sexta-feira, 3 de abril de 2009

As Crónicas de Calcifer (3) - O Oráculo de UM SONHO ENCANTADO

Conhecem-me por filósofo. Desconhecem-me como astrólogo. Hoje é o dia em que conhecerão, pois, outros lados da minha viva e rebelde chama! Pois é, caros amigos... Hoje vou falar-vos de THE FALL ou de UM SONHO ENCANTADO. Mas de uma perspectiva nunca dantes falada. Sabe-se já que levou 4 anos a ser filmada, esta obra, e em 18 países ou mais. Tarsem é o realizador, sabe-se também. Sabe-se que o seu ano de produção é 2006, que estreou nos United States em Maio de 2008 e quem em Portugal... nunca chegou a estrear. Não há problema!!! Há os DVDs e os Blu-Rays! Ah pois, já me esquecia... só sairam por cá em edições de aluguer. Não há data para serem lançados no mercado, na venda ao público. Ah ah ah, eu vi o filme! eu vi o filme!

Não corram para os clubes de vídeo, o filme não vale nada. Tem umas imagens razoáveis, uma história simples. Mas, no geral, é fraquíssimo. Aliás, não havia de ser por acaso que aquele David Fincher se havia de associar ao projecto.

Vamos lá falar a verdade. Vamos lá ler as estrelas e lançar na mesa as cartas do destino:
Amigos, NUNCA SE VIU NADA ASSIM. THE FALL ou UM SONHO ENCANTADO é uma obra-prima genial e perfeita. É um daqueles feitos concretizados por génios, por homens, uma vez em muito tempo. THE FALL é mais do que um marco na história do cinema. É um marco na história da arte. Desde que há Homem. Chamem-me profeta, chamem-me mentiroso! Calcifer, a Faísca da Rebelião dos Aldrabões! Estão a ver um FIGHT CLUB? um THE FOUNTAIN? Aqueles filmes do éter, que só o Tempo os trará aos olhos do mundo? Pois bem, THE FALL é um desses filmes. É, numa palavra, perfeito. É um dos melhores filmes de sempre, no mais imperioso sentido da expressão, a constar obrigatoriamente nesses mesmos tops mundiais dos melhores filmes de todos os tempos.

Alguém disse que THE FALL é excelente, mas que tem uma história simples? Foi por que se deslumbraram pela excelente fotografia, pelo excelente guarda-roupa, pelos excelentes cenários e decorações. THE FALL é perfeito na banda sonora, nos efeitos especiais, no som, na encenação, nos desempenhos dos elenco e na realização. É perfeito! Não há volta a dar, Tarsem é um génio. Um nome que, assim que descoberto, constará em todos os manuais como um realizador genial, criador de uma obra especial, única, e sublime. Uma obra rara. Digo-vos, amigos, encontrarem-se com uma obra como THE FALL é a oportunidade de uma vida, uma experiência raríssima. Ver THE FALL é viver a perfeição de UM SONHO ENCANTADO.

E porquê? Porque THE FALL é isso tudo, até uma sublime homenagem ao cinema, só que não tem uma história simples. É o poema maior, na palavra, na imagem e no som. Todos eles se aliam na criação da alegoria suprema. É ESSE O TRUQUE: THE FALL é um filme alegórico. Se dizem que THE FALL tem uma história simples, poderão referir-se aos sermões de António Vieira como histórias simples. Amigos, não! Tudo o que está no filme é um símbolo, esconde A outra história. Cada palavra ou imagem é a chave para o outro campo de significação. Aquele que não está perante os nossos olhos, claramente. Ou pensam que o outro se chama Darwin por acaso? e que só há acasos? UM SONHO ENCANTADO é a História do Homem, a Odisseia do Homem, a Evolução do Homem, a Evolução da Sua Sociedade, no caminho para a derradeira Queda, a que estamos todos sujeitos: a Morte.

Não me esqueço e a minha força até que se alenta quando recordo:
Roy Walker: What's that?
Alexandria: Food.
Querem crítica maior à Religião? Vão dizer que a pobre Alexandria atirava laranjas aos padres por acaso.
E vão dizer que Otta Benga não é a sinédoque de toda a escravatura e símbolo da sua abolição e liberdade? Mystic, sinédoque das civilizações indígenas destruídas pelos descobridores (arda a árvore como símbolo dessa destruição.)? Ou o «explosive expert» sinédoque da guerra? O governador Odious tem esse nome por acaso? Esquecem-se que os heróis, sinédoques dos mais variados sentimentos humanos e seres humanos no tempo, vivem isolados até que as ideias de Darwin os libertam desse isolamento? Não reconhecerão as tantas, tantas e brilhantes metáforas desta belíssima e magnífica obra de Tarsem?

Digo, repito e direi as vezes que serão necessárias: É perfeito! É o filme de uma vida. Obrigado, Tarsem. Graças a ti, vivo agora entusiasmadamente. Deixa, não te preocupes, eles decobrirão a tua façanha. Venha o Tempo. E eu volterei com ele.

Para quem queira saber mais sobre Tarsem, este extraordinário homem, recomendo www.tarsem.org e... maravilhem-se!

AS CRÓNICAS DE CALIFER. A ironia, a sátira, o humor.
Nota: o conteúdo destas «Crónicas de Calcifer» não expressa, necessariamente, as opiniões e interesses do autor deste blog.

5 comentários:

  1. Quero ver este filme há tanto tempo... que frustração!

    ResponderEliminar
  2. Já o tenho para ver!!!!

    Participa na sondagem "Melhor James Bond com Pierce Brosnan” até ao dia 20 de Abril 2009, em http://additionalcamera.blogspot.com. Só faltam 16 dias!!

    ResponderEliminar
  3. Gostei bastante deste texto, Roberto. Fiquei com vontade de rever o filme. Aliás, disse que te enviava uma crítica, mas nunca o fiz. A ver se o faço brevemente.
    Posso adiantar que gostei do filme.

    ResponderEliminar
  4. Marta,

    Corre para o clube de vídeo! Ou muito me engano, ou o Calcifer terá mesmo razão!

    Cumps.


    Filipe Machado,

    Não percas tempo! THE FALL é uma das maravilhas maiores da sétima arte.

    Cumps.


    thesubsidal,

    Obrigado pela congratulação. Revê-o, então, e se quiseres enviar a tua crítica, será aceite com todo o prazer.

    Cumps.

    Roberto F. A. Simões
    CINEROAD

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2017 de Roberto Simões