quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

O PIANISTA (2002)

PONTUAÇÃO: MUITO BOM
★★★★
Título Original: The Pianist
Realização: Roman Polanski

Principais Actores: Adrien Brody, Thomas Kretchmann, Frank Finlay, Maureen Lipman, Emilia Fox, Ed Stoppard, Julia Rayner

Crítica:

If you prick us, do we not bleed?
If you tickle us, do we not laugh?

UMA HISTÓRIA DE SOBREVIVÊNCIA



If you poison us, do we not die?
And if you wrong us, shall we not revenge?

As frases com que me inicio são de Shakespeare, The Merchant of Venice (acto III, cena I). Sabe, quem conhece a comédia, que a eloquente passagem se refere às angústias do agiota judeu, a propósito da discriminação que sobre o seu povo recai, há séculos, injusta e desumanamente:

I am a Jew. Hath not a Jew eyes? Hath not a Jew hands, organs, dimensions, senses, affections, passions; fed with the same food, hurt with the same weapons, subject to the same diseases, healed by the same means, warmed and cooled by the same winter and summer as a Christian is?

Quem diria que o anti-semitismo viria ainda a contribuir para um dos mais negros capítulos da História da Humanidade.

As frases com que me iniciei são proferidas por Henryk (Ed Stoppard), num momento que antecede a dolorosa separação da família, quando Wladyslaw Szpilman (Adrien Brody) o interroga sobre o que está a ler. Estamos no ano de 1942. Terminada a declamação, Wladyslaw remata: very appropriate. Estão rodeados por uma multidão de judeus: sedentos, famintos, pálidos, de pele e osso, sujos, doentes e em tremendo estado de choque. Recentemente retirados dos ghettos que os humilharam e desumanizaram por completo, são agora supervisionados pelos soldados da Gestapo: anseiam por paz, mas espera-os o horror dos campos de concentração.

Wladyslaw Szpilman era, até meados de 1939, um reputado pianista. Tocava para a Rádio de Varsóvia e o seu talento era unanimamente reconhecido. You musicians don't make good conspirators. You're too... too musical. Mas as imposições nazis, que a partir de então se fizeram sentir, anularam por completo qualquer reputação, qualquer integridade. Os judeus foram proibidos de entrar em restaurantes, de frequentar os parques, de andar nos passeios... Foram obrigados a ostentar a Estrela de David no braço, foram caluniados, esbofeteados, espancados, roubados, escravizados... o cerco apertou-se até serem reduzidos à mais miserável condição, à mais miserável existência. Em Outubro de 1940, tiveram que abandonar as suas casas e partilhar as divisões do distrito judeu com centenas e centenas de famílias condenadas. Venderam todos os seus bens, esconderam cada nota e, ainda assim, alimentaram-se do ar, tal era a escassez de alimento.

I blame the Americans. (...) American Jews, and there's lots of them, what have they done for us? What do they think they're doing? People here are dying, haven't got a bite to eat. The Jewish bankers over there should be persuading America to declare war on Germany!

... diz o pai do pianista.

Os judeus, impotentes, limitaram-se à extrema situação. A revolta, por mais organizada que fosse, revelar-se-ia sempre ineficaz. A única eficácia talvez fosse apenas a morte com dignidade.

Germans never go into Jewish toilets. They're too clean for them.
Majorek

Roman Polanski, que também em criança testemunhou - na pele e na alma - os horrores do holocausto e das perseguições nazis na Polónia, filma este impressionante drama com uma frieza implacável, com uma tenacidade e com uma mestria incríveis. Há cenas verdadeiramente chocantes, tocantes e derradeiramente excepcionais: a morte do menino pelo buraco do muro, a dança do gozo e humilhação, o comer directamente do chão, o homicídio do paralítico a partir do terceiro andar, a partilha de um só caramelo de 20 zlotes entre todos, as sádicas chacinas em fila, etc. O filme vive muito dos planos estáticos e do poder da encenação, vive do poder destroçante das imagens. A mise en scène é cuidada e minuciosa, perfeitamente iluminada e fotografada (Pawel Edelman). Os valores artísticos por detrás da reconstituição histórica são elevadíssimos (Allan Starski, Nenad Pecur, Wieslawa Chojkowska e Gabriele Wolff). O notável guarda-roupa é da consagrada Anna Sheppard (estilista responsável, entre outros grandes trabalhos, pelo figurino do extraordinário parente A Lista de Schindler). O filme vive também dos silêncios ou das erudição das peças musicais: Beethoven, Bach, entre outros, mas sobretudo Chopin. A banda sonora original é de Wojciech Kilar. Aquele clarinete a solo é tão solitário e desolador quanto a aterradora experiência de Szpilman. A obra vive ainda e sobretudo dos desempenhos dos actores, em especial da assombrosa e transfiguradora performance de Adrien Brody.

Quando o conhecido e influente Yitzchak impede que Szpilman parta com a família no comboio, inicia-se um percurso a sós; que se revelará, porventura, as etapa mais difícil e agoniante de todas. Primeiramente, Szpilman ainda se sujeita ao trabalho na construção civil, sob as ríspidas e repressivas ordens dos soldados alemães.

Know why we beat you? Know why we beat you?
(...) To celebrate New Year's Eve!

... exclama um dos monstros, alcoolizado.

Mas a esperança de escapar nunca se esvaiu, nos momentos de maior lucidez. I want to get out of here, afirma um dia ao colega Majorek, que reencontra na empreitada. It's easy to get out - responde-lhe o recluso - it's how you survive on the other side that's hard. Num outro dia, por sorte, proporciona-se a fuga. Valem-lhe amigos antigos que, ainda que polacos e ameaçados pela propaganda de Hitler, se recusam a ignorá-lo, sem o ajudar. Dão-lhe tecto, alguma comida, algumas condições... esconderijos mais ou menos seguros onde deverá aguardar, no mais profundo isolamento, pelo fim do conflito. Tendo um piano em frente e sem poder tocá-lo, com medo de ser denunciado, imagina a concretização máxima da partitura, imagina Chopin, inspiradamente interpretado. Falta-lhe a música, falta-lhe o alento, falta-lhe a família, falta-lhe praticamente tudo. Passa tanto tempo sem falar que quando as explosões se fazem ouvir nos arredores, cada vez mais perto, apenas consegue balbuciar, assolado pelo pânico.

1944. Quando os tanques lhe invadem a rua, foge uma vez mais, ensurdecido pelas explosões. Aquele plano sobre a avenida em ruínas, depois do muro, é tão... silenciadora... Até ao final da obra, sucedem-se as elipses e os episódios. Szpilman não parece mais o mesmo: em trapos que nem um mendigo, cresceram-lhe o cabelo, a barba e o sentimento de perda. Encontra uma lata de conserva, mas não tem força nem física nem psíquica para pensar numa forma de abri-la. Inesperadamente, vê-se frente a frente com um Capitão do exército alemão (Thomas Krestschmann, portentoso no underacting). O momento é, verdadeiramente, de cortar a respiração.

Play.

Szpilman ainda hesita ao pedido, mas não resiste à possibilidade de finalmente voltar a tocar piano. E o piano ali está ao lado, no meio da sala abandonada, iluminado por um frio feixe de luz. O militar apoia-se no piano e observa-o. E Szpilman toca. Toca com toda a alma e coração, na concretização plena de um momento catártico. Condoídos pelos terríveis acontecimentos que o pianista viveu, e que tão sofregamente presenciámos, somos incapazes de interromper aquela música profundamente sentida... Não há espaço para maniqueísmos - o alemão ajuda-o: dá-lhe comida, um casaco, um abre-latas. Dá-lhe uma última e derradeira esperança. Talvez sobreviva a tempo da chegada dos russos, talvez sobreviva a tempo da libertação. Talvez sobreviva, afinal, para contar a história. Enfim, cenas memoráveis, no culminar de um clássico absoluto e obrigatório.

Grande, grande pedaço de cinema.

16 comentários:

  1. O Pianista é simplesmente genial. Achei o filme muito bom em todos os seus departamentos. É belissimo e Brody foi muito bem escolhido para este filme.
    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Sim é um grande filme. Acima de tudo me parece original e pouco vulgar, o que só lhe aumenta a qualidade e o destaque que tem tido.

    Apesar disso, não consigo gostar tanto como apregoam por todo o lado. A lentidão da narrativa e a ausência de banda sonora grande parte do tempo aborrecem-me um pouco. Nada que retire o argumento muito bom ou a grande interpretação de Brody.

    abraço

    ResponderEliminar
  3. É um filme grande, elegante e bem construído... gosto muito. :)

    ResponderEliminar
  4. Concordo obviamente com vocês todos, incluindo com o Jorge quando diz que não é uma obra-prima tão extraordinária como gostam de o fazer parecer.


    É, contudo, um belíssimo filme, um dos melhores do Polanski e um que se destaca dentro da sua filmografia à custa da sua singularidade.

    E Adrien Brody... é o papel de uma vida.

    Abraço.

    Jorge Rodrigues
    http://dialpforpopcorn.blogspot.com

    ResponderEliminar
  5. GEMA: Não diria genial, mas magistral é com certeza. Tão belo quanto desolador.

    JORGE: Não sei se será propriamente original. Não creio que seja muito por aí. É mais um filme excepcionalmente bem feito, dentro de um género muito comum nos últimos anos. É um primo de A LISTA DE SCHINDLER. Muito bom em tudo isso que referiste. Um dos melhores filmes de Polanski.

    FLÁVIO GONÇALVES: Sim, muito elegante. Muito bem executado, muito bem tudo. Nada falha neste filme tremendo.

    JORGE RODRIGUES: Não creio, igualmente, que seja uma obra-prima. Contudo, não o julgo sobrevalorizado.
    Adrien Brody, sem dúvida... o papel de uma vida.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  6. Como já tive ocasião de opinar, este filme é o ajuste de contas de Polanski com o passado. A família regressou à Polónia, vinda de Paris, apenas dois anos antes da 2ª Guerra Mundial começar. Os pais foram levados para campos de concentração (a mãe morreu em Auschwitz) e o jovem Polanski, então com 12 anos, foi sobrevivendo às suas custas no ghetto de Varsóvia, de onde acabou por fugir. Viveu a maioria desses anos de juventude em zonas rurais, onde foi saltando de família para família.
    Como se percebe, Polanski teria de realizar um filme destes. Levou o seu tempo, devido aos fantasmas do passado, mas conseguiu uma obra madura, sem cedências ao seu próprio drama pessoal.
    Não será certamente a sua "coroa de glória", mas mesmo assim fica alguns furos acima de por exemplo uma "Lista de Schindler", de Spielberg.

    ResponderEliminar
  7. Tenho o dvd em casa para ver. Pelo que li e sei, vale mesmo a pena.

    Abraço
    Cinema as my World

    ResponderEliminar
  8. RATO: A vida do Polanski é que daria um filme incrível. Qualquer dia...
    O PIANISTA é sem dúvida um filme maduro, magistral e de confrontação com um passado pessoal do realizador.

    NEKAS: Vale, pois. Vais gostar imenso, certamente ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD – A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  9. Prefiro a Lista de Schindler, apesar de gostar também deste. Acho o filme de Spielberg mais completo.

    Polanski é uma autêntica personagem a deambular pelos meandros e recônditos do cinema actual :P.

    ResponderEliminar
  10. Magistral, sim. O meu favorito do Polansky e dos meus favoritos do género.

    ResponderEliminar
  11. Mas o melhor filme jamais feito sobre o horror dos campos de concentração até que não é um grande filme... em comprimento. Trata-se de uma média metragem de cerca de 1 hora, realizada também por um polaco, Andrzej Munk, em 1963. Chama-se "A Passageira" ("Pasazerka") e nunca se estreou comercialmente em Portugal. Mas eu tive a feliz oportunidade de o ver na única exibição que o filme teve no nosso País - foi no dia 19 de Fevereiro de 1978 no Grande Auditório da Fundação Gulbenkian. É algo arrepiante, que eu nunca esqueci, e que ando a ver se o consigo arranjar em DVD.

    ResponderEliminar
  12. JORGE: Também gosto imenso d'A LISTA do Spielberg, nem sei qual dos dois prefiro. São filmes diferentes, mas ao mesmo tempo tão próximos. São parentes, como gosto de chamar-lhes.

    DIOGO F: Por acaso é uma coisa que não consigo decidir: qual o meu favorito do Polanski. Mas gosto muito deste, indubitavelmente.

    RATO: Não só não conheço como, se bem me lembro, nunca ouvi falar. Deve sem dúvida ter sido marcante, para ainda te recordares e tão bem. Agora a ver se assistes à obra novamente e se constatas que a tua opinião se mantém.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  13. Estou cheio de sorte! Acabei de encontrar o filme na Amazon inglesa e já o encomendei (12,27 euros, incluindo os portes).
    Aqui fica o respectivo link, caso estejas interessado:

    http://www.amazon.co.uk/Passenger-DVD-Aleksandra-Slaska/dp/B000FL6XE6/ref=sr_1_1?s=dvd&ie=UTF8&qid=1283106639&sr=1-1

    ResponderEliminar
  14. RATO: Pois, na Amazon UK fazem-se óptimas compras, portes incluídos. Fico muito agradecido! ;)

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  15. Quantos momentos que o cinema presenteou-me e mais uma vez Polansky deu-nos o seu melhor.
    Infelizmente a vida não lhe sorriu na sua vida pessoal. Mas são outras histórias e é sem duvida um dos maiores realizadores da 7ª arte.
    JMAbreu

    ResponderEliminar
  16. adoro como o brody conmsegui passar um realismo a essa cruel historia e triste mas ja o aluguei varias vezes.adoro o andrey brody e nesse filme se superou

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2016 de Roberto Simões