sábado, 17 de outubro de 2009

10 Breves Perguntas (7)

Continua a nossa iniciativa.
Desta vez... Filipe Coutinho, autor do blogue Cinema is my Life, aceitou o convite do CINEROAD - A Estrada do Cinema para responder a 10 breves questões com 10 breves respostas.

1. Um realizador: Wilder/Hitch/Allen - Não consigo preterir um em função dos outros
2. Um argumento: Fight Club - Argumento que mudou a minha vida
3. Um actor: James Stewart - "O" actor
4. Uma actriz: Audrey Hepburn - Mulher da minha vida!
5. Um filme-desilusão: Papillon - Esperava muito mais
6. Um filme-surpresa: You Can't Take It With You - Nunca pensei que fosse perfeito!
7. Um filme sobrevalorizado: Apocalypse Now - Nunca gostei
8. Um filme subvalorizado: Bourne Trilogy - Melhor acção das últimas décadas
9. Um filme em que chorei: Nuovo Cinema Paradiso - Final soberbo
10. Último DVD: Changeling - Imaculado Eastwood

Um muito obrigado, Filipe Coutinho.
As mesmas 10 questões serão respondidas por um novo convidado especial, muito em breve. Até lá!

8 comentários:

  1. E mais uma série de escolhas interessantes.

    O Fight Club já era previsivel. Penso que o Fifeco está para a obra de Fincher como eu estou para Pulp Fiction.

    Já surpreendente foi a escolha de Apocalypse Now. Não posso mesmo concordar.

    Igualmente surpreendente foi a escolha da trilogia Bourne


    Mais uma vez Filipe (Assis), parabéns pelo desafio imposto

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. JACKIE BROWN: 'Indeed'. Penso que se pode fazer essa comparação. Cada um de vocês idolatra cada uma dessas obras. Pessoalmente, entendo tão bem o Filipe.
    Ainda não vi APOCALYPSE NOW, não poderei opinar a respeito. Quanto à trilogia BOURNE, sobretudo o último capítulo, que retenho em mente, é acção do melhor. Mas jamais os escolheria para responder a esta questão ;)
    Filipe Assis são os meus dois nomes do meio, faz tempo que mudei a assinatura por aqui, podes tratar-me como este que se assina...

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  3. O que mais me surpreendeu nem foi a resposta do Apocalipse Now. Mas antes o facto de Fifeco achar que a Bourne Trilogy é subvalorizada. Não o creio, pois os filmes são vistos como a nova forma de fazer acção no cinema moderno, alem de que Jason Bourne é hoje uma referência nos herois de acção (o que não é fácil actualmente, pois os herois ficaram muito presos aos anos 80 e hoje em dia é dificil algum filme conseguiir o que Bourne já conseguiu em tão pouco tempo).

    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Roberto,

    Antes de mais agradeço o convite para participar na excelente iniciativa. No que toca à trilogia Bourne, e serve de resposta ao jackie e ao João, devo dizer que quanto a mim os três filmes apresentam uma excelência narrativa e estrutural que muito raramente foi vista em algum período da cinematografia mundial. E se recuarmos uns anos percebemos que Bourne Identity ou Bourne Supremacy não receberam mesmo a distinção que mereciam. Apenas começaram a ser algo valorizados depois de Ultimatum (que provavelmente nem é o melhor da série). Assim pretendi destacar a qualidade de Bourne. Não é uma acção desmiolada como a de Rambo ou Predator nem é uma acção demasiado estilosa e irrealista como a de James Bond. É antes muito realista e assustadora e descreve uma realidade brutal de forma crua. E é por isso que lhe dou tanto valor e que considero a trilogia altamente subvalorizada.

    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Não consigo gostar dos filmes Bourne. Não tanto pela qualidade em si, mas mais pelo género do qual não sou fã.

    ResponderEliminar
  6. JOÃO BASTOS: Tenho ideia que já sabia da opinião do Fifeco (Filipe Coutinho) em relação ao APOCALIPSE NOW, por isso não me surpreendi. Mas creio que é daquelas escolhas polémicas entre os cinéfilos. Pessoalmente não sou muito fã de Coppola, tão-pouco do série O PADRINHO, exceptuando o capítulo do meio: esse adorei.
    Bourne é, realmente, tudo isso que dizes. Mas creio que entendo o Fifeco, ele refere-se a reconhecimento a outro nível. Em termos de valor enquanto filme, quando comparado com outros títulos do mesmo ano, por exemplo. Não sei se fui muito claro, mas penso que é mais por aí.

    FIFECO: Sim, creio que te dou razão. Sou-te sincero: dos dois primeiros capítulos pouco me recordo, a não ser uma ou outra perseguição empolgante. O ULTIMATO foi de facto o que mais me marcou. Sobretudo pelo realismo e qualidade de encenação nas cenas de acção frenética.

    TIAGO: Tudo bem, mas reconheces-lhe a qualidade? Isso é que importa. Como disse acima, por exemplo, também não gosto especialmente de O PADRINHO, mas reconheço-lhe o valor. Isso é que importa quando avaliamos arte. A isenção é que nem sempre é muito fácil não é ;b

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  7. Pronto, realmente compreendo a resposta do Fifeco de Bourne. Creio que foram filmes unanimemente aceites pela crítica. O problema é mesmo tratar-se de um filme de acção. Que não é um género que seja aceite como candidatos por exemplo a prémios! O que é pena. Só se deve reconhecer aqueles dramas que fazem chorar??? Eu acho que não! Talvez esteja a exagerar, mas por vezes parece-me que é isto que acontece! Agora Bourne foi já percursor numa nova forma de fazer acção. Que o diga Bond, que os últimos dois filmes já seguem um pouco a sua linha!

    Abraço

    ResponderEliminar
  8. JOÃO BASTOS: Sou-te sincero: não sou grande consumidor do chamado 'cinema de acção'. Não acompanho a saga 007. E vi os títulos da saga Bourne por feliz acaso. Compreendo que Bourne se torne uma referência e não menosprezo, de forma alguma, o género.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões