domingo, 3 de julho de 2011

HORIZONTES DE GLÓRIA (1957)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Paths of Glory
Realização: Stanley Kubrick
Principais Actores: Kirk Douglas, Ralph Meeker, Adolphe Menjou, George Macready, Wayne Morris, Richard Anderson, Christiane Kubrick, Joe Turkel

Crítica:


A TERRA DE NINGUÉM

Too much has happened. Someone's got to be hurt.
The only question is who.


Um olhar perfeccionista e implacável, sobre o inferno das trincheiras e a monstruosidade do ser humano. Um preto e branco imaculado, na sublimação visual da elegância - afinal, a fotografia de Horizontes de Glória, a cargo de Georg Krause, concretiza a excelência visionária e todo o potencial da mise-en-scène. Zooms, travellings, planos-sequência de cortar a respiração e de detalhes preci(o)sos, sublimes enquadramentos em deep focus, uma arte de filmar que gere de forma irrepreensível a poderosa carga de emoções que a história e as performances dos actores elevam, consistentemente.

O argumento, a partir do romance de Humphrey Cobb e adaptado a três mãos (entre Kubrick, Calder Willingham e Jik Thompson), é dotado de uma prodigiosa economia narrativa, fazendo evoluir a diegese - cena a cena - com uma coesão notável. E a cada cena, mais magistral do que a anterior, os diálogos memoráveis arrebatam-nos e fazem-nos tomar consciência do quão prazeroso é assistir ao filme. As cadências premeditadas da montagem (Eva Kroll) são imprescindíveis para o sucesso narrativo. Sublimes, as interpretações de Adolphe Menjou (general George Broulard), Ralph Meeker (capitão Philippe Paris) e do destemido Kirk Douglas, o coronel Dax que primeiramente acata as ordens superiores sem as questionar e que depois afrontará todas as autoridades na defesa dos soldados injustamente acusados pela missão fracassada e convertida num impiedoso e sangrento massacre.

Gentlemen of the court, there are times that I'm ashamed to be a member of the human race and this is one such occasion.

O tom irónico e corrosivo das melhores obras do realizador está sempre presente, como um fio condutor ou marca de estilo, denunciando e ridicularizando a cegueira e a arrogância, o abuso de poder e a injustiça; em suma, a falta de humanidade que parece abundar entre a frieza e o cinismo, a hipocrisia e a loucura do lado da guerra. A prepotência do general Paul Mireau (George Macready), que cruelmente vinga a indisciplina e a insubordinação contra as suas ordens ambiciosas e suicidas, expõe a vergonha do ser humano. There are few things more fundamentally encouraging and stimulating than seeing someone else die. Em tempo de guerra, os inimigos estão inclusivé na hierarquia que delibera a nossa patente.

Tecnicamente, Horizontes de Glória mostra-se perfeitamente executado. Note-se o som e excepcional montagem dos seus efeitos, note-se a sensível aplicação da música e dos silêncios ou todo o brilhantismo da direcção artística, seja no campo de guerra como no glamour do baile. A cena final, onde a música se revela como linguagem universal, vem preencher de compaixão e sentimento todo o humanismo reclamado ao longo da obra e personificado, na primeira pessoa, pelo coronel Dax. Sem dúvida, um dos melhores filmes de guerra jamais feitos. Absolutamente marcante. A excelência da obra é tal que não me admirarei se, no futuro, vier a considerá-la uma incontestável obra-prima.

9 comentários:

  1. Também adorei este filme, se bem que tive uma opinião diferente em relação a vários aspectos. A minha opinião está aqui.
    Cumps cinéfilos do Baú-dos Livros e
    Ósum Pósume

    ResponderEliminar
  2. LUÍS AZEVEDO: Gostei bem mais do que tu, pelos vistos. Considero-o um autêntico colosso, entre os melhores filmes de Kubrick. Filmes como este não me importava de levar a vida a assistir e estou certo de que quando morrer, se a memória sobreviver, hei-de ter muitas saudades destes "horizontes".

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  3. Pelos vistos sim! Gostei muito do filme, mas está a anos-luz de 2001, Full Metal Jacket ou Dr. Strangelove...

    ResponderEliminar
  4. LUÍS AZEVEDO: Para mim estará sempre a anos luz de um 2001 (não sei se haverá filme capaz de o rivalizar), mas à altura de um DR. ESTRANHO AMOR ou de um NASCIDOS PARA MATAR penso que está facilmente, superando-os até. Enfim, é a minha opinião.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  5. De acordo, para mim é mesmo um dos meus filmes favoritas do génio Kubrick. E grande análise diga-se de passagem.

    Um filme que deambula entre a ironia e a compaixão, onde a montagem e a realização são absolutamente sublimes. O próprio argumento é de um primor ímpar, até diria de uma particularidade desconcertante. Destaco ainda uma grande interpretação de Kirk Douglas, que ao contrário de Spartacus, desempenha aqui um excelente coronel Dax.

    abraço

    ResponderEliminar
  6. JORGE: De acordo, o Kirk Douglas de HORIZONTES DE GLÓRIA nada tem a ver, em termos de entrega e intensidade, com o de SPARTACUS. Enfim, é sabida a relação entre o actor e o realizador, no épico que viriam a concretizar 3 anos depois.
    Um aparte, só para referir uma consideração sem importância: como Michael Douglas é semelhante ao pai, tanto fisicamente, como na voz.. é impressionante, não?

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  7. Também já tinha reparado nisso, são muito semelhantes de facto, e ambos com carreiras dignas e muito honrosas.

    abraço

    ResponderEliminar
  8. É um dos poucos Kubrick de que não tinha notícias. Vou-lhe atrás.

    ResponderEliminar
  9. ENALDO: E valerá a pena. É um pedaço de arte impressionante.

    Roberto Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões