segunda-feira, 23 de outubro de 2017

À PROCURA DA TERRA DO NUNCA (2004)

PONTUAÇÃO: BOM
Título Original: Finding Neverland
Realização: Marc Forster

Principais Actores: Johnny Depp, Kate Winslet, Freddie Highmore, Radha Mitchell, Julie Christie, Dustin Hoffman, Joe Prospero, Kate Maberly, Kelly MacDonald, Paul Whitehorse, Toby Jones, Mackenzie Crook, Eileen Essell, Luke Spill


Crítica:

A MAGIA DE ACREDITAR
Just believe.

Em À Procura da Terra do Nunca encontramos aquilo que, entre a gíria da crítica facilmente apelidamos de o típico filme Miramax. A expressão, ainda que munida de alguma intenção depreciativa, tem o seu fundo de verdade. Às tantas na década de 90 e na década seguinte, a produtora dos irmãos Weinstein apoiou ou trouxe à ribalta variadíssimos títulos 
estrelados por nomes seguros e dirigidos por realizadores competentes, títulos redondos na forma e no tom, distantes de qualquer linha independente, tecnicamente bonitinhos, com todo o primor que o diminutivo adianta e com toda a previsibilidade com que as mais emblemáticas premiações do meio deliram. São os chamados filmes para Oscars, numa dinâmica repetidamente testada e geralmente bem sucedida; para não falar da provável e poderosa influência do estúdio entre os votantes, mas cessemos por aqui a conspiração. Entre filmes deste género encontramos os de Hallström, As Regras da Casa e Chocolate. Tão-pouco Chicago ou Dúvida arriscam por aí além. São todos bons filmes, mas nunca formalmente extraordinários. 

No outro extremo, a Miramax foi responsável por títulos arrojadíssimos (Gangs de Nova Iorque, O Aviador ou Haverá Sangue), outros mais arriscados (Pulp Fiction, Kill Bill, Gerry), outros dotados de uma sensibilidade artística incrível (como O Piano, As Horas ou Cold Mountain). O estúdio deu ainda suporte e grande visibilidade a produtos não americanos e inequivocamente geniais como Herói, Cidade de Deus ou O Fabuloso Destino de Amélie. Feitos o balanço e o saldo, dificilmente me encontraria entre aqueles que repudiam as propostas do estúdio só pelo nome. Apesar de inteiramente digno, À Procura da Terra do Nunca é, sim, um desses filmes bonitinhos e inofensivos, que apelam à lágrima.

Eis, pois, um biopic fabuloso e claramente bem escrito (Allan Knee, a partir da peça homónima) sobre o autor de Peter Pan e as circunstâncias que terão levado à criação do seu emblemático e inspirador universo. Criativo q.b. na abordagem - na forma plástica e primária como propõe o cenário imaginário, mostra-se fiel ao espírito e aos valores temáticos: a infância, a inocência, a brincadeira. A direcção artística e o guarda-roupa asseguram o requinte visual. A fotografia de Roberto Schaefer garante a sobriedade das cores e dos enquadramentos, nunca constituindo, propriamente, planos inesquecíveis ou passagens marcantes, mas o que faz, faz bem. Dificilmente um filme Miramax teria pontuação negativa em categorias destas. Marc Forster, no seu perfil tarefeiro e nunca especialmente inspirado ou magistral, conduz os destinos da proposta a porto seguro.

A composição musical de Jan A. P. Kaczmarek é em tudo maravilhosa (ganhou o Óscar!) e a variação do tema principal em piano, com que o filme encerra, é a mais perfeita prova disso. É pela música, também e tanto, que o filme aflora como uma delícia subtil e delicada sobre as forças de imaginar... e de acreditar. Pela surpreendente sinceridade interpretativa de Freddie Highmore e pelo desarmante underacting de Johnny Depp - igualmente inesperado dado que dele esperamos as maiores excentricidades - À Procura revela-se absolutamente comovedor. O elenco é todo ele intocável, desde a sempre brilhante Kate Winslet ao bem-humorado Dustin Hoffman, de Julie Christie a Radha Mitchell, do Peter Pan de Kelly MacDonald à voz fofinha do pequeno Michael (Luke Spill).

Hoje, passados alguns anos da estreia do filme, já poucos se lembram daquele que em 2004 obteve sete nomeações para os Óscares, tendo inclusive sido nomeado para melhor filme. Acontece. Mas que chegou à ribalta das estatuetas chegou. Por mérito próprio, por poder ou influência, é sempre difícil, nestes filmes Miramax, perceber ao certo e é difícil alhearmo-nos da questão. Tem uma crítica ao filme o direito de se deixar influenciar por esses factores externos ao objecto artístico em si? Mas onde começam os interesses artísticos e os da indústria, na manifestação que o filme representa e é? A questão acender-nos-ia a discussão por páginas e páginas. 

À Procura da Terra do Nunca aquece-nos o coração, mas não a mente. Julgo que não há nenhum mal nisso. A mensagem just believe serve, pelos vistos, para todos: para os senhores do dinheiro e para os artistas, para os sonhadores. Esteja sempre o dinheiro ao serviço dos sonhos.

9 comentários:

  1. Estranho, tendo a concordar genericamente com seus comentários em relação ao filme mas gostei em menor grau. Tem belas cenas, mas não muito mais...

    ResponderEliminar
  2. O filme é lindo, as interpretações excelentes, Depp e Winslet no seu melhor, a história enternecedorea... Mas ficou-me sempre aquele sensação de que...o realizador podia ter investido um pouco mais!

    ResponderEliminar
  3. GUSTAVO H.R.: Não concorda meus comentários ou com a minha avaliação? Talvez com ambas. Nesse caso estaremos evidentemente em desacordo.

    CLAUDIA GAMEIRO: Exacto. Concordo, por isso não lhe dei as 5 estrelas. Falta-lhe o «golpe de asa». ;) Bem-vinda ao CINEROAD. Volta sempre!

    Cumps.
    Roberto Simões
    CINEROAD - A Estrada do Cinema

    ResponderEliminar
  4. Um grande filme! Quando eu o vi alguns anos atrás fui ver meio de "saco cheio", mas o filme me renovou completamente e entrou na minha galeria de filmes preferidos.

    Não conhecia o Cineroad e irei colocar nos meus favoritos no blog!

    Abraços!

    ResponderEliminar
  5. Genericamente estou de acordo contigo, até a pontuação me parece adequada. Se bem que aqui há uns tempos atrás lhe daria um pouco mais, hoje em dia contudo e tendencialmente desceu um pouco.

    É isso, possui cenários e uma fotografia muito boas, com uma banda sonora e um argumento deveras inspirador e comovedor, que nos chega e muito através das interpretações, em particular de Freddie Highmore.

    A força do argumento e a mensagem atinge o auge no final, sendo uma das razões porque nos impulsiona a considerá-lo tão bom, pelo menos para mim assim foi, contudo com o tempo vai-se deslocando para o seu devido lugar, que infelizmente (e não lhe tirando mérito algum) se situa uns furos abaixo.
    A recomendar acima de tudo, para aqueles que gostam de sonhar e acreditar...somos todos né!

    abraço

    ResponderEliminar
  6. ANDRÉ C.: Ah, fez muito bem! ;) Embora não seja um filme que considere extraordinário e essencial, é óbvio que é um filme repleto de qualidades.

    JORGE: Freddie Highmore. Como eu gosto desse actor. Quanto ao filme estamos de acordo. A propósito desse menino prodígio, não sei se conheces AUGUST RUSH - O SOM DO CORAÇÃO? Em caso afirmativo sugeria que passássemos para a ficha desse filme. É, na minha opinião, uma autêntica delícia, completamente irresistível.

    Cumps.
    Roberto Simões
    » CINEROAD - A Estrada do Cinema «

    ResponderEliminar
  7. Conheço o filme, mas ainda não o vi, irei apressar-me então!

    Do actor, e para além deste, acho que só vi The Spiderwick Chronicles e Charlie and the Chocolate Factory, em que faz também bons papéis, mas nada de realçar até porque os personagens e os próprios filmes não pedem mais, enfim...

    abraço

    ResponderEliminar
  8. Não o conheço, mas gosto muito de Johnny Depp, alter ego de Tim Burton e grande actor. Kate Winslet me surpreendeu em "O Leitor". Vou atrás.

    ResponderEliminar
  9. JORGE e ENALDO: O filme, não sendo propriamente magistral, tem as suas virtudes. Recomendo.

    Roberto Simões
    » CINEROAD «

    ResponderEliminar

Comente e participe. O seu testemunho enriquece este encontro de opiniões.

Volte sempre e confira as respostas dadas aos seus comentários.

Obrigado.

CINEROAD ©2018 de Roberto Simões