domingo, 31 de janeiro de 2010

CONTROL (2007)

PONTUAÇÃO: BOM
Título Original: Control
Realização
: Anton Corbijn

Principais Actores: Sam Riley, Samantha Morton, Joe Anderson, James Anthony Pearson, Harry Treadaway, Alexandra Maria Lara, Craig Parkinson

Crítica:

Is it everything worthless in the end?

Em Control, o biopic de estrelas de rock encontra a dimensão humana e poética, talvez um pouco como em Last Days - Últimos Dias, de Gus van Sant, mas aqui com a sublimação do fotograma e com uma abordagem melodramática. Sem controlo da existência, da sua própria existência, o jovem Ian Curtis vê a luta entre o coração e a consciência, cada vez mais intensa e sufocante, levá-lo longe demais. E o inspirado filme de Anton Corbijn, ele próprio fotógrafo dos Joy Division (e que assina aqui a sua primeira longa metragem), dá-nos conta desse assustador marasmo - mais do que dramático, profundamente desencantado e melancólico. Love will tear us apart, já dizia a canção... e tinha razão.

Perdido entre a mulher, a amante e o desmoronar da sua vida pessoal, Ian encontra em si, afinal, o eco das palavras de Eliot, lidas por Marlon Brando em Apocalypse Now. Sam Riley interpreta o papel do mítico vocalista dos Joy Division, de tão conturbada passagem entre nós, com assaz competência e verossimilhança. A nível do elenco há ainda por destacar, inevitavelmente, Samantha Morton e Alexandra Maria Lara. Revelam-se, ambas, excelentes escolhas de casting. Tecnicamente, o trabalho de mise-en-scène é notável e contribui decisivamente para o prodígio e assombro da fotografia de Martin Ruhe. Afinal, não há frame que não capte todo o esplendor e beleza de tão magnífica e artística recriação a preto e branco. A realização, não sendo nunca extraordinária, jamais compromete a qualidade ambicionada e claramente alcançada pela obra. Aliás, não tem defeito que se lhe aponte.

Control constitui, por si só, um brilhante exemplo de como fugir à convencionalidade de um biopic... e fazer arte em movimento. E é esse o mérito maior de Anton Corbijn, independentemente de agradar ou não aos fãs da banda. Is it everything worthless in the end? Os próprios fãs, um pouco por todo o mundo e melhor do que ninguém, saberão por certo a resposta.

12 comentários:

  1. Gostei deste filme, não é nada de excepcional mas consegue criar uma atmosfera cinzenta, sufocante. Perde-se um bocado em simbolismos e conjecturas sobre o estado mental do cantor mas no geral consegue ser coerente. A interpretação de Riley é muito boa.
    Tinha-o em divx mas como saiu no Público... ;)

    ResponderEliminar
  2. Eh pá, com a saída do filme no Público parece que tudo se lembrou do Control... :)
    É uma excelente referência a nível técnico e para fãs de Joy Division, mas o argumento é o grande pecado do filme.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. ÁLVARO MARTINS: Estou de acordo. Não é nada de extraordinário, mas a qualidade inegável da obra nunca fica comprometida. Claro, o lançamento do 'Público' é a não perder! ;)

    JACKSON: Eu próprio adquiri o DVD com esse jornal. Não é uma questão de nos lembrarmos ou não de CONTROL. Trata-se, sem dúvida, de uma oportunidade fantástica para conseguir o DVD a um preço simbólico; coisa que muitos não terão conseguido caso o tenham comprado antes e que de outro modo até agora não seria possível ;) É por isso normal que haja mais gente a ver o filme e a falar sobre ele - o que do meu ponto de vista só é positivo.
    Enfim, particularmente com a LNK, todos sabemos das probabilidades que temos de ver os seus DVDs de hoje à venda por tão pouco no dia de amanhã. Ainda ontem comprei O COMBOIO DAS 3 E 10 no hipermercado do elefante a 1,59€...
    Quanto ao filme propriamente dito, tendo a concordar contigo. É excelente a nível técnico. O argumento, vamos lá ver, não é mau... O filme e a história do filme em si é que tem aquela substância e fica limitado por ela.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  4. A música, essa noção maior que a banda nos trouxe pela mão de Ian Curtis. Um filme de teor mais que documental, uma notabilização de um ícone da música e de canções intemporais, muito realçadas pelo preto e branco, que assenta em cada cena como um ponto final contemplativo, a cada frase das letras da banda, numa tortura psicológica e de confissão. Um filme onde o espectador se confronta a sós com Ian Curtis e os seus fantasmas.

    Sou fã de Joy Division e adorei. 4*

    ResponderEliminar
  5. Trouxe-o hj da papelaria... é uma maneira de conseguirmos ver filmes sem gastar rios de dinheiro, e por acaso os filmes do Publico até são filmes bem interesantes.
    Tenho alguma curiosidade qt a este.
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. TIAGO RAMOS: Por acaso não sou fã. Mas também isso interessa pouco. Falamos de cinema, não é. Sim, 4*, estamos de acordo.

    GEMA: Assiste então e depois volta com o teu veredicto ;) Algo me diz que vais gostar.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  7. Como já sabes, sou um grande fã do filme...
    A sua beleza poética e perturbada psicologicamente em relação a Ian Curtis é de um grande esplendor, prova que Sam Riley foi a melhor escolha para interpretar Ian.

    Abraço
    http://nekascw.blogspot.com/

    P.S.- a Imagem que dedicas ao filme é, por acaso, a imagem do meu fundo de trabalho, a sua recriação a preto e branco está excepcional...

    ResponderEliminar
  8. É um filme muito bom, que também foi comprado com o Público. Gostei do texto e concordo com ele ;)

    ResponderEliminar
  9. Eu gostei imenso do filme.

    Além de uma excelente interpretação de Sam Riley, a exploração que Corbjin faz do passado dos Joy Division e da personalidade de Curtis em particular é interessantíssima.

    Concordo também com quem falou acima dos problemas no argumento. Têm alguns plot holes, de facto, que evitam, para mim, uma melhor classificação.

    Cumprimentos,

    Jorge Rodrigues
    Dial P For Popcorn

    ResponderEliminar
  10. NEKAS: Subscrevo-te inteiramente ;) Cada frame do filme, arrisco a dizer, daria um bom wallpaper, não? ;)

    FLÁVIO GONÇALVES: Surpreendeu-me bastante, tenho a dizer-te. Só aquela fotografia... uff... É daqueles filmes que convidam a sequentes visualizações, todas de extremo prazer.

    JORGE RODRIGUES: Sem dúvida, Sam Riley destaca-se, gostei bastante. Ao argumento creio que falta aqui e ali não sei... talvez alguma substância... mas uma narrativa em cinema é muito mais do que a história e CONTROL é a prova disso.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD – A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  11. Para um antigo fã do Joy Division (do New Order, não) faltava este filme desmistificador sobre Ian Curtis. Queria ver mais filmes com Alexandra Maria Lara, ótima revelação de A Queda.

    ResponderEliminar
  12. ENALDO: Com o seu comentário não percebi se viu ou não o filme, e se gostou. Viu e gostou?

    Roberto Simões
    » CINEROAD «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões