segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

THE FALL, segundo Dr. Johnny Strangelove


THE FALL

Crítico Convidado: Dr. Johnny Strangelove, autor do blog Cine JP
(http://strangelovebloger.blogspot.com/)

Classificação: *****

Nem todas às vezes conseguimos entregar ótimos textos. Às vezes não sabe o que escrever, ou pior, não está sabendo como colocar ou expressar o que foi visto em palavras. Muitas vezes não é nem culpa do filme, e sim nossa. Não estamos livres da falta de criatividade no momento que mais precisamos expandir o filme conferido em palavras. Mas graças ao destino, sempre aparece um para reascender o gosto da escrita e o prazer de falar do nosso maior prazer: o cinema.

Sabe qual é o lugar mais prospero para fertilizar sentimentos, despertar sensações verdadeiras e principalmente expandir a nossa imaginação? Em um hospital. Quantas vezes conseguimos nos emocionar por ver crianças que mesmo com a dor de estar em um corredor onde anda junto, em uma linha tênue e invisível, o dom do inicio da vida e a porta de entrada para a morte premeditada. As crianças com todas as desavenças que ocorrem, nunca deixam de sonhar ou de ter um sorriso.


Era uma vez em Los Angeles, em ser mais preciso em um hospital. Uma menina chamada Alexandria está com o braço quebrado começa a criar uma amizade com um jovem dublê que está de cama. A partir dessa relação o jovem duble começa a contar uma história fantástica de cinco heróis que juntam forças para derrubar um governador tirano. Viajando em lugares exóticos e únicos, juntos irão enfrentar exércitos e perigos.


O que apenas posso falar desse filme em razões de conhecimento como: o filme foi rodado em vários paises do mundo e inclusive o Brasil; É estrelado por Lee Pace e Catinca Untaru; o diretor do longa é o mesmo de A Cela e do clipe Losing My Religion de R.E.M, Tarsem Singh; Que o filme ganhou o premio de Sitges como melhor filme que teve ainda como ganhadores Sam Rockwell pela atuação em Joshua, Chan Wook Park pelo roteiro de I’m A Cyborg But That’s Ok!.

O longa de Tarsem em muitos momentos consegue transfigurar e confundir o espectador se está vendo um filme ou uma obra de arte. Em muitos momentos, o longa parece aqueles quadros antigos onde cada apreciação consegue fazer a mente salivar pela beleza e pelo primor da obra. Aplausos para toda a equipe técnica. E principalmente por Tarsem por conseguir sem precisar de lugares mágicos para construir uma fabula onde a beleza natural do nosso planeta pode oferecer.


Lee Pace e Catinca Untaru fazem a dupla de protagonistas. Existe uma relação mágica entre os dois que ultrapasse os sentidos de emoção durante a tela. A química entre os dois protagonistas é tão forte que sentimos a alegria, a dor, a gloria e a decepção. E ainda para fortalecer essa relação, foi passada uma informação de que o ator Lee Pace era um paraplégico, já que no personagem vive numa cama, para os pais da menina e o diretor aproveitou dessa informação para deixar mais verdadeiro a atuação da menina, mas depois foi tudo esclarecido.


Agora o que mais dói no peito desse cinéfilo é o descaso terrível das distribuidoras nacionais que muitas vezes deixam de lado grandes filmes e dão valor a películas que tem o intuito de grandes bilheterias (alguns sendo justos e outros que nem merecem). Infelizmente não se sabe quando esse filme poderá chegar aqui e assim contabilizando a lista infinita de grandes filmes que não se sabe e provavelmente não darão as caras por aqui, tomando como exemplo Half Nelson, Sherrybaby e entre outros.

Não poupo em dizer que The Fall é um dos melhores filmes do ano. Um filme que não consegue cumprir sua promessa, mas sim, superar. Um filme que exala beleza desde primeira cena até a ultima. Um filme que coloca a fantasia no nível que deve ser tratada, como uma porta para imaginação do espectador para momentos extraordinários. E se um dia chegar a algum multiplex da vida, não deixem de perder momentos únicos que só o cinema pode propor, assim como os sonhos e sentimentos de uma criança cheia de vida. Uma prova concreta de que o cinema consegue ser o caminho mais próximo das nossas fantasias de criança, mesmo sendo uma fabula adulta.

__________________________________________

Agradecimentos especiais:

Dr. Johnny Strangelove

5 comentários:

  1. Já ouvi falar tão bem deste filme que já o tenho para ver. Oxalá corresponda às expectativas!

    Participe na sondagem "Melhor James Bond com Roger Moore” até ao dia 12 de Março 2009, em http://additionalcamera.blogspot.com. Só faltam 15 dias!!

    ResponderEliminar
  2. Vi este filme ontem e reconheço que é muito bom. Original e muito mágico, mas confesso que depois de ler variadíssimos posts que encontrei aqui no CINEROAD e noutros estava à espera de mais.
    Os últimos dois filmes que vi foram este e o Into the Wild e peço desculpa mas gostei mais do segundo. Mas continua a ser um bom filme. Pode ser que com uma segunda visualização mude de ideias.

    Abraços

    ResponderEliminar
  3. Vi ontem e adorei. Obrigado pela sugestão. Confesso que tinha achado o The Cell um bocado esquisito, apesar de não ter desgostado mas este supera todas as expectativas.

    ResponderEliminar
  4. Filipe Machado,

    Oxalá! Bom filme!

    Cumps.


    Álvaro Martins,

    Fico contente por teres gostado.
    THE FALL é fascinante. Gostaria muito de contar com uma crítica tua ao filme THE FALL, que seria publicada aqui no CINEROAD. Fica lançado o convite.

    Cumps.


    João Bizarro,

    Ainda bem que gostaste. Ou adoraste, como disseste. Também gostaria muito de contar com uma crítica tua ao filme THE FALL, que seria publicada aqui no CINEROAD. Fica lançado o convite.

    Cumps.

    Obrigado a todos pelas visitas e comentários!

    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  5. Por favor,
    se quiserem enviar as vossas críticas,
    façam-no para p e-mail:

    geral.cineroad@hotmail.com

    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões