terça-feira, 20 de abril de 2010

AS CANÇÕES DE AMOR (2007)

PONTUAÇÃO: BOM
Título Original: Les Chansons d'Amour
Realização: Christophe Honoré
Principais Actores: Louis Garrel, Ludivine Sagnier, Chiara Mastroianni, Clotilde Hesme, Grégoire Leprince-Ringuet, Brigitte Roüan, Jean-Marie Winling, Alice Butaud, Yannick Renier

Crítica:
Aime moi moins,
mais aime moi longtemps.

Um sopro de melancolia percorre as ruas de Paris, ao som d'As sentimentais Canções de Amor, de Christophe Honoré.

Ismael e Julie, Alice: há tristeza perante o esvaziamento de uma relação, perante a impossibilidade do triângulo... haverá profunda dor perante a morte inadvertida de um vértice essencial, cuja sentida ausência possibilitará um novo recomeço: Erwann. O filme fala e canta este estado de espírito, por vezes com um lirismo notável e envolvente... Desabafa com o espectador um reflexo dele próprio, porventura. Por entre prazeres voluptuosos, é representada a naturalidade de toda uma nova geração em sentir, mais do que nunca, o amor com liberdade. Uma geração que estuda, trabalha e lê, a prova de que o futuro é diferente, mais aberto e sexualmente sincero e verdadeiro, mas que não está perdido.

Em poucas palavras, As Canções de Amor não é senão um filme de uma qualidade assinalável - bem escrito, bem realizado e bem interpretado (com especial destaque para Louis Garrel, claro). Podia ser mais interessante e ambicioso, artisticamente falando, mas é romântico e apaixonante quanto baste.

7 comentários:

  1. Muito, muito curiosa para ler a tua crítica! Porque me diz muito, porque adoro, por me dizer tanto... Verdadeiramente sublime!

    Cumps***

    ResponderEliminar
  2. Embora tenha algumas dúvidas, espero sinceramente que seja do teu agrado. É um excelente filme.

    Abraço!

    ResponderEliminar
  3. Finalmente, Roberto! :D
    Espero ansioso o teu texto.

    ResponderEliminar
  4. BLACKBERRY: Não o achei tão sublime assim, ainda que te diga muito pessoalmente.

    MARCELO PEREIRA: Sim, é do meu agrado, mas em si mesmo não constitui nada de extraordinário. "Excelente" é exagero.

    FLÁVIO GONÇALVES: É um bom filme, mas não é nada daquilo que disseste ;D Vendeste bem o teu peixe ahahah Esteticamente não o acho muito mais do que acima da média e pessoalmente... bem, pessoalmente fica a critério de cada um.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  5. A mim toca-me particularmente, por muitos motivos. Mas motivos pessoais à parte, acho bastante bom. De qualquer forma, compreendo a tua nota.

    ResponderEliminar
  6. O trabalho mais bem conseguido de Honoré, mais até que Dans Paris.

    Quanto ao teu esteticamente "não acima da média", compreendo, mas é assim o cinema dele. E atinge-nos sempre de forma muito pessoal, muito humana, com excepção do Ma Mère. Não sendo brilhante, Honoré é um realizador muito interessante, por se ter conseguido estabelecer de forma peculiar e de com tão jovem carreira ter criado um núcleo duro de actores com quem não dispensa trabalhar.

    Para mim é mais que "Bom", mas também compreendo.

    ResponderEliminar
  7. TIAGO RAMOS e BACK ROOM: É o primeiro filme que conheço do realizador. E, pelo que a este filme concerne, concordo convosco: Honoré tem um estilo sólido, muito humano e intimista e que também a mim me toca especialmente. No entanto, não consigo atribuir 5 estrelas ao filme. Penso que não as merece. Sendo um filme acima da média, só me resta atribuir-lhe as 4 estrelas.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões