quarta-feira, 13 de maio de 2009

MULHOLLAND DRIVE (2001)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: Mulholland Dr.
Realização: David Lynch
Principais Actores: Naomi Watts, Laura Elena Harring, Ann Miller, Justin Theroux, Dan Hedaya, Robert Forster, Lee Grant, Chad Everett, Billy Ray Cyrus
Crítica:

NO HAY BANDA!


A cena do anfiteatro é por demais reveladora. Diane pode estar a sonhar e perceber aqui que está morta. Esta é a interpretação mais comummente aceite. Por mim também. Todavia, partilho uma outra: estamos perante uma obra puramente inorgânica (no sentido de Bürger*), um filme consciente de si próprio enquanto construção ficcional. Por isso, renega qualquer sentido. Nenhum filme é mais verdadeiro por fazer sentido; na verdade, todo o filme que faz sentido só o faz por convenção. Um filme nada mais é do que artifício, representação. É isto que se revela na cena central do anfiteatro: a chave entra no cubo - o sentido do filme é a sua falta de sentido. Na verdade, no hay banda! Nem tão-pouco a llorona que canta. O mundo do filme é o mundo da ficção. E, se por acaso emociona, é pela ilusão ou simulação de realidade.

Se a atitude da obra se reger pela auto-aceitação deste princípio, e não tiver que obedecer a toda uma lógica mimética e orgânica e à partida associável à realidade, estaremos então num mundo onde tudo é possível, onde nada se deve ao sentido... estamos, por isso, num mundo de sonhos. É esse o universo de Lynch. A confluência entre linhas diegéticas, com a coincidência de actores na representação dos seus protagonistas, resulta numa confusão onírica, que de realidade tem muito pouco. E, nessa dimensão de sonhos, a narrativa parece tomar um rumo livre, involuntário e libidinoso, desprendido de recalcamentos sexuais.

Naomi Watts e Laura Elena Harring lideram este pesadelo de contornos tão bizarros quanto estranhíssimos, mergulhadas em técnica brechtiana. No final, volta-se ao anfiteatro para se cantar... Silêncio... e o pesadelo está, enfim, terminado. Um filme brilhante.

[A crítica continua, brevemente]


______________________________________
*Bürger, A Teoria da Vanguarda

7 comentários:

  1. Comprei há pouco tempo no MediaMarkt a um preço muito baixinho... Mas ainda não tive oportunidade de ver.

    ResponderEliminar
  2. otimo filme o melhor de lynch na minha opinião...

    ResponderEliminar
  3. GABRIEL VON BORELL: Andará lá perto! :b

    TIAGO RAMOS: Então faça favor de o ver!:b

    ÁLVARO MARTINS: Lá um fenómeno é de certeza. E nunca haverá um igual a ele!

    YGOR MORETTI FIORANTE: Não sou (ainda) um conhecedor maior da obra do realizador. Mas diz quem conhece que sim. É provavel. :)


    Cumps.
    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD – A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  4. Esta obra de Lynch está excelente! Quem o viu e percebeu tem completa noção que o filme está fantastico!

    ResponderEliminar
  5. AKASH TEHLARI: Bem-vindo(a) ao CINEROAD! Um grande filme para rever sempre, sem dúvida. Volte sempre.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões