quarta-feira, 19 de maio de 2010

QUEM QUER SER BILIONÁRIO? (2008)

PONTUAÇÃO: BOM
Título Original: Slumdog Millionaire
Realização: Danny Boyle, Loveleen Tandan

Principais Actores: Dev Patel, Anil Kapoor, Saurabh Shukla, Rajendranath Zutshi, Freida Pinto, Irrfan Khan, Azharuddin Mohammed Ismail, Ayush Mahesh Khedekar, Rubiana Ali, Madhur Mittal, Sunil Kumar Agrawal

Crítica:

O DESTINO
DE UM MOSQUETEIRO

When somebody asks me a question,
I tell them the answer.

Slumdog Millionaire é um filme sensacional, de uma energia pujante, contagiante e mágica. É sobre a Índia em transformação. De entre os lamacentos bairros de lata erguem-se, hoje, imponentes prédios que arranham os ceús e acentuam os contrastes de um país multifacetado em todas as suas cores e culturas. Da miséria profunda à potência emergente, há todo um reflexo de um país que se espelha - claramente - no percurso pessoal de Jamal Malik. Afinal, quem diria que o menino que consegue o autógrafo de Amitabh Bachchan, imundo dos pés à cabeça, conseguiria vencer 20 milhões de rupias, tornar-se multi-milionário e cair nas bençãos da fama? D) It is written. O verdadeiro tema de Slumdog Millionaire - mais do que qualquer leitura sobre a Índia ou Bollywood - é, pois, o destino. A sorte.

Danny Boyle (com o apoio de Loveleen Tandan) filma aquilo que podemos chamar uma autêntica explosão de alegria e de energias positivas. A obra aborda temas sérios, é certo, mas fá-lo sempre com uma ligeireza muito particular, cheia de esperança e romantismo. Não é difícil, por isso, evadirmo-nos da nossa própria realidade e escaparmo-nos nesta aventura de sonho, onde nos sentimos confortáveis nas mãos do destino, antevendo um happy ending, bigger than life. Eis o que explica, em grande parte, o sucesso à escala global de um filme como Slumdog Millionaire e, da mesma forma, um concurso como Quem Quer Ser Milionário? - It's the chance to escape, isn't it? Walk into another life. Doesn't everyone want that? Na verdade, poder-se-á dizer que Slumdog Millionaire é tão sensacional quanto sensacionalista. E não há nenhum mal nisso. Fá-lo deliberadamente e é essa a sua voz de afirmação. Afinal, explora a mesma fórmula que os programas televisivos, na conquista pelas audiências... Envolve o espectador, possibilita-lhe infindáveis momentos de boa disposição e apela ao derradeiro poder das emoções. Não importa que a proposta do argumento seja absolutamente idílica. Porque não deixarmo-nos levar?

Aparte uma ou outra performance menos bem conseguida (refiro-me, inevitavelmente, a Freida Pinto, Rubina Ali ou Tanvi Ganesh Lonkar) ou, a meu ver, a ausência total de química na relação amorosa entre Jamal e Latika, é certo que estamos perante um filme irrepreensivelmente bem feito, aceite que está a sua natureza. O argumento desenvolve-se em três linhas narrativas (1. O interrogatório policial; 2. O programa de televisão; 3. Os flashbacks.) e constrói-se na alternância entre todas elas. A fotografia de Anthony Dod Mantle é visualmente arrebatadora, com enquadramentos radicalmente inesperados, a montagem de Chris Dickens é verdadeiramente prodigiosa e a banda sonora de A. R. Rahman extraordinariamente vibrante e extasiante. Que nem as suas várias canções. No elenco destacam-se Dev Patel, Anil Kapoor, Irrfan Khan ou o pequeno e encantador Ayush Mahesh Khedekar.

A cena dos créditos finais, que tantos repudiam e consideram ridícula, não é senão o espelho de todo o espírito do filme: descontraído, divertido e cheio de vida. Populista, à la Bollywood. Por tudo isto, Slumdog Millionaire tem o candor de nos fazer sonhar a vida como uma celebração. Basta deixarmo-nos levar. E como sabe bem, de vez em quando, não levarmos as coisas demasiado a sério.

____________________________________________
Nota especial para a infeliz escolha do título português.

18 comentários:

  1. Honestamente, quanto a mim, sobrevalorizado.
    Mas tenho de o rever para cimentar a minha opinião.

    ResponderEliminar
  2. A mim só me vem à cabeça: rídiculo. O argumento, os prémios, a sobrevalorização... Só mesmo a realização (nomeadamente a fotográfica) é que saiem da abragente medíocridade de Slumdog Millionaire.

    ResponderEliminar
  3. Acho que sabes a minha opinião quanto a este filme extremamente sobrevalorizado!

    Não o acho medíocre mas os seus prémios apenas serviram para desviar atenções quanto a Hollywood negar Bollywood!

    Tanto Benjamin Button como Milk são obras superiores!

    Abraço
    http://nekascw.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  4. Muito ligeiro e caótico, mas cativante mesmo assim. A música é ótima.

    ResponderEliminar
  5. Boa banda sonora, uma fotografia a assinalar, uma realização interessante, uma tentativa de chegar ao público de Bollywood. Bollywood não o recebeu muito bem, ao contrário do que se pensa, e houve quem quisesse impedir a sua entrada. Será um filme que ficará assinalado na história do cinema, mas sem grande pompa e facilmente esquecido. Não sei quanto a vocês, mas o Anil Kapoor irrita-me sobremaneira. E vê-lo no 24 não tem ajudado...

    ResponderEliminar
  6. Concordo, em absoluto mesmo, com a tua crítica.

    Abraços

    ResponderEliminar
  7. MARTA: Sim, claramente sobrevalorizado.

    JACKSON: Pois, talvez ;) Contudo, não vejo propriamente mediocridade em SLUMDOG MILLIONAIRE. Se na outra margem haverá sobrevalorização, também creio que nesta haverá subvalorização. De qualquer modo, a realização e a fotografia são absolutamente extraordinárias. Que nem a montagem, por exemplo.

    NEKAS: Tendo a concordar contigo. Foi extremamente sobrevalorizado (o engraçado é que sempre que este fenómeno acontece, surge sempre um movimento contestatário que acaba subvalorizar o título em questão).
    Sim, também considero BENJAMIN BUTTON ou MILK títulos superiores.

    GUSTAVO H.R.: Caótico não será bem o termo, mas estou de acordo. Ligeiro, cativante e com uma magnífica banda sonora.

    CLÁUDIA GAMEIRO: LOL Por acaso o visual do actor neste filme de Danny Boyle também me irrita um bocadinho! ;D Mas estou absolutamente de acordo contigo. Não é filme para ser recordado como as verdadeiras obras-primas que nos surgem de tempos a tempos.

    FLÁVIO GONÇALVES: ;) Fico contente por saber que estamos, uma vez mais, de acordo.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  8. Há qualquer coisa que lhe falta, ao mesmo tempo que nos parece completo. É o dilema entre o experimental e o standard, que acaba por criar a apoteose do consumismo e do telelixo, ao mesmo tempo que luta contra isso. É independente e oportunista ao mesmo tempo.

    ResponderEliminar
  9. Admito rever o filme, mas nunca percebi a sua adoração.

    Eis o que achei:

    - argumento previsível;
    - interpretações banais (ou, pelo menos, mais abaixo do que as pintaram);
    - concretização (mis-en-scene + música) enjoativa, secante.

    Considero-o um mau filme.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  10. TIAGO RAMOS: Penso que entendi mais ou menos o que quiseste dizer. O filme tem de facto esses dois lados, as duas faces da moeda. As conclusões a tirar ficam a cargo de cada um.

    DIOGO F: Quanto ao argumento, nem sempre é previsível (penso que essa caracterização é redutora). Quanto às interpretações estou totalmente de acordo e quanto à mise-en-scène e à música estou em profundo desacordo: não só porque a realização e a fotografia são magistrais como porque a música é um dos pontos altos do filme e a sua interacção com as imagens é delirante, extasiante.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  11. Só o vi por acaso, devido a ter passado nos canais da ZON. Nunca o teria ido buscar ao clube de vídeo ou muito menos comprado.
    Resolução bem acertada a minha, visto tratar-se de um filme menor, devidamente sobrevalorizado pelos estúdios americanos.
    Sinceramente, ó senhores de Hollywood, tem alguma comparação com o "Benjamin Button" do Fincher?

    ResponderEliminar
  12. RATO: Os Óscares são um fenómeno estranho, fazer o quê. Custa-me a acreditar que os membros da Academia não percebam de arte nem de cinema. Valores mais altos (???) se levantaram, certamente.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  13. Gosto desse filme. Acho bem feito. O Patel tem um grande carisma, que acompanho desde a série inglesa Skins. Aqui no Brasil, muito se falou a respeito da semelhança com Cidade de Deus. Ah, o trailer do filme é péssimo. Entrega o final.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  14. MATEUS SOUZA: Também gosto. Está bem feito, sim. Semelhanças com CIDADE DE DEUS tem na verdade poucas, excepto claro aquela câmera brilhante e imparável que filma a pobreza da Índia qual Meirelles nas favelas.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  15. Sim completamente em sintonia mais uma vez. Sobrevalorizado talvez, mas recentemente diria algo subvalorizado também. Fenómeno estranho este, mas recorrente.

    Quanto ao filme destaco a montagem bem feita e emotiva, a banda sonora e a fotografia. De facto as interpretações sabem a pouco, especialmente quando se pedia mais credibilidade, mais emoção, mais química. Ainda assim um filme agradável de ser ver, acima de média na minha opinião.

    abraço

    ResponderEliminar
  16. JORGE: É um fenómeno recorrente, de facto. Às vezes, o fracasso condena um filme. Outras vezes, condena-o o tremendo sucesso, capaz de ofuscar algumas evidências.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  17. Tirando a fotografia vibrante e a montagem energética, não encontro um único ponto positivo. O argumento é completamente desleixado (e na minha opinião, é esse o grande problema do filme. Um filme que assenta na premissa de vermos como é que ele sabe as respostas às perguntas, e depois explorar essa vertente muito mal é meio caminho andado para um falhanço), o romance é muito muitoooo fraco, também. A cereja no topo do bolo é o Dev Patel fazer a mesma expressão durante o filme todo - :| <- Dev Patel.

    ResponderEliminar
  18. NUNO: Sim, o romance é fraco ;D Dev Patel não é um prodígio, mas não creio que comprometa o filme. Não creio que o mesmo assente na premissa que referes; assim sendo, não me identifico com a tua interpretação.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD – A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões