domingo, 8 de março de 2009

O ORFANATO (2007)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
Título Original: El Orfanato
Realização: Juan Antonio Bayona
Principais Actores: Belén Rueda, Fernando Cayo, Roger Príncep, Mabel Rivera, Montserrat Carulla, Geraldine Chaplin

Crítica: O Orfanato vive, é certo, na sombra de Os Outros. Porém, revitaliza-se (a si e a um género) sobre um cunho próprio e sobre um virtuosismo diferente. A realização, num exercício subtilmente estimulante, eleva a um estatuto superior o sensível argumento de Sergio G. Sánchez. O Orfanato vive do mistério, dos ruídos, da sugestão... Em última análise e para além de uma obra de terror sublime, revela-se como um drama tocante e profundo, protagonizado em primeira instância pela força magistral de Belén Rueda. Que desempenho brilhante. Suportado ainda por uma excelente banda sonora e por um cuidado técnico inegável, eis um filme surpreendente... a ver e rever.

12 comentários:

  1. O Orfanato foi dos filmes espanhóis que mais me surpreendeu. Realmente muito bom e o desempenho de Bélen Rueda foi extraordinário.

    ResponderEliminar
  2. Concordo, um excelente filme. Porque é que em Portugal não se fazem filmes com esta qualidade?

    ResponderEliminar
  3. El Orfanato e Rec são as provas que o cinema de terror tem muito que aprender com nuestros hermanos! apesar de muito recentes, já dois classicos; cada um no seu registo...

    el orfanato surpreendeu-me imenso. um filme que nos deixa em susprenso durante toda a duração, a cogitar possibilidades, e a surpreender-nos a cada momento!

    ResponderEliminar
  4. Tiago Ramos,

    Sem dúvida. O ORFANATO foi para mim uma das maiores surpresas do ano passado.

    Cumps.


    Raquel Roque,

    Não te consigo responder a essa pergunta, mas excusado será dizer que estou inteiramente de acordo. Mas é uma grande pergunta.

    Cumps.


    Close-up,

    Não vi REC... talvez me venha a surpreender tanto como com este filme. I don't know. O ORFANATO é brilhante.

    Cumps.

    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar
  5. Disseram-me que era muito assustador, então lá foi a Adek alugar o dito cujo, para o ver enrolada em dois cobertores, às escuras. Acabei por achá-lo mais dramático que assustador. Tocou-me muito e adorei a história! Uma óptima surpresa:)

    ResponderEliminar
  6. Adoro o final deste filme. Poesia pura.

    [****]

    ResponderEliminar
  7. ADEK: E não são os mais dramáticos, cheios de história e suspense, os melhores filmes de terror? ;)

    WALLY: :D O final é muito bom, de facto.

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  8. Nunca vi mais nenhum filme de Bayona, mas noto claramente o toque de Guillermo del Toro, que aqui como produtor influencia e nos oferece uma obra sensacional.

    Gostei muito, sendo de um género de terror, que nunca me fascina por aí além, e depois tem um argumento muito bom, linear mas que acaba por surpreender, atenuando de forma extraordinária e emocionante a fronteira entre a realidade e a fantasia! Mais uma vez a banda sonora está deliciosa!
    Gostaria que comparasses este filme com o Labirinto del Fauno que, embora sejam de géneros diferentes, na minha opinião são semelhantes no modo como contam as suas histórias sempre com um fundo sonoro a guiar as personagens e o espectador.

    abraço

    ResponderEliminar
  9. JORGE: É, também, o único filme de Bayona que conheço. Também não admira, ele ainda só fez uma longa-metragem.
    Notar-se-á a influência de Del Toro, é provável - eu pessoalmente não consigo materializar a ideia.
    Vou resistir à comparação, porque a mim não me parece muito pertinente. São, de facto, filmes muito distintos. Mesmo em relação às bandas sonoras. A d'O LABIRINTO DO FAUNO tem um papel muito mais determinante e importante para o desenvolver da narrativa. Ambas as obras precisam bastante de música, mas é muito diferente.
    De qualquer das formas, asseguro que se conseguisses essa comparação teria todo o gosto em ler e em continuar a discussão.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  10. Ora bem vou-me atrever a comparar os filmes...
    Me parece claramente que ambos os filmes sustentam uma dimensão para lá do real, muito embora o O ORFANATO se note lá mais pro fim. Sendo este um dos possíveis ganchos que os une, eu diria mais alguns, tal como as suas formas de nos contarem uma perfeita história de suspense e drama associado. É obvio que depois ao nível do argumento propriamente dito ou da montagem os filmes se afastam, pois são acima de tudo dois géneros diferentes!!

    A ligação e a possível comparação reside unicamente no que foi dito, e na minha opinião, claro! sendo que se trata aqui de uma questão pessoal, de como os filmes nos afectam, e eu diria que o factor decisivo para me lembrar de um ou outro, é a espécie de twist final que ambos têm acompanhados pelas bandas sonoras respectivas e algo semelhantes (outro factor), que depois de um argumento algo lento e dramático acabam por revelar o grande objectivo!

    abraço

    ResponderEliminar
  11. Foi considerado um dos dez melhores filmes de terror/suspense da última década. E que bem escolhido, revi-o no outro dia e é magnífico. Do género um dos meus preferidos. E que banda sonora...e que Belén Rueda!

    O cinema espanhol sai-se com uns de vez em quando, especialmente na sua tradição de terror.

    abraço

    ResponderEliminar
  12. JORGE: Não me surpreende, a distinção. Dentro do género é do melhor que se praticou na década.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões