terça-feira, 8 de setembro de 2009

EM CARNE VIVA (1997)


PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Carne Trémula
Realização: Pedro Almodóvar
Principais Actores: Liberto Rabal, Javier Bardem, Francesca Neri, Penélope Cruz, Ángela Molina, José Sancho

Crítica:

A LEI DO DESEJO

Magistral e profundamente inspirado na encenação, Em Carne Viva respira uma cadência sensual, por vezes até erótica, e revela-se irrepreensível na orquestração dos recursos artísticos. Por isso mesmo se poderá dizer que, com este filme, Almodóvar consolidou a sua qualidade criativa: enquanto argumentista e enquanto realizador. Com este brilhante Em Carne Viva consagrou-se, pois, como um dos mais singulares e talentosos realizadores europeus.

Essa evolução manifesta-se e comprova-se nos planos meticulosos, devidamente enquadrados e previamente ensaiados, na assombrosa mise-en-scène, cheia de cores gritantes e de corpos nus, nas sentidas composições musicais de Alberto Iglesias ou nas vibrantes canções que, como Somos, enfatizam a sedução dos corpos, intensificam o dramatismo das situações e ajudam no processo do storytelling, quase que dando ao filme uma alma que reclama transcendência. O argumento, de construção imprevisível e circunstancialmente pontuado por tiradas geniais de puro e autêntico humor, consiste num trabalho de muito boa escrita, devidamente estruturado e consistente. Ensaia de forma sublime, com raras inteligência e pertinência, temas fracturantes como a traição (amorosa ou entre amigos) ou a deficiência física (e as suas consequências directas e difíceis nas relações das pessoas). Note-se, a propósito deste caso último, o excepcional desempenho de Javier Bardem, à frente de um elenco de prestações, todas elas, formidáveis: Liberto Rabal, Francesca Neri, Ángela Molina ou José Sancho.

Todavia, Em Carne Viva transcende ainda o próprio drama, melodrama e policial quando, num segundo plano, retrata toda uma Espanha em evolução, do Franquismo aos tempos de liberdade. A epígrafe, as datas, algumas passagens do argumento ou a recriação histórica, assegurada pelo cuidado trabalho de cenografia, dão-nos conta, desde logo, dessa evolução. Não é por acaso que o filme acaba de forma circular. Pelo duplo nascimento em tempos distintos se marca o contraponto: a última cena mostra-nos a mesma rua onde outrora se nascia com medo e agora se nasce com esperança em liberdade... Liberdade, essa, essencial para amar, viver e criar... E como Almodóvar percebe dessa liberdade.

12 comentários:

  1. Este e o Todo Sobre Mi Madre são os melhores filmes dele.

    ResponderEliminar
  2. Bem, este filme, aqui no Brasil foi lançado com o mesmo nome original (Carne Trêmula) o chamado "em carne viva" é um filme da Jane Campion chamado "IN THE CUT" e lançado em 2003.

    ResponderEliminar
  3. Meu preferido do Almodóvar, como já disse, é Volver. Mas Carne Trêmula também é incrível. Filme que tem um tom bastante forte.

    Abs!

    ResponderEliminar
  4. A meu ver este filme foi um dos últimos de uma fase do cinema de almodovar que é, sem dúvida, mais física, mais visualmente chocante e que aborda o sexo de uma forma mais explicita. tanto o todo sobre mi madre e o habla con ella, podem-se incluir num estilo mais intimista e mais romântico. pessoalmente prefiro a fase anterior, especialmente o saltos altos o ata-me e o kika.

    ResponderEliminar
  5. É um dos meus preferidos do realizador! Intenso, bem realizado e com um elenco invejável!

    ResponderEliminar
  6. Não é o meu preferido. Interessante qb, mas algo distante das qualidades de um 'Ata-me' ou de um 'Matador'.

    Abraço.

    ResponderEliminar
  7. ÁLVARO MARTINS: Para mim, os melhores são este EM CARNE VIVA, FALA COM ELA e MÁ EDUCAÇÃO.

    DANIELA: Eu sei. O que achou desse CARNE TRÊMULA, então? ;)

    KAU OLIVEIRA: EM CARNE VIVA é, para mim, superior a VOLVER.

    LADY ON THE RADIATOR: Não vi ainda os dois últimos títulos que referiste, mas eu prefiro esta fase mais recente.

    TIAGO RAMOS: Nem mais! ;) De acordo.

    RED DUST: Não vi esses dois filmes, não posso contra-argumentar. Mas olha que esse EM CARNE VIVA é cinema em grande.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  8. Concordo com a crítica. É um trabalho muito maduro e é um quase um "road movie" tal como o Tudo Sobre a Minha Mãe. Termina da mesma forma que começa, como se houvesse uma catárse, um renascimento... Javier Bardem está excelente!

    ResponderEliminar
  9. Opa, ainda não Vi, semana passada assisti O Matador do almodovar, como em toda sua obra um filme bastante sensual também, é uma caracteristica unica encontrada no trabalho do diretor, mas as vezes tal caracteristica fica enjoativa e desnecessária.

    O Matador em questão, achei bastante fraco pra ser sincero.

    abraço!!

    ResponderEliminar
  10. TIAGO RAMOS: "Quase 'road movie'" é exagero! =D Des resto, subscrevo-te de todo!

    YGOR MORETTI FIORANTE: Ainda não vi MATADOR. Há quem fale muito bem dele... mas se um dia lhe vier a dar razão, não me admiro: a Almodóvar antes deste EM CARNE VIVA era outra coisa...

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  11. Como são estes problemas de distribuição. Pelo que sei, salvo melhor informação, Matador foi bastante visto aqui no Brasil. Já este Carne Trêmula eu nunca ouvi falar.

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões