domingo, 12 de julho de 2009

NASCIDO PARA MATAR (1987)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Full Metal Jacket
Realização: Stanley Kubrick
Principais Actores: Matthew Modine, Vicent D'Onofrio, R. Lee Ermey, Adam Baldwin

Crítica:

DE HOMENS
A MONSTROS DE GUERRA

Um filme dividido em dois e sobre a dualidade do Homem. A primeira parte do filme passa-se na recruta e trata, satírica, hilariante e delirantemente, a transformação do Homem Comum num Homem-Capaz-de-Guerra. Que é como quem diz: a transformação dos ditos inúteis em monstros, em frios animais de guerra. A segunda parte trata, em tom belicista (os monstros são postos em acção), a dura e absurda realidade da guerra. O Homem é representado tanto como o born to kill, como o ser que, acima de todas as coisas, aspira a paz e não é senão um brinquedo manipulado pela autoridade moral que suplanta Deus com a maior arrogância.

A marcha final para a incerteza, entoando em alta voz a canção do Rato Mickey sobre um pano de fundo em chamas, dá conta dessas jovens e inocentes marionetas, vítimas irredutíveis do absurdo. O Joker de Mattew Modine é a sinédoque máxima desta representação simbólica e dualista - o fuzileiro usa tanto o capacete com a expressão born to kill como o amuleto ao peito com o símbolo da paz.

Assombrosos desempenhos de R. Lee Ermey (o boçal sargento, memorável) e de Vicent D'Onofrio (o recruta Pyle, às tantas tão assustador), excelente e perfeccionista realização de Stanley Kubrick, magnífica fotografia de Douglas Milsome (sobretudo na segunda parte) e destaque ainda para o inspirado argumento escrito a três mãos, a partir da obra de Gustav Hasford; magistral, no retrato.


_______________________________
Nota especial para a infeliz escolha do título português, que perde tanto significado quando comparado com o título original.

8 comentários:

  1. Um filme fascinante ao redor do conflito americano no Vietname. E, sem dúvida, um dos melhores. Mais uma vez a minúcia de Kubrick está patente.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  2. RED DUST: Grande minúcia e cenas memoráveis e assombrosas. O suicídio de Pyle ou aquela investida sobre o atirador, já na segunda parte, são o perfeito exemplo disso!

    Cumps.
    Filipe Assis
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  3. Ok, parece que está aqui outro dos grandes para ver. A verdade é que a temática nunca me fascinou, mas um dia passarei este filme por cuidada revista.

    ResponderEliminar
  4. Deste gostei, mas sinceramente estava à espera de um pouco mais, talvez no argumento. É um pouco diferente daquilo a que estava à espera, e se por um lado não me agradou assim tanto, por outro lado até que se tornou interessante.

    É isso, a sua forma, a sua matriz é dividida em dois, uma primeira parte no treino, e uma segunda dentro da própria acção. E se gostei da primeira, a segunda aqui e ali não se mostrou tão consistente e bem montada sequencialmente.

    De qualquer modo a banda sonora é deliciosa, tal como algumas interpretações, como ainda a realização de Kubrick, mais uma vez.

    Não é o melhor que vi do realizador, mas seguramente de guerra é dos melhores filmes que já vi, algo particular.

    abraço

    ResponderEliminar
  5. Para que não se entenda mal, reafirmo que gostei bastante deste Full Metal Jacket. Muito até. Só que lá está as expectativas estragam sempre a ideia com que ficamos após a primeira visualização, estando de facto à espera de um pouco mais.

    Contudo e pensando um pouco melhor, diria até que este figuraria num top 5 de filmes de guerra que já vi. Agora de facto de Kubrick, e dado os poucos que vi ainda, acho que prefiro ainda assim o The Shining em relação a este. Não muito mas prefiro.

    abraço

    ResponderEliminar
  6. JORGE: Saber gerir as expectativas é uma coisa que se aprende com o tempo, falo-te por experiência própria. De facto compreendo que gostes mais de SHINING, eu também gosto mais desse genial clássico de terror. Mas este é um filme magistral, sem dúvida.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  7. Este filme sobe a cada dia que passa na minha apreciação. Talvez como um qualquer de Kubrick :P

    A minha cena favorita - aquela após um soldado matar uma série de inimigos depois de alguns terem passado à sua frente enquanto carregava a arma. Depois disso, surge a música, e a cena desenrola-se com o transporte de alguns feridos para o heli, e depois uma magnifica sequência com a câmara a filmar os "repórteres" a filmaram por sua vez os soldados. Estes a dada altura distribuem papéis de personagens entre eles - Não sei se te lembras. Foi com essa intenção a descrição. Que bela cena e que bela conjugação das partes que constituem um filme. Muito bom.

    abraço

    ResponderEliminar
  8. JORGE: Sim, sim, lembro-me da cena, claro. O filme é todo ele recheado de momentos verdadeiramente marcantes. Muito bom filme, sem dúvida (não tão genial como outros do realizador, mas ainda ssim completamente magistral).

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões