sábado, 13 de setembro de 2008

FILADÉLFIA (1993)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Philadelphia
Realização: Jonathan Demme
Principais Actores: Tom Hanks, Denzel Washington, Antonio Banderas, Joanne Woodward, Jason Robards, Robert Ridgely, Mary Steenburgen

Crítica: Tom Hanks tem aqui uma interpretação excelente; para mim, uma das melhores interpretações de sempre. A sua performance é assombrosa. Alguns dos efeitos de transição de cenas são, porém, imperdoáveis. Os planos aproximados ou com olhar directo sobre a câmara da realização de Jonathan Demme estão triunfais. O argumento de Ron Nyswaner é prodigioso, muito bem escrito, e, aliado à tocante e envolvente banda sonora de Howard Shore (trilogia O Senhor dos Anéis), faz deste filme um acontecimento subtilmente deslumbrante. E marcante. 

4 comentários:

  1. De acordo, um filme que por si só vem provar o talento de Jonathan Demme, que não é pouco. O trabalho do senhor com a câmara faz lembrar a espaços a criatividade de PT Anderson, ainda que de forma diferente. Tem por isso, este Filadélfia, uma grande realização na minha opinião, e o que mais se destaca em toda a película. Ainda de realçar também a enorme interpretação de Tom Hanks, porventura a sua melhor, superior mesmo à de Forrest Gump.

    abraço

    ResponderEliminar
  2. JORGE: Jamais poderei equipar Demme a P.T. Anderson, nem por sombras. Demme fez alguns bons filmes, outros tantos muito bons como este, mas nunca ao nível do génio como um P.T. Anderson, no meu entender. Hanks tem aqui uma das suas melhores performances (excelente actor, nos gloriosos (para ele) anos 90). Um filme de grande sensibilidade, sobretudo aquela cena em que Hanks escuta, em tons de vermelho, a ópera. Arrepiante.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  3. Estava mais a comparar do que a equiparar, e sim concordo que PT Anderson é de longe mais criativo e melhor na cadeira de realizador que Demme, pelo menos os seus filmes assim o comprovam. Demme tem é a espaços e filmes no meu entender que fazem lembrar o Anderson, na medida em que executa cenas de câmara à mão ou travellings brilhantes também. Mas foi apenas uma nota.

    abraço

    ResponderEliminar
  4. JORGE: Porventura. Não vejo, contudo, grande pertinência na comparação ;)

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões