domingo, 20 de junho de 2010

DR. ESTRANHO AMOR (1964)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb
Realização: Stanley Kubrick
Principais Actores: Peter Sellers, George C. Scott, Sterling Hayden, James Earl Jones

Crítica:


A IRONIA DA GUERRA


One of our base commanders, he had a sort of... well, he went a little funny in the head... you know... just a little... funny.

Dr. Estranho Amor
é ambíguo no título e no subtítulo (Ou: Como Aprender A Deixar De Me Preocupar E A Amar A Bomba) e é ambíguo no retrato que faz da condição humana. Explora, por um lado, o absurdo e ridículo da guerra, da política e da diplomacia inócuas e as consequências inesperadas mas sempre possíveis da loucura, da paranóia e do medo de um mundo à beira do desastre e por demais perdido no caos da ameaça nuclear. Por outro lado, o filme metaforiza - e é nesse estilo que ganha contornos globais e intemporais.

A obra exemplifica como a guerra pode servir e alimentar os propósitos individuais dos poderosos. Aqueles políticos da Grande Sala são os estrategas dos destinos do mundo, ocupados com o jogo da Guerra, como se este não passasse de uma competitiva corrida de testosterona, onde a "bomba no alvo" é algo bem explícito e desprovido de metáforas; como se a Guerra fosse um mal pelo qual se acaba por desenvolver um autêntico Estranho Amor, do qual se extrai múltiplas vantagens pessoais. Note-se a personagem de George C. Scott (aqui num desempenho de overacting formidável) que tanto se empenha em evitar o conflito e que, por fim, se sente seduzido pela bomba e pelos seus hipotéticos proveitos sexuais. A personagem Dr. Estranho Amor é, das três versáteis e extraordinárias interpretações do genial Peter Sellers, a que simboliza melhor, muito provavelmente, toda a ambiguidade do filme: faz parte do conselho de guerra, aparentemente inofensivo, e, no entanto, trata-se de um lunático e reprimido nazi, sinistro e maquiavélico, mestre de bombas, com as ideias mais avassaladoras, monstruosas e perigosas, ainda que fisicamente impotente e aprisionado numa cadeira de rodas.

De um humor negro e corrosivo, Dr. Estranho Amor impõe-se politicamente satírico e provocador e implicitamente tão sexual: desde os unusuais créditos iniciais até ao seu desfecho apocalíptico. E se pelo título e subtítulo já é sugestivo que baste, por meio do seu perpicaz, audacioso e muito bem escrito argumento (já para não falar da genialidade do art concept dos cenários ou da sublime e paradoxal utilização da banda sonora), Stanley Kubrick concebe aquela que é, para mim e indiscutivelmente, uma das melhores comédias de sempre.

14 comentários:

  1. Tenho o DVD, mas não vi. No aguardo da crítica.

    ResponderEliminar
  2. Grande filmes mesmo Peter selleck principalmente está otimo.

    Poxa que pena n~]ao ter acesso aos filmes daqui, bom o jeito pode ser baixar na net então rss pode achar coisas interessantes.

    ABraço!!!

    ResponderEliminar
  3. Oi, tudo bem? Muito maneiro seu blog, gostei mesmo do visual, caprichado. E quanto a crítica desse filme que você ainda fazer rs.. nao vi ao filme, vou aguardar sua crítica :D abr

    ResponderEliminar
  4. Pois O Casamento de Rachel vale a pena hehe . Pode parecer um pouco alternativo , mas eu pelo menos gosto . Este Dr. Estranho Amor ainda não vi .

    Abraços .

    ResponderEliminar
  5. Olá Filipe

    Não vi e nem conhecia esse> mas valeu pela dica, ficarei aguardando a crítica.

    Abraços e até mais.

    ResponderEliminar
  6. Grande atuação de George C. Scott, mas não é o melhor Kubrick.

    ResponderEliminar
  7. Basicamente venero a interpretação de George C. Scott, ainda mais do que qualquer uma de Sellers. Contudo, o seu general nazi a cargo do presidente dos EUA é fenomenal.

    Quanto ao filme em si, fico-me pelas quatro estrelas.

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. ALEX GONÇALVES: A crítica já está, pois, disponível. Vê o filme, que é extraordinário, aconselho vivamente.

    ÁLVARO MARTINS: Sem dúvida.

    YGOR MORETTI FIORANTE: Peter Sellers é um "tour de force" daqueles!... No Brasil não têm o filme disponível em DVD ou Blu-Ray?

    THIAGO MB: Muito obrigado, bem-vindo então. A crítica já está disponível, conto com o seu regresso, volte sempre!

    GABRIEL VON BORELL e ALTIERES BRUNO MACHADO JUNIOR: Aconselho vivamente este filme. É profundamente interessante e deveras hilariante.

    GUSTAVO H.R.: Sim, grande actuação de George C. Scott. E de Peter Sellers. Não é o Kubrick da maior genialidade, mas é o Kubrick do mais corajoso e irreverente, como em Laranja Mecânica.

    FIFECO: Sim, e o papel de Dr. Estranho Amor também não lhe fica atrás, num "overacting" portentoso. É um filme muito bom, que cumpre todos os seus objectivos (como disse, profundamente interessante e deveras hilariante) não tenho como não lhe dar as 5 estrelas.

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  9. Esse do Kubrick é o único que eu ainda não vi da filmografia completa dele. É uma grande gafe que eu preciso corrigir imediatamente. E Peter Sellers, definitivamente, era o cara.

    Cultura? O lugar é aqui:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderEliminar
  10. Um filme que me marcou tanto, que o meu nick é uma homenagem sensacional a esse incrivel filme.

    Só Kubrick tem a capacidade de fazer todos a rir em um momento de crise de guerra. ironico e inesquecivel. Um filme que só cresce quando é visto e revisto.

    Abraços, tó devendo por aqui ... ehehe abraços

    ResponderEliminar
  11. PSEUDO-AUTOR: Sério? Vai apreciar imenso, certamente. É hilariante e genial. Tem com cada cena memorável...

    DR JOHNNY STRANGELOVE: Compreendo o fascínio. É uma das minhas obras favoritas de Kubrick. Mas também para mim qualquer dos filmes que conheço dele são dos meus preferidos ;D

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  12. Mais um filme de Kubrick que vejo e mais um que não me enche as medidas. Gostei, até se pode dizer em algumas alturas muito. O que acontece é que ainda não existe um filme do realizador que adoro e que entre num top 10, 15 ou até 20.

    De qualquer modo este é um belíssimo filme, com fotografia a preto e branco e uma montagem de realçar, assim como o argumento - perspicaz, crítico, satírico e muito hilariante. Entretém bastante também e aí ganha muito. Agora o que de facto me salta à vista aqui são as interpretações, especialmente as de Peter Sellers e George C. Scott - verdadeiramente assombrosas, nem tenho palavras. Carregam e sustentam a narrativa.

    A banda sonora também se destaca, gostei. Em suma é um grande filme que só não entra no meu preferido do realizador porque existe The Shining e Full Metal Jacket.

    Também já vi Paths of Glory e The Killing e gostei, apesar de achar serem inferiores a este. Mas filmes a aconselhar indubitavelmente.

    abraço

    ResponderEliminar
  13. JORGE: Torno a dizer: "primeiro estranha-se, depois entranha-se". Também me aconteceu isso no meu primeiro contacto com Kubrick. Mas o cineasta é extraotdinário e genial de mais para nos deslumbrarmos logo à primeira.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões