! Guido fantasia, cheio de graça, e, na sua inocência, encanta. Mais tarde, já na cidade e inesperadamente, cai da bicicleta em fuga para os braços de Dora... sinal do destino. Buongiorno, Principessa! Depois, os acasos acabam. Daí em diante, embora continue a fabricá-los aos olhos de Dora, o romântico encontrar-se-á com a professora, uma e outra vez, porque potencia esses encontros... e a magia acontece. Guido sequestra-a da ópera num automóvel que não tardará a ficar descapotável e pleno de chuva. Uma demorada passadeira vermelha desenrola-se escadaria abaixo para a sua bela princesa passar. Montado baile adentro num cavalo verde, salva-a do seu não-pretendido noivo e leva-a até casa do tio, onde poderão viver felizes para sempre. Ou poderiam, não fosse a elipse e a assombrada mudança de resgisto que se seguem. 

Cinco anos depois, saem para a rua, a câmera não se move. A fábula chegou ao fim (ou não) e a história tornou-se mais imprevisível do que nunca. Séria e profundamente trágica, apesar do humor, ou sobretudo pela sua resistência. Têm um filho, Josué (adorável Giorgio Cantarini, em todas as suas expressões faciais), que bate o pé para não tomar banho (ironicamente, tal atitude salvá-lo-á mais tarde das câmaras de gás). Os três passeiam pela cidade de bicicleta, são felizes. Têm a livraria com que Guido sempre sonhou. É dia de aniversário da criança, mas... por serem judeus, Guido, o tio e o filho são inesperadamente levados para o campo de concentração, pelos alemães. Dora convence os alemães a meterem-na no mesmo comboio, para o mesmo destino. O resto do filme, é a sobrevivência no campo de concentração. Para evitar que Josué descubra a cruel realidade para que foi levado, Guido fantasia que estão num jogo: quem atingir primeiro mil pontos ganha e recebe um tanque de guerra verdadeiro. Encobrir a verdade, embelezando-a, torna-se uma mentira necessária, determinante para salvar aquela inocente criança e livrá-la, tão cedo quanto possível, do inevitável e monstruoso trauma do holocausto nazi. Espera-os a fome, o trabalho forçado, o cheiro da morte. Alimentar a esperança a este nível é absolutamente desarmante, perante tão terríveis circunstâncias. Mas que pai, que coragem... 

A Vida é Bela é um filme de atores e que ascende a um patamar superior por força do seu arrojado argumento, contudo não há qualquer desmérito por parte da fotografia (Tonino Delli Colli), da montagem (Simona Paggi) ou da cenografia (Danilo Donati, Luigi Urbani); esta última, aliás, notável. Uma última nota para a personagem Dr. Lessing (Horst Buchholz), o médico que Guido servia no restaurante do tio ainda antes da guerra, com o qual ganhamos simpatia pelo seu amor às adivinhas e aparente bondade e que muitos afirmam ajudar Guido e o filho quando estes estão no campo de concentração. Se ajudar Guido e o filho é levá-los a jantar com o inimigo, não creio que tenha sido grande ajuda. No fim acaba por não ajudá-los em nada, ignora-os e dá prioridade às adivinhas: mostra-se egoísta, insensível e tão desprezível como todos os outros militares do hediondo lugar. Que podia ele fazer? Talvez nada, ou ainda se arriscava a ser fuzilado como traidor dos nazis, mas termina - quem sabe se por cobardia - por trair Guido. Quer é saber a resposta à adivinha. Torna-se, na minha opinião, a personagem mais detestável de todas, à altura do Mal quase invisível que dita a morte aos injustiçados.

A Vida é Bela chega-nos, pois, como um acontecimento assustadoramente revoltante e arrepiante, capaz de nos desfazer a nós, espetadores, em lágrimas. É um filme derradeiramente apaixonante e inesquecível, tal é a sua poderosa e arrebatadora lição de otimismo e, por meio dela, o seu inspirador hino à vida; o título não é em vão, não é apenas ironia. Há como acabarmos de assistir a um filme deste calibre e, indiferentes, não repensarmos, reavaliarmos ou relativizarmos toda a nossa existência? Há, naturalmente, mais realismo n'A Lista de Schindler ou n'O Pianista. São visões e conceitos artísticos distintos e complementam-se no entendimento deste período negro na História da Humanidade.

Um irresistível triunfo cinematográfico.

7 comentários:

  1. Vi este filme há uns 15 dias, encontrei-o em promoção no jumbo a 1,59€ :-p já me tinham aconselhado a vê-lo, mas surpreendeu as minhas expectativas.Considerei verdadeiramente tocante, começa por retratar um lado mais "cómico" passando para um lado dramático. É incrível como aquele pai conseguiu tornar aquele terror, que possivelmente deixaria traumas naquela criança, num jogo divertido que tinha regras e que no fim até tinha um prémio. Claro que só em filmes... mas não deixa de passar uma mensagem muito importante...

    ResponderEliminar
  2. Grande filme, sem dúvida, é dos tais que quando acabamos de ver não nos sai da cabeça...perdura e perdura e perdura nos dias seguintes, sempre com as badaladas da excelente banda sonora a ecoarem no espírito de tal forma que encaramos a vida com outros olhos! É uma lição de vida que oferece educação, cultura, conhecimento e emoção, tão necessárias nos dias de hoje. Por isso deve ser um veículo de transmissão capaz de chegar a todo o lado, porque qualquer pessoa devia ver esta obra ou pelo menos arte e conhecimento deste género, porque Arte é também isso, um meio de nos educar e aproximar!!

    A cena final é arrebatadora, o que me leva a pensar que com meia dúzia de técnicas (como a imagem a parar e a música surgindo imponente) se consegue uma grande cena, um enorme filme, e uma obra eterna.

    Este filme faz-me lembrar algumas obras do Clint Eastwood, lineares, tocantes, bem contadas, que dentro do tema e do objectivo a alcançar ultrapassam-no simplesmente...não são épicos de fazer tremer toda uma plateia, mas são histórias de fazer tremer o mais insensível coração!

    abraço

    ResponderEliminar
  3. Dos meus filmes favoritos. Absolutamente delicioso e muito comovente. Roberto Benigni é um grande senhor do cinema, pena que nunca mais se tenha lembrado de voltar a realizar. Fez o Tigre e a Neve aqui há uns anos, mas é inferior.

    abraço

    ResponderEliminar
  4. ANA (MESSINES): Sim, é uma história belíssima e tocante, com uma mensagem deveras importante. Fizeste bem em adquiri-lo, é um clássico instantâneo ;)

    JORGE: "Delicioso" e "arrebatador" - nesses dois adjectivos que utilizaste, entre a excelência dos teus comentários, reside aquilo que verdadeiramente resume esta obra. Um filme mais do que imperdível: obrigatório!

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD – A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  5. Que dizer mais? Por agora, um dos filmes da minha vida. Grande experiência e grande crítica.

    Cumprimentos,
    Jorge Teixeira
    Caminho Largo

    ResponderEliminar
  6. Um filme extraordinário. Roberto Benigni fez uma trabalho genial enquanto ator e realizador. Para mim, este é o melhor filme sobre os campos de concentração nazis.

    ResponderEliminar
  7. JORGE TEIXEIRA: Obrigado. Compreendo que o seja, possibilita uma grande e memorável experiência emocional.

    EMANUEL NETO: Para mim continua a ser A LISTA DE SCHINDLER, mas a perspetiva deste é efetivamente extraordinária. Estamos de acordo.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD.blogspot.pt

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões